Havia um frio na barriga compartilhado no Estádio Green Point, acima do mero fato de ser uma semifinal de Copa do Mundo. A Holanda jogava pelo favoritismo que criara, especialmente depois de eliminar o Brasil, buscando a decisão que não vinha desde 1978. O Uruguai, por sua vez, tinha um compromisso com a história na primeira vez desde 1970 em que se recolocava entre os quatro melhores, adrenalina alta após o épico contra Gana, mas pés no chão sem dois de seus destaques. Ao final, entre tensão e intensidade, o resultado foi um jogo emocionante. A Oranje, todavia, realmente jogou melhor naquela noite. Apesar do sufoco no final, a vitória por 3 a 2 carimbou seu passaporte rumo ao Soccer City, na decisão do Mundial de 2010.

Sem o suspenso Luis Suárez e lesionado Diego Lugano do outro lado, a Holanda se impôs desde os primeiros minutos. E o gol saiu da maneira mais brilhante possível, a um jogador que merecia tal exaltação. Aos 18 minutos, o capitão Gio van Bronckhorst acertou o chute mais espetacular de sua vida, um petardo que beijou a trave antes de morrer no fundo das redes. Golaço para marcar aquela Copa. O Uruguai, mesmo acuado, não se entregava. Acabou por respirar mais aliviado aos 41, quando Diego Forlán arrancou o empate. Arriscou de longe e, graças aos tais efeitos da Jabulani, conseguiu enganar Maarten Stekelenburg.

Durante o segundo tempo, a Holanda partiu para cima. Rafael van der Vaart saiu do banco e deu mais qualidade ao setor ofensivo. E, por mais que a Celeste ameaçasse nos contra-ataques, o resultado se construiu em três minutos. Aos 24, Wesley Sneijder arriscou o chute, o impedido Robin van Persie atrapalhou Muslera e a bola entrou, sob reclamações dos charruas. Já aos 27, seria a vez de Dirk Kuyt cruzar para Arjen Robben anotar o terceiro, de cabeça. No final, o Uruguai tentou ressuscitar. No abafa, Maxi Pereira conseguiu diminuir aos 47, graças a uma cobrança de falta bem ensaiada. Mas faltou tempo para o empate saísse. A frustração era evidente, mas não se negava a valentia. Aos holandeses, restava o direito de sonhar por mais um jogo.

1974: Polônia 1×0 Brasil

Decisão do terceiro lugar
Estádio Olímpico, em Munique
Gol: Lato

2010: Holanda 3×2 Uruguai

Semifinal
Estádio Green Point, na Cidade do Cabo
Gols: Van Bronckhorst, Sneijder, Robben; Forlán, Maxi Pereira