O que é preciso para fazer uma final inesperada? Na Terceirona de Santa Catarina, o roteiro contou com estádio lotado, regulamento esdrúxulo, lances inesperados e uma arbitragem pra lá de questionável. Tudo para que Internacional de Lages e Blumenau fizessem uma das decisões mais malucas já realizadas no futebol brasileiro– e, nas próximas linhas, você verá que não estamos exagerando ao apontar isso.

O confronto entre Inter e Blumenau não valia apenas a taça da terceira divisão estadual. Afinal, apenas o campeão é premiado com o acesso. E os vencedores dos dois turnos tiveram que ir com sangue nos olhos para a decisão. No jogo de ida, o Blumenau conquistou uma excelente vitória por 4 a 0. Goleada que não adiantou para nada, pois os gênios que escreveram o regulamento não definiram o saldo de gols como critério de desempate. Na ida a Lages, o time tinha a vantagem do empate, ao menos. E, mesmo pressionado por seis mil torcedores, os visitantes saíram em vantagem. Algo que não foi mantido por muito tempo.

Leia mais
Demissão de Márcio Santos reforça necessidade de investigação sobre escândalo

Os rumos da partida começaram a ser definidos nos acréscimos do primeiro tempo. Em confusão na qual um jogador do Inter também foi expulso, o goleiro Nei recebeu cartão vermelho. Pior para o BEC, que não tinha arqueiro reserva. O jeito foi improvisar na meta o artilheiro Negreiros – sim, AQUELE, que um dia foi chamado de ‘fenômeno’ por Abel Braga no Flamengo. Era a chave da desgraça para o Blumenau. Naturalmente, o Inter conseguiu buscar a virada no segundo tempo. E o desespero levou os visitantes a trocarem o goleiro mais uma vez, com Negreiros de volta ao ataque e o zagueiro Lucas Campestrini à meta. Não deu certo, com o clube de Lages chegando ao terceiro gol antes do apito final.

Aqui, mais um artigo ridículo do regulamento. As regras do campeonato previam prorrogação, mas com vantagem do empate para o time que já estivesse vencendo. Precisando de um gol a todo custo, o Blumenau fez sua terceira troca de goleiro na partida, mandando o atacante Marcos calçar as luvas. E a reviravolta só não aconteceu porque o juizão Célio Amorim não quis colaborar muito com o sucesso dos visitantes.

Aos oito minutos do primeiro tempo da prorrogação, Negreiros teve um gol anulado. Motivo para reclamação dos jogadores do Blumenau e até para as desculpas dos jogadores de Lages, que admitiram a validade do lance. Pouco depois, uma falta marcada contra o BEC foi o motivo para o estopim, com o trio de arbitragem escoltado pela polícia. Depois de minutos de paralisação, o imbróglio foi contornado e a partida, retomada. Contudo, sem tempo para que a vitória, o título e o acesso do Inter fossem desbancados. Definitivamente, uma partida que entrará para a história, não apenas por bons motivos.

Atualizado às 16h05: Apenas uma lembrança feita pelos torcedores de Blumenau que visitaram a matéria. O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, é de Lages e prometeu apoio ao Inter no início do ano. Não é prova de nada, mas ajuda a alimentar alguma desconfiança.

Abaixo, o vídeo com os lances do jogo. Embora o ângulo não seja o mais favorável, a inexistência do impedimento de Negreiros no lance da prorrogação é perceptível.