A torcida do Botafogo está apreensiva para o desfecho do Campeonato Brasileiro. Os alvinegros permaneceram entre os quatro primeiros da tabela em 30 das 37 rodadas. Contudo, a queda de rendimento na reta final afastou os cariocas do G-4 e pode custar um lugar na Taça Libertadores de 2014. Tanto é que os rivais têm brincado com os botafoguenses, os ‘flanelinhas’, que seguraram a vaga para deixar outro ocupar no final. Mas, acredite, existem casos ainda piores que o dos alvinegros. E o exemplo vem do Japão.

O Yokohama F. Marinos permaneceu na liderança da J-League em 11 das últimas 14 rodadas da competição. Liderado por Shunsuke Nakamura (aquele), Marquinhos Cambalhota (AQUELE) e Dutra (AQUELE MESMO, 40 anos nas costas), o clube poderia ter garantido seu quarto título nacional com duas e com uma rodada de antecedência. Mas perdeu. Foram três derrotas nas quatro partidas finais, o que permitiu o bicampeonato do Sanfrecce Hiroshima, que havia ocupado o topo da tabela justamente nestes intervalos.

Na rodada decisiva, o Marinos visitava o Frontale precisando da vitória. Já o Sanfrecce, além de depender de um tropeço dos rivais, tinha que bater o terceiro colocado Kashima Antlers, que ainda sonhava com o título. Contudo, o time de Hiroshima fez sua parte ao vencer por 2 a 0, enquanto Yokohama amargava o tropeço por 1 a 0, em que nem uma falta na gaveta de Nakamura no finalzinho salvou.

Ainda assim, a derrapada do Marinos não é a pior da história do Japonesão. Em 2007, o Urawa Red Diamonds, de Washington e Marcos Túlio Tanaka, tinha oito pontos de vantagem a cinco rodadas do fim. Ainda assim, acumulando uma maratona de jogos com a reta final da Liga dos Campeões da Ásia, o clube viu o Kashima Antlers se sagrar campeão. Diante disso, nem Yokohama e muito menos Botafogo podem reclamar de seus destinos.