Darren Moore assumiu uma das maiores bombas da Premier League nos últimos anos. Zagueiro de passagem relevante pelo West Bromwich na década passada, o veterano atuava como assistente de Alan Pardew, quando recebeu a ingrata missão no início de abril. Com a demissão do treinador, seria ele o interino a conduzir os Baggies na reta final de um campeonato praticamente fadado ao rebaixamento. Bem, por mais que a pressão fosse grande, as expectativas se colocavam em um patamar bem baixo. Pois o novato as superou de maneira surpreendente. O WBA venceu três dos primeiros cinco jogos com Moore e empatou os outros dois. Derrotou o Manchester United dentro de Old Trafford, no jogo que deu o título ao Manchester City, e também o Tottenham, além de empatar com o Liverpool. Um mês depois, com as chances de permanência inacreditavelmente vivas, o comandante é reconhecido com o prêmio de melhor técnico de abril na Premier League.

Quando Moore passou ao cargo de treinador principal, o West Brom estava na lanterna do campeonato – uma posição que o clube ocupava desde janeiro, aliás. Alan Pardew viera com a pecha de salvador, mas a verdade é que os Baggies haviam vencido um mísero jogo da terceira à 32ª rodada, com a derrota para o Burnley culminando na demissão do técnico. Não fossem os dois triunfos lá nos dois primeiros jogos, em agosto, o WBA já teria caído bem antes. Mas havia um fio de esperança que se mantinha e o novo comandante agarrou. Os 11 pontos conquistados com ele representam um aproveitamento assombroso de 73,3% dos pontos disputados – o segundo melhor da liga neste intervalo, abaixo apenas do Chelsea.

Enquanto Moore reerguia o West Brom, o Stoke City caiu. E embora a salvação siga parecendo impossível, não custa acreditar um pouquinho no milagre. O WBA soma 31 pontos. São dois a menos que Swansea e Southampton, os outros dois concorrentes que ainda podem ser ultrapassados. Nesta terça, ambos se enfrentam em Gales, com os Baggies torcendo para o empate – uma vitória de qualquer um confirma a queda. Caso a igualdade aconteça, então o West Brom dependerá das derrotas de ambos na rodada final, além de ter que vencer o Crystal Palace fora de casa. Mais do que isso, precisará buscar também uma diferença de quatro gols no saldo. Probabilidades mínimas, que só permanecem graças ao novo técnico.

Não será surpreendente, aliás, se Moore ganhar um voto de confiança e seguir à frente do West Brom na próxima Championship – onde provavelmente o time estará. Aliás, ao receber o prêmio de treinador do mês, o ex-zagueiro ainda foi capaz de um baita gesto: chamou outros 100 funcionários dos Baggies, para que se sentissem igualmente homenageados pela sobrevivência momentânea. Uma grande história que talvez não tenha o final feliz, mas merece o reconhecimento.