Arrigo Sacchi continua pensando o futebol italiano, agora diante dos microfones, como comentarista na televisão local. E não é segredo para ninguém o apreço do mítico treinador ao atual Napoli. Em diferentes ocasiões ele já elogiou o trabalho de Maurizio Sarri e a maneira como os napolitanos propõem seu jogo, de maneira ofensiva. Sem negar a força da Juventus, o veterano ressaltou a superação dos celestes em se manterem na disputa do Scudetto até esta reta final da temporada na Serie A.

“A Juventus tem muitas virtudes, mas não é preciso dizer que nem sempre eles são espetaculares na maneira como jogam. O Napoli, por outro lado, é uma benção para a Serie A e para o futebol em geral. Eles fogem da nossa ortodoxia e dos nossos medos. A tarefa deles é difícil, quase impossível, mas o que o Napoli está fazendo com uma folha de pagamentos que é um terço da Juve, isso já é uma verdadeira vitória de ideias. Quando se trata da Juventus, eles aproveitam o máximo a qualidade, a organização e o poder”, analisou Sacchi.

Vale lembrar, todavia, que o Napoli tem sofrido um pouco mais em seus últimos compromissos – a exemplo da vitória magra sobre o Genoa no domingo, por 1 a 0. Ainda assim, o resultado foi fundamental para encurtar a distância em relação à líder Juventus, que um dia antes não passou do 0 a 0 na visita à Spal. Os dois times estão separados por dois pontos e dependem apenas de si para ficar com a taça – com vantagem à Juventus, que neste caso poderia jogar pelo empate no confronto direto de abril, que ocorrerá em Turim.

Sobre outros assuntos, Sacchi também comentou o trabalho de seu “herdeiro” no banco de reservas do Milan, Gennaro Gattuso. O veterano não chegou a treinar o então volante rossonero, mas exaltou a paixão que ele exibe pelo clube e mostrou acreditar que o novo técnico estará apto a reconduzir os milanistas a boas campanhas. Destacou, principalmente, a maneira como o novo chefe elevou o brio do elenco.

“Gattuso tem grandes valores humanos e está se provando como alguém capaz de ser técnico também. Desejo tudo o de melhor, tanto para ele quanto para o Milan. Ele conhece o Milan muito bem e demorou um pouco para que todos entendessem que deveriam estar orgulhosos por jogar lá. O Milan é um dos maiores clubes na história do futebol e, por isso, os jogadores devem se sentir honrados. Nós pedimos a eles uma coisa: sejam heróis. O filósofo francês Romain Rolland dizia: ‘Heróis são aqueles que fazem tudo o que podem’. Agora, o Milan está fazendo tudo o que pode”, pontuou.

Apesar da eliminação na Liga Europa, diante do Arsenal, o Milan segue sustentando uma sequência invicta de dez partidas na Serie A – incluindo oito vitórias, cinco delas consecutivas. Os rossoneri estão a apenas cinco pontos da zona de classificação à Liga dos Campeões, com o clássico contra a Internazionale entre seus próximos compromissos.