Edu Gaspar parecia constrangido. O dia seguinte à eliminação do Corinthians no Campeonato Paulista, ocorrida após a combinação do empate do Alvinegro contra o Penapolense com a derrota do São Paulo para o Ituano no Morumbi, foi de prestar conta. Nem tanto da saída prematura do estadual, mas das declarações de Romarinho e Mano Menezes de que o Tricolor teria entregado a partida para prejudicar o rival. Era preciso apagar o incêndio.

O atacante e o técnico erraram. E erraram por três motivos principais: não tinham provas para a acusação, ignoraram o cenário que facilitava o resultado que os prejudicaria (a falta de motivação do rival) e deixaram em segundo plano os próprios erros (como os diversos tropeços no campeonato, incluindo o de Penápolis). Não por coincidência, esses três fatores são comuns a praticamente todos os casos em que torcedores e até jogadores falam com convicção que houve entrega de resultado.

Os são-paulinos não podem usar o erro alvinegro deste domingo para se colocar em superioridade moral. Vários torcedores tricolores encheram as redes sociais com lembranças de Corinthians 0×2 Flamengo no Campeonato Brasileiro de 2009, insinuando que o clube do Parque São Jorge teria entregado aquele jogo.

Ao fazer isso, o torcedor do São Paulo comete os mesmos erros dos corintianos do último domingo, pois não têm provas (o pênalti em que Felipe não pulou foi um lance menos importante do que parece, pois o placar já estava 1 a 0 para o Rubro-Negro e eram 47 minutos do segundo tempo), os corintianos não tinham motivação na partida e ignoram que nada disso faria diferença se o Tricolor não tivesse perdido dois de seus últimos três jogos naquele Brasileirão. Se o são-paulino que menciona esse jogo considera que a derrota para o Ituano foi uma vingança, ele faz ainda pior, pois admite que seu clube teria entregado a partida.

Mas dá para ir mais longe. Acusações de entrega de jogo são frequentes. Todo time já acusou e já foi acusado. Sem pesquisar, contando apenas com a memória, dá para listar mais de uma dezena de jogos em que torcedores afirmam com certeza absoluta que um rival entregou o jogo para prejudicar outro. E sempre vamos encontrar falta de provas, esquecimento do contexto que envolvia o jogo e a tentativa de esconder os erros dos próprios times.

- Brasileiro de 1996: Vitória 1×3 Fluminense, que poderia salvar o Flu e rebaixar o Bahia (veja o item abaixo);
- Brasileiro de 1996: Atlético Paranaense 1×2 Criciúma e Flamengo 0×1 Bahia, que rebaixaram o Fluminense (a queda foi revertida na Justiça após o escândalo Ivens Mendes);
- Brasileiro de 2002: Grêmio 1×0 Atlético Mineiro, que deixou o Grêmio (ao invés do Cruzeiro) com uma das últimas vagas do mata-mata;
- Paulista de 2003: São Paulo 2×2 Santo André, resultado que classificou os dois e eliminou o Santos;
- Brasileiro de 2007: Goiás 2×1 Internacional, resultado que rebaixou o Corinthians;
- Brasileiro de 2009: Corinthians 0×2 Flamengo, que prejudicou o São Paulo na disputa do título;
- Brasileiro de 2009: Flamengo 2×1 Grêmio, jogo que deu o título ao Flamengo e deixou o Internacional com o vice;
- Brasileiro de 2010: São Paulo 1×4 Fluminense e Palmeiras 1×2 Fluminense, resultados que prejudicaram o Corinthians na disputa do título;
- Brasileiro de 2010: Corinthians 2×0 Vasco, que prejudicou o Fluminense na disputa do título;
- Paulista de 2014: São Paulo 0×1 Ituano, que eliminou o Corinthians.

Todos esses casos, e mais as dezenas e dezenas que não surgiram nessa rápida pesquisa mental, mostra como o torcedor brasileiro, por mais que queira achar que seguir o time X ou Y é especial, tende a ter um comportamento semelhante em algumas situações. Como a de acusar o rival de uma falha de seu time.

Seguir com esse debate, seja acusando o São Paulo de entregar para o Ituano, seja rebatendo com menções ao Corinthians x Flamengo de 2009, é apenas prolongar esse debate em que todos estão errados, e em que todos já estiveram dos dois lados. Se você é um corintiano e acredita que o São Paulo realmente entregou no último domingo baseado no que pôde observar, então tem de acreditar em marmelada em todos os jogos da lista acima. Inclusive que o Corinthians teria entregado algumas vezes. Se você não acredita na ética dos são-paulinos, então não tem motivo para achar que os corintianos foram diferentes em 2009.

É por isso que as declarações de Mano Menezes e Romarinho foram lamentáveis. Criaram um novo capítulo nesse debate que em nada enriquece o futebol brasileiro, e que é tão recorrente que já obrigou a CBF a montar a tabela dos Brasileirões de 2011 e 2012 de modo que evitasse as marmeladas. Mas é uma discussão em que os únicos inocentes são os que não a alimentam sem provas.