Alemanha Argélia Schurrle

Depois do vexame de Gijón, alemães e argelinos protagonizam a epopeia gaúcha

A crônica

Quando achávamos que a cota de surpresas na Copa do Mundo nesta segunda-feira havia se esgotado com a vitória suada da França sobre a Nigéria, Alemanha e Argélia vêm e protagonizam um jogo histórico no Beira-Rio, sobretudo pela resistência que os africanos ofereceram aos favoritos. O tempo regulamentar não foi suficiente para que alguém balançasse a rede, e só na prorrogação a Nationalmannschaft conseguiu o 2 a 1 que a classificou para as quartas de final, para encarar a França.

Movidos pela possibilidade de causar a grande zebra do Mundial até agora – e também pela promessa de um empresário argelino de que quem fizesse um gol na Alemanha ganharia um Porsche Cayenne -, os jogadores da Argélia fizeram um primeiro tempo bastante surpreendente. Os alemães tiveram a posse de bola em boa parte da etapa inicial, mas as chances mais perigosas foram mesmo dos argelinos.

Sempre que a Argélia pegava a bola e ia ao ataque assustava algum alemão. Tanto é que tivemos um verdadeiro festival de saídas de Manuel Neuer do gol. A primeira delas veio logo aos oito minutos. Islam Slimani foi lançado e ia aparecendo sozinho na ponta esquerda, quando de repente veio o goleiro quase na lateral, dando um carrinho e bloqueando o chute do atacante. Alías, o lado esquerdo do ataque da Argélia estava causando um verdadeiro furor para os alemães. Mustafi, improvisado na lateral direita, sofria com as subidas de Ghoulam e Soudani. O lateral esquerdo argelino, inclusive, quase abriu o placar ao aparecer bem na área, finalizando forte, cruzado, rente à trave esquerda de Neuer.

Até aos 40 minutos da primeira etapa, a Argélia era claramente melhor (chegou a ter um gol corretamente anulado por impedimento), e a última grande chance dos africanos veio em chute de fora da área de Mostefa, em que a bola desviou de Boateng, enganando Neuer, mas saindo raspando a trave direita do gol defendido pelo alemão. Depois disso, a Alemanha acordou um pouco para o jogo e forçou Raïs M’Bolhi a fazer seu primeiro grande trabalho no jogo, com uma boa espalmada em chute de longe de Kroos, no cantinho, e defesa fantástica em finalização de Götze, no rebote do lance.

Exceto por essa chance, o jovem do Bayern de Munique havia feito um primeiro tempo quase que completamente nulo e foi substituído por Löw no intervalo. André Schürrle entrou e ajudou a mudar o jogo para a Alemanha, sendo muito participativo. Aos 15 minutos do segundo tempo, era possível observar que a seleção alemã havia se acertado definitivamente: zaga melhor estruturada, com uma linha de quatro jogadores, Schweinsteiger se aproximando bem do ataque, Kroos conduzindo bem a bola da zaga ao ataque, e Philipp Lahm também avançando mais.

Thomas Müller tenta surpreender a Argélia em cobrança de falta – e consegue

Em comparação ao primeiro tempo, a Argélia tinha muito menos brechas para contra-ataques. Fechava a porta para a pressão alemã, mas era também barrada pela defesa dos comandados de Joachim Löw. Com a saída de Mustafi, contundido, para a entrada de Khedira, o técnico colocou Lahm na lateral direita, e a Alemanha melhorou. Dali em diante, tivemos um bombardeio de ataques alemães, sempre parando na falta direção ou nas defesas incríveis de M’Bolhi.

De maneira incrível, os argelinos conseguiram levar a partida para a prorrogação, segurando um empate sem gols, depois de ser superior no primeiro tempo. Já exaurida, a Argélia não conseguiu manter os contra-ataques perigosos e então limitou-se apenas a tentar segurar o ataque alemão. O que não deu muito certo, já que logo aos dois minutos do tempo extra Schürrle finalmente superou M’Bolhi, com uma finalização intencional, mas um chute de letra sem querer, fazendo 1 a 0.

A Alemanha seguiu no ataque e conseguiu o segundo gol com Özil, aos 14 minutos da segunda etapa da prorrogação. O meio-campista esteve muito apagado e ainda assim acabou ficando com o tento que garantiu a classificação às quartas. Isso porque a Argélia respondeu com Djabou, diminuindo um minuto depois, e se não fosse o tento do meio-campista do Arsenal poderíamos ter visto uma disputa por pênaltis.

No final, o que ficou foi um jogo para ser lembrado. Se em 1982 Alemanha e Argélia estiveram envolvidos no episódio conhecido como A Desgraça de Gijón, hoje os dois países protagonizaram a epopeia gaúcha. Mas que fique claro: graças à superação argelina. Se antes do jogo os alemães eram favoritos absolutos, de longe, talvez até mesmo para uma goleada, o que vimos foi a equipe africana levar bastante a sério aquele papo de que “no futebol, são 11 contra 11″.

FICHA TÉCNICA

Alemanha 2×1 Argélia

Alemanha

Alemanha escudoManuel Neuer; Shkodran Mustafi (Sami Khedira, 25′/2T), Per Mertesacker, Jérôme Boateng e Benedikt Höwedes; Bastian Schweinsteiger (Christoph Kramer, 4′/2TP), Philipp Lahm e Toni Kroos; Mesut Özil, Thomas Müller e Mario Götze (André Schürrle, intervalo). Técnico: Joachim Löw.

Argélia

Argélia EscudoRaïs M’Bolhi; Aissa Mandi, Essaïd Belkalem, Rafik Halliche (Madjid Bougherra, 7′/1TP) e Faouzi Ghoulam; Mehdi Mostefa, Mehdi Lacen, Sofiane Feghouli, Saphir Taïder (Yacine Brahimi, 33′/2T) e El Arbi Soudani (Abdelmoumene Djabou, 10′/1TP); Islam Slimani. Técnico: Stephen Keshi.

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Sandro Meira Ricci (BRA)

Gols: André Schürrle, 2′/1TP, Mesut Özil, 14′/2TP, Abdelmoumene Djabou, 15′/2TP

Cartões amarelos: Rafik Halliche

Cartões vermelhos: nenhum

O cara

Raïs M’Bolhi
Raïs Mbolhi fez milagre para evitar o gol de Lahm

Raïs Mbolhi fez milagre para evitar o gol de Lahm

Se não fosse M’Bolhi, a Argélia não teria conseguido levar o jogo para a prorrogação, fazendo a partida memorável que fez. O goleiro fez uma série de defesas dificílimas e foi o maior responsável por segurar o 0 a 0 no tempo normal, sobretudo no segundo tempo, quando foi bombardeado.

Os gols

2’/1TP: GOL DA ALEMANHA!

Thomas Müller cruza, e André Schürrle tenta a finalização e acaba acertando um chute de letra, meio sem querer, de dentro da pequena área.

14’/2TP: GOL DA ALEMANHA!

Özil pega sobra de chute de Schürrle e aproveita o goleiro M’Bolhi um pouco fora de posição para mandar uma bomba à queima-roupa e fazer 2 a 0.

15’/2TP: GOL DA ARGÉLIA!

Feghouli cruza da direita, e Djabou chega de carrinho na segunda trave para diminuir para a Argélia um minuto após o gol de Özil.

A Tática

Escalações iniciais de Alemanha e Argélia

Escalações iniciais de Alemanha e Argélia

Com a bola, a Alemanha recua Lahm como um terceiro zagueiro, para auxiliar na saída de bola, avançando Mustafi e Höwedes. Özil e Götze ficam abertos, sem muita mobilidade. A Argélia aposta em um 4-2-3-1, tendo Slimani como o jogador que mais se movimenta para fora de sua posição inicial. A Estatística

7

A Argélia fez sete gols nesta Copa do Mundo. Nas outras três que havia disputado, havia marcado seis ao todo.


Alemães e argelinos se encontram após 32 anos. Dessa vez, decidirão no Beira-Rio quem enfrentará a França nas quartas de final.

LEIA MAIS: Veja como foi a marmelada da Alemanha que sacaneou a Argélia em 1982