A World Soccer é uma das revistas de futebol de maior prestígio do mundo. Em 2007, foi bastante ousada: compilou uma lista com os 50 jovens mais promissores da época. É geralmente a receita para ser motivo de chacota no futuro porque é impossível sempre avaliar corretamente o potencial de jovens de 17 ou 18 anos.

LEIA MAIS: Raras vezes a escolha do Prêmio Golden Boy, ao melhor jogador sub-20 da Europa, foi tão disputada

E até que ela acertou bastante. Constavam na relação estrelas como Gareth Bale, Angel Di María, Sergio Agüero, Alexis Sánchez, Karim Benzema e Mesut Özil. Outros, sabemos pela proximidade, não foi culpa da revista. Alexandre Pato, por exemplo, nunca pareceu propenso a realizar os sacrifícios que o mais alto nível exige. Kerlon sofreu com as lesões, e Breno teve seus problemas com a Justiça da Alemanha.

A seguir, contamos dez histórias de nomes que constam na lista e infelizmente acabaram abraçados pela obscuridade. Também por diversos problemas: comportamento, lesões, empresários que não fazem um trabalho muito bom e escolhas equivocadas.

Sadick Adams

Idade: 27 anos
Nacionalidade: Ganense
Posição na lista:
Clube atual: Asante Kotoko (Gana)

Gana chegou às semifinais da Copa do Mundo sub-17 de 2007, eliminando o Brasil nas oitavas de final. Um dos principais jogadores era Sadick Adams, autor de quatro gols naquela competição. O jovem atuava no Asanthi Gold, da sua terra natal, e como tantos outros destaques de torneios de base, chamou a atenção de grandes clubes europeus. Assinou com o Atlético de Madri. No entanto, como já tinha um contrato com Étoile du Sahel, da Tunísia, acabou suspenso pela Fifa.

Em entrevista à imprensa ganense, em abril do ano passado, Adams explicou que foi muito mal assessorado naquela época. Informaram para ele que, por ser menor de idade, não poderia ter assinado contrato profissional com o clube tunisiano e, portanto, estaria livre para jogar em qualquer lugar, desde que seu pai se mudasse para o país escolhido. “Mas eu não sabia que meu pai já estava na Tunísia enquanto eu estava na Coreia do Sul para a Copa do Mundo, então tudo foi feito sem meu conhecimento. Eu descobri quando o caso foi para a Fifa”, disse.

O imbróglio atrapalhou o começo da carreira de Adams. A decisão da entidade máxima do futebol foi tomada apenas em maio de 2009, quase dois anos depois do acordo com o Atlético de Madrid ter sido anunciado. Em entrevista ao site do clube, em 15 de novembro de 2007, o ganense afirmava ser fã de Fernando Torres e um atacante “explosivo, rápido e bom no um contra um”. E a decisão foi a favor do Étoile du Sahel. Quando recebeu a notícia de que estava suspenso por quatro meses, Adams preparava-se para disputar o Mundial sub-20 do Egito. Foi cortado.

A suspensão terminou no fim de 2009, mas o bonde já havia passado para o jovem. Saiu dos reservas do Atlético de Madrid para jogar no Vojvodina, da Sérvia. A pior experiência da sua carreira, como relatou em entrevista ao site Espoire du Football. “Eu estava sozinho no meio de um inferno racista”, afirmou. “Minha família estava em Gana e eu pensei que tinha que ser forte para poder ajudá-los financeiramente. Mas, além do racismo, não fui pago pelo clube. Sem salário, sem bônus, nada. Então, eu cancelei meu contrato e fui para a Tunísia”.

Adivinha para qual clube da Tunísia? O Étoile du Sahel reviveu seu interesse no jogador e o contratou em 2010. Mas o utilizou em apenas três partidas. Adams perambulou por Arábia Saudita, Omã e Chipre até retornar de vez para a sua terra natal. Atualmente, é jogador Asante Kotoko. No último domingo, foi autor de uma tripleta na vitória do seu clube contra o Accra Hearts of Oak, por 3 a 1, na decisão da Copa de Gana.

Em 2015, quando retornou para o seu país, defendendo o Berekum Chelsea, fez um balanço positivo da sua carreira. “Não acho que ela foi ruim”, afirmou ao site oficial do clube. “Muitos dos meus colegas com quem comecei pararam de jogar futebol. Eu ainda estou jogando e estou feliz por atuar no Berekum Chelsea e por estar de volta ao meu país”.

Gerardo Bruna

Idade: 26 anos
Nacionalidade: Argentino
Posição na lista: 10º
Clube atual: Ottawa Fury (Canadá)

Um canhoto habilidoso, nascido na Argentina, mas cuja carreira profissional começou nas categorias de base de um gigante espanhol. Soa familiar? Antes mesmo de Messi ser metade do que é atualmente, Gerardo Bruna ganhou a alcunha de “próximo Lionel Messi”, o que, cronologicamente, deve colocá-lo entre um dos primeiros da longa lista de jovens argentinos que foram comparados com o craque do Barcelona.

Até os 16 anos, Bruna foi jogador do Real Madrid. Estava prestes a assinar contrato profissional com os merengues quando foi convencido por Rafa Benítez a assinar com o Liverpool, clube no qual o treinador trabalhava. A saída deixou o técnico da base do Real, o ex-jogador Míchel, bastante irritado. “Quantos jovens contratados por Liverpool, Chelsea e Arsenal realmente jogaram pelo time principal? É isso que acontece o tempo inteiro na Inglaterra. Eles observam alguém que gostam e o contratam. Dão um contrato para o garoto, fazem todas as promessas e os colocam nos reservas e nunca lhes dão uma chance em um jogo competitivo”, afirmou.

Não foi a missão do Liverpool provar que Míchel estava errado. Bruna nunca atuou pelo time principal dos ingleses. Depois de ser semifinalista com a Argentina no prestigiado Torneio de Toulon de 2009, Bruna, já com 18 anos, recebeu de Benítez a promessa de que começaria a ganhar chances entre os adultos. Mas o acaso interveio: sofreu uma lesão no joelho, precisou passar por cirurgia e, quando voltou, sofreu para conseguir um bom desempenho.

E Benítez foi demitido. “Roy Hodgson chegou, eu ainda treinei algumas vezes com o primeiro time, mas, quando chegou Kenny Dalglish, e ele me disse que eu não jogaria no time principal, eu obviamente precisava fazer alguma coisa”, contou, ao Liverpool Echo. Começou a perambular. Foi para o Blackpool, que naquela época estava na segunda divisão, mas as lesões o atrapalharam novamente. Passou pelo Huesca, da Espanha, Tranmere Rovers, Whitehawk e Accrington Stanley, das divisões inferiores da Inglaterra, até acertar com o Ottawa Fury, do Canadá, que disputa a North American Soccer League.

Ironias do destino: foi contratado pelo técnico Paul Dalglish, filho do treinador que o fez deixar o Liverpool.

Diego Buonanotte

Idade: 29 anos
Nacionalidade: Argentino
Posição na lista: 12º
Clube atual: Universidad Católica (Chile)

Diego Buonanotte é campeão olímpico. Estava no elenco da Argentina nos Jogos de Pequim, em 2008, ao lado de nomes como Lavezzi, Di María, Mascherano, Agüero, e Lionel Messi. O caminho natural para o pequeno meia-atacante – tem pouco mais de 1,60 metros de altura – era seguir os passos dessas estrelas e atuar em grandes europeus. Mas chegaram a noite de 26 de dezembro e o acidente que mudou tudo.

Buonanotte estava no volante do carro que carregava três amigos de infância, depois de uma noite jogando sinuca. Era noite, chovia, e o jogador perdeu o controle da máquina. Bateu em uma árvore. Era o único usando cinto de segurança e sobreviveu, com alguns machucados. Seus amigos morreram. Depois de alguns meses de recuperação, ele voltou a jogar futebol profissional, mas nunca mais foi o mesmo.

“Minha cabeça não funciona como antes”, disse, em 2015, à TyC Sports. “Isso influenciou muito minha vida e minha carreira. Às vezes eu me pergunto: ‘por que não fui eu quem morri?’ Sempre pensei que essas coisas aconteciam nos filmes, mas agora eu as vivo de perto. Conservo minhas condições, mas não vou ser a mesma pessoa de antes. Todos os dias parecem lembranças. Em cada coisa que eu faço, eles estarão na minha cabeça. Por que de quatro três se foram e eu me salvei?

Buonanotte acabou indo para a Europa, mas não brilhou como se esperava. Defendeu Málaga, Granada e AEK Atenas, antes de retornar à América do Sul para defender a Universidad Católica. Em um clássico contra o Colo-Colo, ouviu insultos relacionados ao acidente de um dos adversários: “Assassino, matou seus amigos”. O jogador foi absolvido pela Justiça e não foi encontrado álcool no seu sangue. Mas é um dia que nunca o deixará em paz.

Macauley Chrisantus

Idade: 27 anos
Nacionalidade: Nigeriano
Posição na lista: 14º
Clube atual: Lamia (Chile)

A Copa do Mundo sub-17 de 2007 foi um palco importante para muitos dos nomes da lista da World Soccer. Poucos aproveitaram-no tão bem quanto Macauley Chrisantus, artilheiro com sete gols e segundo melhor jogador do torneio pela campeã Nigéria. Seus serviços foram cobiçados por vários clubes europeus. Chrisantus escolheu o Hamburgo. Não foi a melhor escolha.

Chrisantus não ganhou chances no time principal do Hamburgo. Anos depois, em entrevista ao site Own Goal Nigeria, diria que desperdiçou seis anos da sua carreira no clube. “O que eu passei no Hamburgo foi loucura. Seis anos, dez técnicos diferentes. Eu estava sempre próximo do time principal, mas, no futebol, muitos treinadores fazem o que querem, então cada novo treinador chegava com demandas especiais”, afirmou.

Ele também disse que, a cada ano que passava, o Hamburgo contratava “grandes nomes”, e ele ficava cada vez mais para escanteio. Serviu por empréstimo o Karlshuher, então na segunda divisão, por duas temporadas. Marcou 11 gols em 48 partidas pelo clube. Ainda estava cheio de esperanças. “Minha confiança voltou, depois de lutar com lesões e outros desafios aqui no Karlsruher”, disse, à BBC, em 2010. “Eu ainda tenho contrato com o Hamburgo até o verão de 2012, mas estou confiante que, na próxima temporada, eu estarei jogando na Bundesliga”.

Não foi o que aconteceu. Chrisantus voltou à segunda divisão, emprestado ao Frankfurt, e, ao fim do seu contrato, foi para a Espanha. Passou dois anos no Las Palmas. Fez gols importantes, alguns que levaram o clube próximo do acesso para La Liga, mas saiu novamente ao fim do seu contrato. Passou pelo Sivasspor, da Turquia, e o AEK Atenas, da Grécia, antes de voltar para a Espanha, defendendo o pequeno Reus. Está atualmente no grego Lamia, mas ainda não entrou em campo pela liga nacional. Tem duas partidas na Copa da Grécia.

Dumitru Copil

Idade: 27 anos
Nacionalidade: Romeno
Posição na lista: 16º
Clube atual: Soimii Lipova (Romênia)

“Abaixo de mim, estavam Kroos, Mata, Walcott. Eu era o décimo sexto, logo abaixo de Benzema. Eu vi o jornal quando estava na Escócia e não consegui acreditar que estava lá”, relembra Dumitru Copil, ao site Pro Sport. Copil era comparado com Hagi, o que deve acontecer com todas as promessas romenas que surgiram depois do ex-jogador. “Ele é como o Hagi, mas Frank Lampard seria o equivalente britânico mais próximo em termos de estilo de jogo e agressividade”, disse o então técnico do jovem no Atletico Arad, Arpad Cserneczky.

Ele não chegou perto de nenhum dos dois. O dono do Hearts of Midlothian era compatriota de Copil quando surgiu o artigo da World Soccer. Tentou contratá-lo e conseguiu, apesar dos interesses de Celtic e Liverpool, dois clubes com muito mais bala na agulha do que o Hearts. Mas Copil gostou de Edimburgo e imaginava ter mais chances de jogar no Hearts do que em um clube maior. Mas não teve.

Em março de 2008, depois de ser substituído de uma partida sub-19 contra o Rangers, Copil abandonou o clube escocês e retornou para a Romênia. Estava com saudade de casa e não sentia confiança do Hearts em seu futebol. “Eu não quero ficar por vários motivos”, disse, ao jornal The Scotsman. “Eu estava me adaptando  à vida escocesa, mas o principal problema era que eles não confiavam em mim. Eles me disseram que eu era um bom jogador, mas nunca joguei pela equipe principal, só tive chance em uma partida amistosa”.

Nesta mesma entrevista, Copil sonhava em defender o Dínamo Bucareste, grande clube da Romênia, mas isso nunca se concretizou. Foi convencido a retornar ao Hearts para a temporada seguinte e novamente não foi utilizado. Ao fim do seu contrato, retornou à Romênia, onde perambulou por diversos clubes até parar no Soimii Lipova, atualmente na terceira divisão. “Eu daria as duas mãos para voltar no tempo”, disse, ao Pro Sports.

Damián Ismodes

Idade: 28 anos
Nacionalidade: Peruano
Posição na lista: 22º
Clube atual: Deportivo Municipal (Peru)

Diz uma matéria do site peruano Andina: “Com a contratação do peruano, o Racing Santander busca fazer a mesma aposta que fez com Ezequiel Garay”. Era o último dia do mercado de inverno de 2008. Dois anos antes, Garay havia sido comprado pelo Racing Santander por € 1,4 milhão do Newell’s Old Boys e estava prestes a vendê-lo para o Real Madrid, por € 10 milhões. No meia Damián Ismodes, investiu € 800 mil. O retorno não foi tão bom.

Ismodes era uma grande promessa peruana que, em 2007, quando se destacou pelo Sporting Cristal, já tinha defendido a seleção principal do Peru, mesmo com apenas 18 anos. O Racing Santander tentou dar o pulo do gato com a sua contratação, mas acabou tropeçando e caindo com a cara no chão. Ismodes mal atuou pelo clube espanhol e se tornou um daqueles jogadores constantemente emprestados – Eibar, Sporting Cristal e Universitario – até ter seu contrato rescindido, em 2012. Voltou para o Peru e atualmente defende o Deportivo Municipal.

Rabiu Ibrahim

Idade: 26 anos
Nacionalidade: Nigeriano
Posição na lista: 25º
Clube atual: Slovan Bratislava (Eslováquia)

É tão insuportável quanto inevitável: as comparações começam sempre que surge uma jovem promessa. Neste texto, já citamos o novo Messi e o novo Hagi. Chegou a vez do novo Jay-Jay Okocha. “Eu me sentia feliz com o apelido e, ao mesmo tempo, era pesado para mim porque Okocha foi um jogador enorme, um dos melhores do mundo. Sempre olhei para ele como uma lenda, mas, ao mesmo tempo, a tarefa era grande porque ele foi muito bom jogador”, afirmou Rabiu Ibrahim, ao site Goal, em 2015, quando sua carreira já havia saído dos trilhos.

Naquela ocasião, Rabiu estava convocado para a seleção nigeriana principal pela primeira vez, depois do seu sucesso pelo Trencin, que havia acabado de ser campeão da liga e da copa da Eslováquia, com cinco gols em 21 partidas do meia-atacante que se destacou na Nigéria campeã mundial sub-17 de 2007.

Rabiu surgiu na Europa por meio das categorias de base do Sporting, responsáveis por revelações relevantes – como um certo Cristiano Ronaldo -, mas não ganhou chances no time principal. Jogou no PSV, no Celtic e no Kilmarnock, sem grande sucesso. Neste último, passou por um susto, em 2013, quando desmaiou durante um jogo contra o Ross County e precisou ser levado para o hospital.

Depois do relativo sucesso no Trencin, foi para o Gent, da Bélgica, onde ficou até o meio deste quando se envolveu na negociação mais cara da história. Da Eslováquia. Foi contratado por € 1 milhão pelo Slovan Bratislava. Tem nove partidas nesta temporada. Não marcou nenhuma vez.

Aarón Ñíguez

Idade: 28 anos
Nacionalidade: Espanhol
Posição na lista: 33º
Clube atual: Real Oviedo (Espanha)

Você conhece o sobrenome. Saúl Ñíguez é um dos jovens jogadores mais promissores do futebol espanhol neste momento, brilhando com a camisa do Atlético de Madrid. O seu irmão mais velho Aarón, porém, não teve tanta sorte. Cria do Valencia, nunca conseguiu explodir.

Alex McLeish foi técnico do Rangers entre 2001 e 2006. Durante sua passagem pelo Ibrox, buscou revelações na base da Espanha e quase acertou o empréstimo de duas lendas. Conta ao Mirror que o seu assistente Jan Wouters era conhecido do assistente de Frank Rijkaard, Henk ten Cate, e tentou levar Lionel Messi para o Rangers. “A resposta de Henk era que Messi provavelmente era muito jovem e possivelmente muito frágil para se beneficiar no futebol escocês. Nós aparecemos bem no meio do processo deles, de decidir o que queriam fazer com Messi, mas durante nossas conversas, Henk disse para Jan que deveríamos levar Iniesta por empréstimo”, afirmou.

O Rangers não contratou nenhum dos dois, mas, alguns anos depois, já com McLeish fora do clube, chegou Aáron Ñíguez por empréstimo. O espanhol jogou apenas três vezes nas campanhas dos títulos da liga e da copa da Escócia, em 2008/09, mas gostou da experiência. O Valencia o chamou para retornar, mas Aáron insistiu em ficar no Ibrox. Não teve sua vontade atendida e acabou emprestado ao Celta de Vigo. E ao Recreativo de Huelva.

Saiu do Valencia em definitivo para defender o Almería e passou também pelo Elche, antes de aproveitar os contatos do empresário do seu irmão, Jorge Mendes, e acertar com o Braga. Mais uma vez jogou pouco e retornou à Espanha, no Tenerife. Após uma temporada, deixou o clube para defender o Real Oviedo, na segunda divisão. Tem tido um bom tempo de jogo: apareceu em dez das 12 rodadas desta temporada.

Daniel Opare

Idade: 27 anos
Nacionalidade: Ganense
Posição na lista: 34º
Clube atual: Augsburg (Alemanha)

O lateral direito foi destaque do Mundial sub-17 de 2007 e do sub-20 de dois anos depois, quando Gana conquistou o título no Egito. Tão destaque que acabou sendo contratado para as categorias de base do Real Madrid, mas sua passagem pela Espanha resumiu-se ao Castilla. Em 2010, acertou com o Standard Liège e conseguiu construir uma carreira sólida na Bélgica: 119 partidas em quatro temporadas.

Surgiram os pretendentes na imprensa: Liverpool, Arsenal, Chelsea e Porto. A transferência que se concretizou de fato foi para o clube português, mas ele nem entrou em campo pelos Dragões e foi emprestado ao Besiktas. Foi cedido para o Augsburg, da Alemanha, e sofreu com lesões na sua primeira temporada. E com problemas disciplinares. Em março de 2016, chegou atrasado a um treinamento e foi suspenso por um mês, obrigado a treinar sozinho. Em janeiro, foi emprestado para o Lens da França.

Opare tem um carreira relativamente sólida com a seleção nacional: foi reserva durante a Copa Africana de Nações e disputou uma partida de Copa do Mundo, no Brasil, contra os Estados Unidos. Recuperado no Augsburg, foi titular e jogou todos os 90 minutos das últimas oito rodadas da Bundesliga.

Sergio Tejera

Idade: 27 anos
Nacionalidade: Espanhol
Posição na lista: 43º
Clube atual: Gimnástic de Tarragona (Espanha)

Lembra a reclamação de Míchel? Clubes ingleses comprando promessas da Espanha sem permitir que subissem ao time principal? Sergio Tejera é mais um desses casos. O jovem espanhol foi contratado pelo Chelsea, em 2006, e não conseguiu chegar aos adultos. “Tive problemas no joelho quando estava na minha melhor fase e fiquei parado durante muito tempo. No ano seguinte, decidi sair”, afirmou ao El Periodico, ano passado.

Foi em seguida para o Mallorca, pelo qual conseguiu oportunidades sob o comando de Michael Laudrup. Mas não durou muito tempo. Retornou para o Espanyol, clube que o formou. Tinha a confiança de Mauricio Pochettino, mas o atual treinador do Tottenham foi embora meses depois da sua chegada. Não se entendeu com o sucessor do argentino, o mexicano Javier Aguirre, e foi emprestado para o Alavés, por duas temporadas. Encontrou um lugar para jogar na segunda divisão, e já tem mais de 80 partidas pelo Gimnástic de Tarragona.