Lenilson é um dos principais jogadores do Botafogo da Paraíba

Lembra-se deles? Veja 15 refugos mais ilustres da Série C

A terceira divisão do futebol brasileiro tem muitos times tradicionais e conhecidos do público. São muitos clubes com camisa, torcida e tradição que não estão com espaço nas duas primeiras divisões. Até por isso, conseguem atrair alguns jogadores conhecidos para suas fileiras para defender suas cores. Trazemos então 15 nomes que você provavelmente já ouviu – e possivelmente já cornetou – da Série C do Brasileirão. Há outros que você nem lembrava, mas que continuam aí firmes e fortes jogando seu futebol pelos gramados deste país.

>>> Tema da semana: Por que você precisa acompanhar a Série C

Aislan (Madureira)

Zagueiro alto, de 1,93 metro, foi revelado pelo São Paulo em 2008, mas não teve muitas chances no time principal. Jogou pelo Guarani entre 2010 e 2011 e em 2012 foi para o Sion, da Suíça, para a temporada 2012/13. Chegou ao Madureira no início do ano para a disputa do Estadual do Rio e da Série C. Aos 26 anos, é titular da zaga do time de Conselheiro Galvão e foi bem no Campeonato Carioca. Deve ser uma peça importante na terceira divisão nacional.

Anderson Lessa (ASA)

Surgiu como promessa no Náutico, em 2008, mas teve muitos problemas que o atrapalharam na carreira. Chegou a ser contratado pelo Cruzeiro em 2009, mas não conseguiu brilhar. Rodou por Avaí, Vila Nova, XV de Piracicaba, Cuiabá e em 2014 acertou com o ASA. Aos 24 anos, tenta se recuperar numa carreira que parecia tão promissora no início.

Augusto Recife (Paysandu)

Volante revelado pelo Cruzeiro, atualmente tem 30 anos e está Paysandu. Já rodou bastante pelo Brasil. Depois de sair do Cruzeiro, em 2004, passou por Internacional, Flamengo, Santa Cruz, Ipatinga, Náutico, Botafogo de Ribeirão Preto, ABC, São Caetano, Joinville e chegou ao Paysandu nesta temporada.

>>> O Guia Corneteiro do Brasileirão 2014

Corrêa (Fortaleza)

Volante de 33 anos, Corrêa tem sua passagem mais importante pelo Palmeiras, entre 2003 e 2006. Foi para o futebol do exterior, defendendo o Dynamo de Kiev antes de voltar ao Brasil para jogar pelo Atlético Mineiro, em 2009, e Flamengo, em 2010/11. Voltou ao Palmeiras em 2012, no time que acabaria rebaixado no Campeonato Brasileiro. Jogou na Portuguesa em 2013 e chegou ao Fortaleza nesta temporada.

Denílson (CRB)

Atacante que ganhou fama no Mundial de Clubes de 2009, quando defendeu o Pohang Steelers e terminou como artilheiro da competição, com quatro gols. Atualmente, tem 37 anos e muitos clubes no currículo: jogou pelo Bunyodkor do técnico Luiz Felipe Scolari, em 2010, e passou por Mogi Mirim, Guarani e Portuguesa antes de chegar ao CRB em 2013. Ainda no ano passado, defendeu o Red Bull Brasil antes de voltar ao clube de Alagoas.

Fernando Baiano (Mogi Mirim)

O atacante de 35 anos, ex-Corinthians, chegou ao Mogi Mirim no início de 2014, depois de deixar o Al Ittihad, da Arábia Saudita, onde estava sem receber salários. O atacante ganhou destaque ao disputar a Libertadores de 1999 no Corinthians, passou por Internacional, Flamengo, Wolfsburg e Málaga. Deve ser a referência no ataque do Sapão para a Série C.

>>> A emoção e a paixão prevaleceram acima de qualquer outra coisa na decisão da Copa Verde

Frontini (Botafogo-PB)

Atacante de 32 anos bastante rodagem no futebol brasileiro, embora seja argentino de nascimento. Criado no Brasil, nem sotaque o jogador tem ao falar. Passou por diversos clubes, especialmente no interior de São Paulo. Ganhou alguma notoriedade em 2005, após um São Paulo x Marília em que o zagueiro são-paulino Fabão acusou o atacante de chamá-lo de “macaco”. Naquele mesmo ano, Frontini chegou a jogar pelo Santos, sua maior passagem em um clube grande. Curiosamente, já foi campeão da Série C em 2004, quando atuava no União Barbarense, uma das melhores fases da carreira.

Fumagalli (Guarani)
A camisa do Guarani apresentada por Fumagalli

A camisa do Guarani apresentada por Fumagalli

Sim, aquele mesmo que você já viu em tantos clubes e tão identificado com a torcida bugrina. Aos 36 anos, rodou por muitos clubes do Brasil, como Santos, Corinthians, Fortaleza, Sport e Vasco. Voltou ao Guarani em 2012, onde permanece desde então. Em 2013, foi emprestado por três meses ao Santa Cruz, do Pará, mas voltou ao clube.

Héverton (Paysandu)

Cria do Guarani, Héverton , o famoso “Héverton com H”, é aquele mesmo da polêmica da Portuguesa no fim de 2013. Deixou o clube rubro-verde depois do fim do Campeonato Brasileiro, mas já se envolveu em uma polêmica sobre uma suposta aposentadoria, anunciada pelo presidente do Paysandu, mas negada por ele. Agora é esperar para ver se ele disputará o Brasileirão da Série C.

>>> Com essa confusão em Joinville, como fica o Campeonato Brasileiro?

Lenílson (Botafogo-PB)

Campeão brasileiro pelo São Paulo em 2006, Lenílson (foto no alto) está com 32 anos e já rodou bastante. Saiu do Morumbi para o Jaguares, do México, depois jogou por Atlético Mineiro, Paraná, Vitória, Duque de Caxias, Linense, Guaratinguetá e está no Botafogo desde 2013. Foi peça-chave do time que foi campeão brasileiro da Série D, que levou ao acesso à atual Série C.

Marcelinho Paraíba (Fortaleza)
Marcelinho Paraíba é um dos jogadores do Fortaleza na disputa da Série C

Marcelinho Paraíba é um dos jogadores do Fortaleza na disputa da Série C

Sim, é ele mesmo. Aos 38 anos, o atacante segue jogando e é uma das armas do tricolor cearense para a Série C. Seus principais momentos na carreira foram pelo São Paulo, entre 1997 e 2000. Jogou por Olympique de Marseille, Grêmio, Hertha Berlim, Wolfsburg, Flamengo, Coritiba, novamente o São Paulo, Sport, Barueri, Boa Esporte e chegou ao Fortaleza em 2013. Canhoto, bom finalizador, deve chamar a atenção nas partidas – se conseguir se manter até o fim da temporada sem polêmicas.

Moradei (São Caetano)

O volante, ex-Corinthians, está no São Caetano desde 2012, quando deixou o clube do Parque São Jorge. Revelado pelo Taubaté, teve destaque no Bragantino em 2007 e foi contratado pelo Corinthians naquele mesmo ano. Sempre reserva, acabou emprestado duas vezes ao São Caetano antes de ficar no clube em definitivo.

Fabinho (São Caetano)

Fabinho é aquele volante ex-Corinthians e Santos, que também atuou por Cruzeiro, Bahia e Toulouse. Aos 34 anos, voltou ao São Caetano, clube que o revelou lá no ano 2000, em 2013. Teve bons momentos durante a sua passagem pelo Corinthians, mas nunca chegou a ser um grande destaque.

Ricardinho (Guaratinguetá)

São tantos Ricardinhos no futebol brasileiro que é difícil saber qual é qual. Ricardinho do Guaratinguetá é atacante e tem 29 anos e onde ganhou mais destaque foi na sua passagem pelo Palmeiras entre 2004 e 2005, ano em que foi para o Grêmio. Passou por Jeju United, da Coreia do Sul, Figueirense, Botafogo, Mogi Mirim, Santa Cruz, Paulista, São Caetano e chegou ao Guará em 2013.

Robert (Fortaleza)

Aos 33 anos, Robert teve destaque no Paulistão de 2001, pelo Botafogo de Ribeirão Preto. Jogou no Servette, da Suíça, e voltou ao Brasil para se destacar no São Caetano. Rodou por muitos times no exterior no Japão, Rússia e México. Passou pelo PSV, sem grande destaque, até chegar ao Betis em 2006, onde fez boa temporada. Jogou depois na Arábia Saudita, México novamente e chegou ao Palmeiras em 2009. Jogou também no Cruzeiro, Bahia e tem rodado por diversos clubes. Estava no Ceará em 2012, foi para o Necaxa, do México e Boa Esporte. Tenta o sucesso agora no Fortaleza.

Warley (Botafogo-PB)

Se você pensou: “É aquele mesmo?”, sim, é aquele mesmo. Warley se destacou primeiro no Atlético Paranaense, em 1997, e é um veterano da bola. Passou pelo São Paulo em 1998/99, jogou em Udinese, Grêmio, São Caetano, Palmeiras, voltou ao Atlético Paranaense em 2006 e, desde então, roda o Brasil. Aos 36 anos, chegou ao Botafogo em 2013, onde foi campeão paraibano e da Série D. Formará o setor ofensivo do time da Paraíba com outros veteranos, Lenílson e Frontini. E tudo isso comandado pelo técnico Marcelo Vilar, ex-Palmeiras.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR:
Graças a Juninho e Doriva, o título do Ituano foi comemorado até na Inglaterra
Luciano do Valle, técnico de Pelé, Rivellino e Zico na Seleção: relembre o Mundialito de masters
Dener, e o 20º aniversário da destruição de nossos corações