O sábado de Premier League foi daqueles para ninguém reclamar, exceto os derrotados, claro. Hat-tricks de Luis Suárez e Yaya Touré, jogos recheados de gols, goleada do Chelsea sobre o Arsenal justamente no jogo mil de Arsène Wenger no comando dos Gunners e um gol do meio de campo de Wayne Rooney foram os principais ingredientes. Além disso tudo, outra coisa chamou nossa atenção. Durante as entrevistas coletivas após os jogos, alguns treinadores, como Sam Allardyce e David Moyes, na imagem acima, colocaram pequenos narcisos, essas flores amarelas, em seus ternos. Mas por que isso? Bom, tudo para ajudar uma instituição que luta contra o câncer no Reino Unido.

A Marie Curie Cancer Care, que tem em seu logotipo um narciso, promove nos meses de março uma arrecadação de fundos que leva o nome de O Grande Apelo do Narciso (“Great Daffodil Appeal”), que funciona da seguinte maneira: quem doa para a instituição, recebe em troca um narciso. Essa ação é a que garante mais dinheiro à Marie Curie durante todo o ano, e estendê-la ao futebol tem uma simbologia forte. A mensagem é de que a Premier League e seus profissionais estão juntos com a causa, e isso acaba gerando uma boa repercussão.

Esse tipo de ação é um dos exemplos de como o futebol pode servir para questões sociais, impulsionando campanhas e espalhando informação. Certamente, março de 2014 será mais um mês de comemoração para a Marie Cure e para as pessoas alcançadas e auxiliadas pelo programa. Neste sábado a Premier League contribuiu não apenas com seu compromisso de entreter, mas também de não se limitar ao esporte e ter, de fato, alguma serventia efetiva na sociedade.