Por João Monteiro, advogado e penapolense de nascimento

Surpreso com a classificação do Penapolense (CAP para nós, penapolenses) para as semifinais do Paulista, eliminando o São Paulo em pleno Morumbi? Pois saiba que a equipe da interiorana Penápolis alcançou outras sete pequenas façanhas em suas duas primeiras temporadas na elite do futebol paulista, em um intervalo pouco maior que um ano. E não, nenhuma delas tem qualquer relação com a Sabrina Sato. Confira:

1. Vitória sobre o Palmeiras no Pacaembu.

Imagine que o clube de sua pequena cidade natal, depois de décadas no ostracismo de divisões inferiores (ou mesmo na inatividade), estreie na primeira divisão do futebol paulista e derrote o Palmeiras, no Pacaembu, naquele que foi o primeiro jogo de sua história contra um dos grandes times do Brasil. Imagine também que o gol dessa surpreendente vitória tenha sido marcado pelo capitão, símbolo e ÚNICO jogador natural da mesma cidade do clube.

Pois é. Com tons épicos, o CAP alcançou sua primeira façanha na primeira divisão do Paulistão. Na terceira rodada do Campeonato Paulista de 2013, vitória de 3 a 2 sobre o Palmeiras, decretada pelo gol do zagueiro Perez, o grande herói penapolense. De nascimento.

2. Empate que decretou o rebaixamento do São Caetano.

O empate por 1 a 1 com o CAP sacramentou o rebaixamento do São Caetano na penúltima rodada do Paulista do ano passado. O outrora vice-campeão da Libertadores foi despachado para a Série A2 com Jobson (ex-Botafogo), Rivaldo e tudo, em plena cidade de Penápolis.

3. Classificação para as quartas no primeiro ano na elite.

As duas primeiras pequenas façanhas somadas à manutenção na primeira divisão seriam suficientes para deixar o torcedor penapolense orgulhoso. Mas o CAP fez muito mais. Conseguiu a última vaga para as quartas-de-final na oitava posição da fase classificatória do Paulista de 2013, deixando para trás seu maior rival, o Linense, no nono lugar, por um ponto de diferença. Ponto esse provavelmente conquistado no empate de 1 a 1 com o rival, em chuvosa noite de Lins.

O time do interior ainda deu muito trabalho ao São Paulo, no Morumbi, e vendeu caro a classificação do grande paulista para as semifinais, ao perder o jogo por 1 a 0.

4. Classificação para sua primeira competição nacional oficial.

Para completar a temporada dos sonhos de qualquer penapolense, a surpreendente campanha no Estadual classificou o CAP para a Série D do Campeonato Brasileiro, o que permitiu à equipe jogar pela primeira vez uma competição nacional e estrear suas primeiras partidas oficiais fora do Estado de São Paulo.

5. Goleada sobre o Santos em Penápolis.

Se o ano passado trouxe resultados acima de qualquer expectativa, o CAP reservou para 2014 suas maiores façanhas. E a primeira delas foi a goleada por 4 a 1 sobre o Santos, na oitava rodada do Paulista deste ano. O jogo em Penápolis foi marcante pela vitória sobre um dos grandes clubes paulista, pelo elástico placar, e porque essa foi a única derrota da melhor equipe da primeira fase do Campeonato (tanto na classificação, quanto pela qualidade do seu futebol) até o momento.

6. Empate que decretou a eliminação do Corinthians.

Os deuses do futebol reservaram ao CAP a oportunidade de protagonizar o jogo que definiu a eliminação do Corinthians na penúltima rodada da Primeira Fase do Paulista deste ano. Sob forte calor, o gigante paulista não passou de um 0 a 0 em Penápolis, o que, combinado com a derrota do São Paulo para o Ituano, enviou os comandados de Mano Menezes para um período de recesso forçado até o início do Campeonato Brasileiro. Esse foi o primeiro jogo realizado em Penápolis a ser televisionado em rede aberta para todo o Estado de São Paulo.

7. Classificação para as quartas pelo segundo ano consecutivo.

Antes de sua maior façanha (a classificação para as semifinais), o CAP já havia alcançado outra. Se a classificação para as quartas de final do Paulista em sua participação inaugural na primeira divisão estava fora de todos os prognósticos, a segunda classificação seguida foi um feito verdadeiramente heroico para uma equipe com orçamento mensal estimado em R$ 400.000,00 (o que provavelmente não pagaria um mês de salários de Alexandre Pato).

E, de quebra, o time de Penápolis mais uma vez superou (sem tapetão) seu rival de Lins na classificação final do Campeonato.

Texto publicado originalmente no blog Gol de Mão, que gentilmente autorizou a republicação pela Trivela.