Conclusões precipitadas são muito comuns em tragédias ultimamente. As redes sociais exigem que todo mundo tenha opinião sobre qualquer coisa e que ela seja publicada rapidamente. No calor do momento, porém, é difícil analisar uma situação tão complexa quanto a briga entre torcedores do Atlético Paranaense e Vasco em Joinville que deixou quatro torcedores feridos, ao menos três deles em estado grave. Evidentemente, esses atos de barbárie não podem ser ignorados. Por isso, levantamos três pontos que precisam ser debatidos.

Faltou bom senso

Falando em atitudes precipitadas no calor do momento, o Bom Senso FC, movimento válido que tenta melhorar o futebol brasileiro, emitiu um comunicado insosso sobre a tragédia. Lamentou e disse que era contra a violência – como se alguém fosse a favor. Se o movimento é por um futebol melhor para quem torce, não deveria atacar também o problema das torcidas organizadas? Se é por um futebol melhor para quem joga, deveria combater as organizadas que intimidam e até extorquem jogadores para se financiar. O movimento teve grandes avanços, e vamos ver se surge uma manifestação mais decisiva sobre as torcidas.

Segurança privada x segurança pública

O Ministério Público de Santa Catarina proibiu a Polícia Militar de fazer a segurança da partida porque se tratava de um evento privado. Jogos de futebol se tornaram privados semana passada? Por que essa decisão agora, justamente em um encontro entre duas torcidas com histórico de violência? Uma das discussões válidas é realmente se o poder público ou o clube são responsáveis pela segurança de jogos de futebol, mas o mais grave é que isso abriu um vácuo para a tragédia. Onde estava a tal segurança privada durante a briga? Por que um representante não se apresentou imediatamente para dar explicações? Quem será punido?

Por que não prendem?

Parece claro que tirar mandos de campo dos clubes porque os seus torcedores brigaram não funciona. Este ano mesmo, o Corinthians foi punido meia dúzia de vezes e nada mudou. O Coritiba jogou dez vezes fora do estádio por causa da violência no rebaixamento de 2009, e isso não assustou ninguém. Qual é, então, a solução? Será tirar pontos das equipes? Rebaixá-las? Impedi-las de disputar competições internacionais? Talvez seja necessário apenas identificar esse marginal da foto abaixo e prendê-lo. Não é mais simples? Como o controle de quem entra nos estádios pode ser melhorado?

briga

É muito fácil identificar e prender esses agressores

O show tem que continuar

Quando, depois de cerca de 50 minutos de paralisação, a bola voltou a rolar na Arena Joinville, a torcida do Atlético Paranaense tinha acabado de parar de brigar entre ela, três torcedores estavam em estado grave, havia o receio de que um deles estivesse morto, e ninguém havia explicado em que lugar estavam os tais seguranças privados durante a briga. E ninguém havia sido preso.

Suspender a partida acarretaria uma série de problemas e abriria espaço para uma virada de mesa dos clubes que eventualmente fossem rebaixados, mas quem decidiu que era seguro retomá-la? Baseado no quê? Os dirigentes do Vasco eram contra, mas será que a motivação deles era a segurança das pessoas? Ou estavam pensando em resolver tudo no tribunal depois? Houve pressão de cima para o jogo continuar? De quem?