Goleiro é a posição mais especializada do futebol. É a única em que não se pode improvisar impunemente. ao contrário do que ocorre na defesa, no meio-campo ou no ataque, jogadores de outras posições simplesmente não têm a capacidade técnica necessária para entrar no lugar de um profissional do gol e manter um nível minimamente aceitável. Mas às vezes dá certo, como na épica classificação do Ludogorets sobre o Steaua Bucareste na fase eliminatória da Liga dos Campeões. O zagueiro Cosmin Moti foi ao gol, pegou dois pênaltis e classificou sua equipe para a fase de grupos.

LEIA MAIS: Moti, o mito: Zagueiro vai para o gol, defende dois pênaltis e põe Ludogorets na LC; veja

Foi certamente uma das maiores participações de um jogador de linha no gol. Mas não foi a única. Separamos algumas grandes atuações. Confira só e veja qual a sua preferida:

Gaúcho
Flamengo 1×1 Palmeiras, 1988

Segundo turno do Brasileirão. Em 1988, o regulamento previa disputa de pênaltis para todos os jogos que terminassem empatados. O Palmeiras vencia por 1 a 0 no Maracanã quando Zetti fraturou a perna em dividida com Bebeto. O atacante Gaúcho (que se tornaria ídolo do Flamengo anos depois) foi ao gol. Não impediu o empate, mas pegou as cobranças de pênaltis de Aldair e Zinho e deu os dois pontos ao Alviverde. Considerando que o jogo ainda teve, como pode-se ver no vídeo abaixo, presença de Zico, narração de Galvão Bueno e reportagem de Marcelo “Corta-pra-mim” Resende, é muita coisa mítica para um jogo só.

Paulo Sérgio
Corinthians 0x3 São Paulo, 1993

Primeiro turno do Campeonato Paulista. O Corinthians vinha em uma série negativa contra o São Paulo, com vários jogos sem sequer anotar um gol. Naquela tarde do Pacaembu não foi diferente. O Tricolor vencia quando Ronaldo foi expulso por cometer pênalti em Raí. O atacante Paulo Sérgio – que, no ano seguinte, estaria ao lado de Raí para conquistar o tetra do Brasil – foi para o sacrifício. Sofreu dois gols, mas fez boas defesas e impediu uma goleada maior.

Phil Jagielka
Sheffield United 1×0 Arsenal, 2006

Partida apagadíssima do Arsenal pela rodada de véspera de reveillon no Campeonato Inglês. Nade deixou o Sheffield United na frente, mas o goleiro Kenny se contundiu aos 15 minutos do segundo tempo. O time da casa não tinha um goleiro reserva no banco, e o técnico Neil Warnock teve de improvisar um zagueiro no gol. Um desconhecido Phil Jagielka. A apresentação do Arsenal foi tão ruim naquela noite que o zagueiro-goleiro só teve de fazer duas boas defesas na meia hora em que ficou no gol. Mas assegurou a vitória de sua equipe.

Obs.: não há vídeo do jogo para incorporar. A notícia pode ser vista aqui.

Felipe Melo
Elazigspor 0x1 Galatasaray, 2012

O goleiro do Galatasaray comete pênalti e é expulso no último minuto de um jogo pelo Campeonato Turco. Felipe Melo vai para o gol e defende a cobrança, garantindo a vitória de sua equipe. E, como Felipe Melo é sempre Felipe Melo, ele comemorou a defesa com fanfarronice, imitando um pitbull, em referência ao seu apelido no clube.

Cosmin Moti

Ludogorets 1×0 Steaua Bucareste, 2014

A história desta semana. Moti, romeno e ex-jogador do Dinamo de Bucareste, teve de ir ao gol no final da prorrogação do Ludogorets x Steaua Bucareste que valia uma vaga na fase de grupos da Liga dos Campeões. Na disputa de pênaltis, converteu sua cobrança e defendeu outras duas para classificar a equipe búlgara pela primeira vez na história do torneio continental.

Faixa bônus

Luis Suárez
Uruguai 1×1 Gana, 2010

O único problema dessa defesa é que ela foi ilegal, pois o jogador não havia oficialmente assumido o posto de goleiro. Mas foi uma defesa precisa, oportuna, e que acabou valendo ao Uruguai a classificação para as semifinais da Copa do Mundo após 40 anos.

Faixa bônus 2*

Flávio
San Lorenzo-PAR 1×0 Paraná, 1999

Quartas de final da Copa Conmebol. O Paraná perde por 1 a 0 para o San Lorenzo-PAR e tem o goleiro Marcos expulso. O atacante Flávio vai para o gol. E faz um grande papel: converte sua cobrança e defende três pênaltis paraguaios, classificando os paranistas para as quartas de final (onde não usaram o atacante-goleiro no gol e acabaram eliminados nos pênaltis pelo Talleres).

*Tínhamos esquecido de colocar essa na lista, mas o leitor Douglas Cunha cornetou com razão e nós incluímos como faixa bônus.