Carlo Ancelotti chegou ao Real Madrid com a missão principal de domar egos. O italiano assumia um elenco que enfrentara turbulências nos últimos meses de Mourinho e que, embora tivesse superado os rachas internos, permanecia com feridas abertas. No entanto, se o problema nos vestiários era o que chamava mais atenção, dentro de campo havia outra preocupação clara: o excesso de gols sofridos. Os merengues continuavam como máquinas ofensivas, mas os vacilos atrás deixaram o clube sem título algum na temporada.

Primeiro, Ancelotti botou ordem na casa. Depois, encaixou o time da maneira ideal, após experimentar algumas alternativas táticas. E, nas últimas semanas, já faz ecoar a principal característica como treinador: a capacidade de montar times com defesas sólidas – e isso sem perder a produtividade do ataque. Nesta terça-feira, o Real Madrid completou oito partidas consecutivas sem tomar gols, algo que nunca tinha acontecido em 112 anos de história. Méritos dos defensores, é claro. Mas também do treinador, que fez isso trazendo apenas Illarramendi e Carvajal para o setor.

É preciso ponderar que o Real Madrid ainda não teve nenhum grande desafio em 2014. De todos os adversários que teve pela frente, o que representava mais perigo era o Espanyol, nono colocado em La Liga. Ainda assim, era justamente contra esses adversários que os merengues mais relaxavam na última temporada – e acabavam passando por apuros desnecessários, tendo que recorrer aos gols de Cristiano Ronaldo para buscar as vitórias.

Um grande passo dado foi na disputa pela titularidade no gol do Real. Diego López foi mantido, com justiça, como primeira opção para os jogos da Liga. E Casillas tem jogado demais, quebrando seu próprio recorde de invencibilidade, mesmo limitado apenas aos compromissos por copas. Ao menos neste primeiro ano, uma dor de cabeça a menos para o italiano. Mais à frente, Sergio Ramos e Pepe superaram as fases ruins que vinham passando. E o meio-campo ajuda bastante nessa segurança da zaga, com três homens encarregados de protegerem a cabeça de área. As fragilidades até aparecem em alguns momentos, especialmente nas bolas paradas, mas têm sido menos frequentes.

No próximo domingo, um teste de verdade ao sistema defensivo do Real. O time visita o Athletic Bilbao, ainda invicto no San Mamés e com 15 gols marcados em seus últimos três jogos por La Liga. Passar os 90 minutos sem sofrer gols significará muito mais do que ampliar o recorde de invencibilidade. É mais uma prova de que os merengues estão subindo de produtividade na reta decisiva da temporada, em ritmo cada vez mais forte para superarem Barcelona e Atlético de Madrid no topo da tabela.

Os números: defesa de Ancelotti x defesa de Mourinho

No gráfico abaixo, comparamos as estatísticas defensivas do Real Madrid em La Liga na temporada passada e na atual. A maioria das médias melhorou com Ancelotti. E, as expectativas são de que esses números evoluam ainda mais até maio, considerando que a melhor fase do sistema defensivo veio a partir da virada do ano. Confira:

 Gráfico: Infogram