Messi comemora gol contra o Irã (AP Photo/Jon Super)

Argentina 1×0 Irã: cadeado arrebenta quando a corda já estava no pescoço

A crônica

O ditado popular diz que até mesmo a água, líquida e longe de ser símbolo de força, é capaz de quebrar a pedra, um símbolo da firmeza. A Argentina sabia que tinha a missão de quebrar uma defesa muito fechada que teria pela frente. O Irã parece ter mesmo aprendido a fórmula ao treinar no Centro de Treinamentos do Corinthians e se fechou na defesa, dando poucos espaços e sendo muito organizado taticamente. E aí se complicou muito. Sem saber o que fazer diante de uma defesa muito fechada, o time do capitão Lionel Messi tentou de muitas formas, mas esteve longe dos seus melhores dias. O muro iraniano parecia que resistiria. Mas eis que o camisa 10 recebeu, nos acréscimos, acertou um chute de fora da área que arrebentou o cadeado do Irã, que resistiu tanto tempo.

A formação inicial da Argentina trazia duas das alterações que se esperava, usadas no segundo tempo do jogo contra a Bósnia por Sabella: Gago e Higuaín entraram no time desde o início, fazendo o time jogar no 4-3-3. Nem assim a Argentina rendeu mais. Os iranianos marcavam bem atrás da linha da bola, por vezes com nove jogadores dentro da área. E pior, para os argentinos, ao menos, é que o Irã começou a levar algum perigo em bolas paradas e em ataques esporádicos. Em uma delas, o goleiro Romero teve que se esticar todo para impedir o gol.

Os torcedores argentinos, que normalmente são muito participativos na partida, tiveram longos períodos de silêncio, alimentados pela tensão e pela má atuação do time, que não dava a impressão de chegaria ao tão esperado gol. Nem a jogada mais característica de Messi, parecia que salvaria o time dessa vez. Ele chutou para fora em um lance que pareceu um replay do seu gol no jogo anterior. Romero ainda precisou trabalhar para impedir o gol dos iranianos e os argentinos contaram com a sorte quando o Irã teve um pênalti negado que poderia tranquilamente ter sido marcado. O desastre estava desenhado.

O Irã de Dejagah parecia estar escrevendo um empate épico em sua história. Quem sabe até uma vitória, por que não? Ghoochannejhad, o artilheiro do time, ficou a centímetros de marcar o gol em uma cabeçada, que Romero teve que defender. Dejagah quase conseguiu dar um susto nos argentinos em uma bola que em uma disputa acabou caindo dentro da área e pediu pênalti.

Só que tinha Messi. Tinha a perna canhota de um craque, que tinha corrido pouco, que não tinha feito, de novo, uma boa partida. Mas ele acertou um chute lá, no canto alto superior do goleiro, onde é sempre difícil defender. Foi ele que colocou a Argentina entre os classificados para a próxima fase já na segunda rodada, de novo com o gol da vitória, mas desta vez com altas doses de tensão para os argentinos. O futebol da Argentina está longe de ser o esperado. O futebol de Messi está longe de ser o que se sabe que ele pode render. Mesmo assim, ele acabou sendo decisivo. A Argentina avança, sob a tutela de um Messi que, se não é brilhante, é decisivo.

FICHA TÉCNICA

Argentina 1×0 Costa Rica

Argentina

Argentina escudoSergio Romero; Pablo Zabaleta, Federico Fernández, Ezequiel Garay e Marcus Rojo; Fernando Gago, Javier Mascherano e Ángel Di María; Lionel Messi, Sergio Agüero (Ezequiel Lavezzi, 32’/2T) e Gonzalo Higuaín (Rodrigo Palacio, 32’/2T). Técnico: Alejandro Sabella

Irã

Irã EscudoAlireza Haghighi; Pejman Montazeri, Jalal Hosseini, Amirhossein Sadeghi e Mehrdad Pooladi; Andranik Timotian e Javad Nekounam; Masoud Shojaei (Khosho Heydari, 32’/2T), Ehsan Haji Safi (Reza Haghighi, 42’/2T) e Ashkan Dejagah (Alireza Jahanbakhsh, 40’/2T); Reza Ghoochannejhad. Técnico: Carlos Queiroz

Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Milorad Mazic (SER)
Gol: Lionel Messi, 46′/2T
Cartões amarelos: nenhum
Cartões vermelhos: nenhum

O cara

Sergio Romero

Messi marcou o gol da vitória lá na frente nos acréscimos, mas antes disso, quem segurou a onda na defesa foi o goleiro Sergio Romero. Ele fez ao menos três boas defesas, uma delas dificílima, quando o jogo estava 0 a 0 – e um gol poderia complicar tudo.

Os gols

46’/2T: GOL DA ARGENTINA!

Messi recebeu a bola pelo lado direito, puxou para a perna esquerda e mandou um chute no canto alto do goleiro Haghighi, que nada pode fazer para evitar. O gol da vitória, sofrido.

A Tática

Argentina x Irã

O técnico Alejandro Sabella atendeu ao que muitos dizem ter sido o pedido de Lionel Messi para voltar o time ao esquema 4-3-3, com Higuaín de volta, assim como Gago. Na teoria, um time mais forte ofensivamente, mas na prática não adiantou muito, porque os argentinos sofreram para vencer a defesa iraniana, bem organizada e muito aplicada. No ataque, o Irã conseguiu criar boas jogadas com Dejagah, um dos melhores da partida, que correu muito, assim como Reza Ghoochannejhad, que deu muito trabalho à defesa argentina como o atacante mais centralizado do time asiático.

A Estatística

7136

Número de metros que Messi correu durante o jogo. Entre os que jogaram o tempo todo, só percorreu mais metros que Sergio Romero (2802). Mesmo assim, foi preciso nos últimos minutos e acabou decidindo o jogo.