Chegou a hora da verdade na Série D do Campeonato Brasileiro. Neste final de semana, oito times conquistaram suas classificações às quartas de final da competição nacional. Ganharam o direito de disputar um duelo que determinará todo o seu planejamento para a próxima temporada. Afinal, os quatro que sobreviverem rumo às semifinais também terão garantido o acesso à Série C de 2018. O regulamento pode não premiar tanto a regularidade. Independentemente disso, assegura emoção de sobra na etapa decisiva.

Enquanto os jogos das fases anteriores foram regionalizados, não há limites geográficos para as quartas de final. O time classificado que mais marcou pontos até o momento pegará o que menos marcou, e assim sucessivamente. O chaveamento, portanto, já confirma um novo representante do Nordeste estará na Série C, com o confronto entre América de Natal e Juazeirense. Nos outros embates, prevalece o duelo Norte-Nordeste contra Sul-Sudeste. Assim, as longas viagens serão um desafio a mais para o principal momento do torneio.

Abaixo, fizemos um resumo de cada um dos postulantes ao acesso. Como vêm e o que têm feito nesta Série D, rumo aos jogos decisivos. Confira:

América-RN x Juazeirense-BA

meca

Um dos clubes mais tradicionais na Série D 2017, o América de Natal busca se reerguer após amargar dois rebaixamentos nos últimos três anos. E o Dragão vem fazendo uma boa campanha, dono do melhor aproveitamento até o momento. São oito vitórias e um empate em dez partidas, com 17 gols marcados e apenas cinco sofridos. Sobrando em sua chave na fase de grupos, os potiguares eliminaram a Aparecidense nos 16-avos de final, antes de barrarem o Ceilândia nas oitavas. Depois da vitória por 1 a 0 no Distrito Federal, a classificação já estava encaminhada para o reencontro em Natal. O artilheiro Tadeu (aquele mesmo, com passagens por Palmeiras e Figueirense) e Sidney anotaram os gols para o Mecão no triunfo por 2 a 1, ratificando a passagem à etapa decisiva. Quase 10 mil pagantes estiveram presentes na Arena das Dunas.

O desafiante do América será a Juazeirense, clube fundado em 2006 e que nos últimos anos protagonizou boas campanhas no Campeonato Baiano. O Cancão busca a sua primeira participação na terceirona, e para tanto precisará superar o favoritismo dos potiguares. A equipe passou em um grupo apertado na primeira fase, antes de encarar dois clássicos locais nos mata-matas. Primeiro, eliminou o Jacobina, por 5 a 3 no placar agregado. Já nas oitavas, o obstáculo foi o Fluminense de Feira de Santana, semifinalista do Baiano deste ano. A classificação aconteceu muito graças ao empate por 3 a 3 no jogo de ida, com Emílio fechando a conta para a Juazeirense aos 41 do segundo tempo. Já no reencontro, o empate por 0 a 0 acabou sendo suficiente ao time de Juazeiro.

Globo-RN x URT-MG

globo

Outro potiguar que vem forte na Série D é o Globo, dono da segunda melhor campanha entre os quadrifinalistas. O clube de Ceará-Mirim já tinha demonstrado o seu potencial durante o estadual, quando deixou para trás o próprio América e disputou a decisão contra o ABC. Não ficou com a taça, mas deu trabalho aos alvinegros. Já em sua quarta participação na Série D, as Águias já galgam um patamar inédito, após caírem nas oitavas de final em 2014. Outro que liderou sua chave na fase de grupos, vem de quatro vitórias nos mata-matas. Atropelou o Parnahyba, antes de superar o Guarany de Sobral nas oitavas. Depois do triunfo no Ceará por 1 a 0, os potiguares ganharam por 3 a 1 em Ceará-Mirim. Teve até gol de goleiro, em chutaço de Rafael Pitanga que quicou no gramado e encobriu o arqueiro adversário, abrindo o caminho na partida logo aos dois minutos.

Do outro lado, a URT vem de boas participações no Campeonato Mineiro, campeã do interior nos dois últimos anos. A equipe de Patos de Minas alcançou as semifinais no estadual em 2017, eliminada pelo Atlético Mineiro. E o trabalho forte continuou na Série D, onde tenta o acesso inédito pela segunda temporada consecutiva. A segunda colocação em sua chave na fase de grupos, atrás da Portuguesa da Ilha, não foi empecilho para que a Veterana pegasse embalo nos mata-matas. Primeiro, surpreendeu a própria Portuguesa da Ilha nos 16-avos de final, eliminando os adversários até então invictos e donos da melhor defesa. Na etapa seguinte, duelo mineiro contra o Villa Nova, um dos sobreviventes do “grupo da morte”. Depois do 0 a 0 em casa, o empate por 1 a 1 em Nova Lima valeu ouro ao Trovão Azul, com o meio-campista Rafael Oller anotando o gol decisivo.

Operário-PR x Maranhão

operario

O jogo mais “pesado” das quartas de final da Série D envolve o Operário Ferroviário, vivendo um momento histórico. O Fantasma já bateu na trave em 2015, quando conquistou o histórico título do Campeonato Paranaense e sucumbiu apenas nas quartas de final da quarta divisão, assistindo ao Remo comemorar o acesso. A vida no estadual anda longe de ser boa, depois do rebaixamento em 2016 e do fracasso na primeira tentativa do acesso, em 2017. De qualquer maneira, o clube de Ponta Grossa não permitiu que isso afetasse o seu sonho nacional, após conquistar a Taça FPF no último ano. O Operário terminou na liderança de um grupo difícil na primeira fase (contra Brusque, Novo Hamburgo e Foz do Iguaçu) e passou por cima da Desportiva Ferroviária nos 16-avos de final, com duas vitórias. Por fim, a emoção preponderou nos duelos contra o Espírito Santo. Depois da derrota por 1 a 0 em Cariacica, a torcida fez pressão e o Fantasma devolveu o placar em casa, com tento de Schumacher. E, na marca da cal, o goleiro Simão terminou como herói, no triunfo por 4 a 2. Os alvinegros não disputam a Série C desde 1993.

Todavia, o desafio nas quartas de final, mais uma vez, será uma camisa tradicional do extremo norte do território. O Maranhão anda ausente da Série C desde 2006 e não conseguiu chegar à decisão do estadual em 2017, mas compensa por seu desempenho na quarta divisão. O Quadricolor buscou a classificação de maneira emocionante na fase de grupos, ultrapassando o River do Piauí apenas na última rodada. Nos 16-avos de final, encarou um adversário difícil, ao cruzar com o Rio Branco do Acre, mas conseguiu avançar. E nas oitavas, por mais que o Santos do Amapá jogasse em casa, foi eliminado. As duas equipes repetiram em Macapá o empate por 2 a 2, já ocorrido em São Luís, com Jonas Piu Piu e Yuyri anotando para os maranhenses. Já nos pênaltis, os visitantes foram mais precisos e saíram do Zerão com a vitória por 4 a 3. O MAC pode ser o terceiro representante do Maranhão na Série C em 2018, caso Sampaio Correa e Moto Club permaneçam na terceirona para a próxima temporada.

Atlético Acreano x São José-RS

atletico acreano

Atravessando um momento histórico, o Atlético Acreano busca recolocar o futebol de seu estado na Série C, o que não acontece desde 2013, quando o Rio Branco foi rebaixado. A ascensão do Galo Carijó inclui os dois últimos títulos no campeonato estadual, encerrando um jejum de 25 anos. E depois de ficar no quase na Série D em 2016, derrapando contra o Moto Club nas quartas de final, o time ganha uma nova chance de subir à terceirona, onde não figura desde 1995. Líder na primeira fase, o Atlético suou um bocado no início dos mata-matas, ao empatar por 3 a 3 com o São Francisco-PA, antes da vitória por 3 a 0. Nas oitavas, por sua vez, o Gurupi ganhou o jogo de ida por 1 a 0. Os alviazuis precisaram da reviravolta no Florestão, com o triunfo por 3 a 0. Foram dois tentos de pênalti, até que Eduardo fechasse a conta com uma belíssima cobertura. O duelo em Rio Branco terminou com vários tumultos, incluindo uma confusão entre os dois times na beira do campo e reclamações dos tocantinenses com a arbitragem.

O São José, por fim, tenta manter o bom retrospecto dos gaúchos na Série D – desde 2013, o estado viu a ascensão de Juventude, Brasil de Pelotas e Ypiranga de Erechim. Longe da terceirona desde 2003, o Zequinha refaz seu moral após a péssima participação na quarta divisão durante a última temporada, quando ficou na lanterna de seu grupo. Eliminado pelo Novo Hamburgo no Campeonato Gaúcho, o São José teve mais competência que seus conterrâneos na competição nacional, ficando na primeira colocação de sua chave. Na etapa seguinte, o Brusque era a pedra no caminho, mas a classificação acabou sendo determinada pelos gols fora de casa. Já nas oitavas, o São Bernardo vinha com bom retrospecto, mas os dois times não foram além de empates por 0 a 0. A decisão no ABC Paulista foi para os pênaltis e os porto-alegrenses se deram melhor, com o goleiro Fábio defendendo uma das cobranças e encaminhando o triunfo por 4 a 3.