Rei da Grande Área, Baixinho, Peixe, ou, como ele mesmo disse certa vez, ‘O Cara’. Você pode chamar Romário como quiser. Só não pode negar o lugar do camisa 11 entre os maiores jogadores da história. Era a bola cair em seus pés que as chances de gol aumentavam demais. Com uma arrancada imparável (em seus melhores tempos) ou com o menor movimento (quando a idade já começara a lhe pesar), as redes estariam balançando. Habilidade, bom posicionamento, classe, capacidade de finalizar de todas as formas. Romário foi um dos centroavantes mais completos já vistos dentro de campo.

Hoje em dia, Romário dá sua contribuição fora de campo. O estilo polêmico de quando era jogador se transformou em combatividade na política. E ficam as lembranças do craque que se manteve no topo por 20 anos de carreira. Nesta quarta-feira, o veterano completa 48 anos de idade. Para homenageá-lo, relembramos daquela que ele mesmo considera sua maior atuação. A seleção brasileira, pressionada, precisava vencer o Uruguai no Maracanã para se classificar à Copa de 1994. E Romário fez o que mais sabia: arrebentar com o jogo. Dois gols dele, um deles memorável, na vitória por 2 a 0. A vaga no Mundial estava assegurada, onde o artilheiro se eternizaria com a conquista do tetra.

No vídeo, veja – ou relembre – todas as participações de Romário naquele jogaço: