Neymar nunca tinha marcado um gol pela Liga dos Campeões. Em suas cinco primeiras partidas pela principal competição europeia de clubes, o camisa 11 passou em branco, servindo apenas uma assistência. Nesta quarta, porém, o atacante resolveu tirar a barriga da miséria. Tudo bem que a partida contra o Celtic, já eliminado, não valia nada para o classificado Barcelona. Mesmo assim, foram três gols e uma assistência de Neymar.

O brasileiro se tornou o primeiro jogador da história a balançar as redes três vezes na Champions League e na Copa Libertadores. Ele marcou todos da vitória por 3 a 1 sobre o Internacional, na Vila Belmiro, em 2012. Outros jogadores chegaram próximos. Romário, por exemplo, conseguiu a proeza pelo PSV, mas, na América do Sul, só repetiu o feito na Copa Mercosul, naquela famosa virada de 0 a 3 para 4 a 3 que deu o título de 2000 ao Vasco contra o Palmeiras. Ronaldinho anotou uma tripleta pelo Barcelona, só que pelo Atlético Mineiro na Libertadores fez apenas dois, contra o São Paulo.

A goleada por 6 a 1 foi importante para aliviar a pressão sobre os blaugranas, especialmente em um momento no qual Tata Martino sofre as maiores críticas. E Neymar foi quem chamou a responsabilidade. Pela primeira vez na Champions, Neymar atuou como ‘falso 9’, centralizado no ataque. E não decepcionou na função de Lionel Messi. Foram nove finalizações e 12 dribles, mas do que qualquer outro em campo. Isso sem contar o segundo gol, após boa tabela com Xavi, e o terceiro, com direito a caneta em Efe Ambrose. Aos 36 do segundo tempo, acabou substituído, sob grande ovação do Camp Nou. Merecidamente.