É difícil colocar em palavras a barbárie ocorrida nos arredores do Maracanã durante a última quarta-feira. Embora o pretexto seja uma partida de futebol, o problema é muito mais amplo. Embora seja parte da torcida do Flamengo envolvida, esta é apenas uma identificação dos vândalos e bandidos que provocaram o caos. A responsabilidade vai além da organização do jogo ou de qualquer entrave relativo a isso. É uma questão social em um estado falido, que se torna terra da impunidade. Solução? A verdadeira? Educação e humanidade. Algo difícil, quando muitos só querem tirar o proveito para si. E, pior, estão dispostos a tumultuar.

Nos últimos dias, surgiram muitos relatos sobre a quarta-feira no Rio de Janeiro. De ler e dar desesperança. O espanhol espancado e roubado porque “pensaram que ele era argentino”. A vítima de atropelamento furtada enquanto aguardava socorro – assim como o motorista, que aguardava a chegada da ambulância. Entre estes materiais, o amigo Fernando Martinho, da revista Corner, produziu um mini-documentário nos arredores do Maracanã. “Afuera” apresenta os enfrentamentos da polícia com torcedores do Flamengo, bem como o drama dos argentinos que não conseguiram entrar no estádio. Imagens cruas, que levam o espectador para dentro do trauma experimentado por tanta gente: