Thomas Müller comemora o primeiro gol da Alemanha

Alemanha 4×0 Portugal: A conquista do mundo começa em Salvador?

A CRÔNICA

De Santa Cruz Cabrália para Salvador, de Salvador até o Rio de Janeiro, e do Rio para o mundo. Os portugueses já tentaram esse caminho. A potência marítima do século 15 chegou ao Sul da Bahia, estabeleceu em Salvador a capital de sua maior colônia e, depois, a transferiu para o Rio de Janeiro. Portugal foi uma potência mundial. Agora é a vez de a Alemanha experimentar a rota. E começou justamente tirando dela seus antigos ocupantes.

LEIA MAIS: Thomas Müller e a lenda do artilheiro alemão que se transforma na Copa do Mundo

Os alemães venceram os portugueses na Fonte Nova com o vigor de quem quer mostrar a todos que a conquista mundial parece inevitável. Fizeram 4 a 0 com facilidade constrangedora, parecendo que até se poupavam diante do calor no segundo tempo. Enquanto isso, Portugal acumulava problemas, e dava a sensação de que até o favoritismo ao segundo lugar do Grupo F merece ser reconsiderado.

Após dez minutos em que os lusitanos assustaram, a coisa foi se resolvendo naturalmente enquanto os adversários vermelhos se desconstruíam. Müller abriu o marcador em um pênalti contestável. Depois, Hugo Almeida deixou o campo contundido, Hummels fez o segundo gol, Pepe foi expulso, Müller fez o terceiro tento germânico e Coentrão também foi substituído por lesão. Entre a saída de Hugo Almeida e a de Coentrão foram 18 minutos.

Não há como passar por uma série de desaires como essa sem cicatrizes. E Portugal ficou com as suas. O time estava desmontado, desfalcado e inseguro. Nem Cristiano Ronaldo, muito abaixo de seu nível normal (jogou no sacrifício?) resolveu. A Alemanha reduziu a marcha no segundo tempo e fez apenas um gol, novamente com Müller, mas deixou a sensação de que faria quantos lhe apetecessem.

A Alemanha saiu da Fonte Nova com a sensação de quem conseguiu deixar Santa Cruz Cabrália e estender seu domínio a Salvador. Ainda é precipitado afirmar que essa ocupação terminará no Rio de Janeiro em 13 de julho, mas é uma equipe que deixou das melhores sensações. Quanto aos portugueses… É melhor tratar rapidamente os ferimentos, pois Gana e Estados Unidos têm totais condições de tirar proveito de um time traumatizado para abocanhar uma vaga nas oitavas de final.

OS GOLS

12/1T – GOL DA ALEMANHA

Götze recebe na entrada da área, gira em cima de João Pereira e é derrubado. Thomas Müller cobra o pênalti no canto direito de Rui Patrício.

32/1T – GOL DA ALEMANHA

Kroos cobra escanteio na cabeça de Hummels, que toca sem dificuldade para as redes.

46/1T – GOL DA ALEMANHA

Após cruzamento na área portuguesa, Bruno Alves não consegue dar um chutão para frente. A bola bate no pé de Thomas Müller, que pega a sobra e chuta de frente para o gol.

33/2T – GOL DA ALEMANHA

Jogada pela direita do ataque alemão, Rui Patrício não corta direito o cruzamento rasteiro e a bola cai no pé de Müller.

O CARA

Thomas Müller

Um dos artilheiros da Copa 2010 começa a Copa 2014 com três gols. Já são oito em Mundiais. Apesar de ser um jogador de habilidade, que volta para armar o jogo, impressiona seu instinto na área. Dois de seus gols surgiram apenas porque ele estava no lugar certo, na hora certa.

A TÁTICA

Alemanha 4x0 Portugal_campinho

Os dois times jogaram com formação parecida, mas o modo de aplicar foi bem diferente. A Alemanha teve atacantes muito mais móveis, e quando venceu o duelo no meio-campo (a partir do 10º minuto de jogo), teve muito mais opções ofensivas. Portugal ficou travado com as atuações fracas de Raul Meireles e João Moutinho. Fora de sua melhor forma, Cristiano Ronaldo não tinha força e velocidade para buscar o jogo e arrancar. Após a saída de Pepe, expulso por agressão em Müller, a prioridade foi recompor a defesa e evitar uma goleada ainda mais contundente.

A ESTATÍSTICA

0

Número de dribles certos de Cristiano Ronaldo, o que diz muito sobre a efetividade do jogador que é metade da seleção portuguesa.