Com a temporada no futebol japonês se encerrando este mês – no sábado acaba a J-League 1 e a Copa do Imperador tem a final no primeiro dia de 2012 – dois dos mais prestigiados treinadores do país resolveram retornar para o Brasil.

Oswaldo de Oliveira estava no comando do Kashima Antlers desde meados de 2007. Quando chegou, o time não fazia boa campanha – esteve próximo da zona do rebaixamento. Mas em uma arrancada que culminou com a quebra do recorde de vitórias consecutivas em uma mesma temporada, o clube acabou campeão, quebrando um jejum de seis temporadas. De quebra, ficou ainda com o título da Copa do Imperador.

Nos dois anos seguintes, o Kashima Antlers dominou o futebol japonês, conquistando o tricampeonato nacional, um feito inédito desde o advento da J-League, em 1993, o que colocou Oswaldo como um dos possíveis nomes para dirigir a seleção japonesa na Copa de 2010 – o que acabou não acontecendo.
Em 2010, o time fez uma campanha ruim, terminando na quarta colocação. Na atual temporada, o rendimento foi ainda pior: o Kashima Antlers está na sexta posição, podendo ser ultrapassado pelo Sanfrecce Hiroshima.

Além do tricampeonato na liga, Oswaldo conquistou duas Copas do Imperador – e o time está nas oitavas da edição deste ano. Porém, o treinador nunca conseguiu dar um título da Liga dos Campeões da Ásia aos Antlers, uma obsessão do clube. O mais longe que conseguiu foi chegar às quartas de final, em 2008. Para a próxima temporada, o clube só participará da competição continental se vencer a Copa do Imperador.

O desgaste ao longo de quatro anos e meio de trabalho ininterrupto acabou sendo inevitável, e o treinador anunciou sua saída – e um possível acerto com o Botafogo para a próxima temporada.

A situação de Levir Culpi é parecida com a de Oswaldo de Oliveira. O treinador já tinha passado pelo Cerezo Osaka rapidamente em 1997. Dez anos depois, voltou ao clube, que estava na J-League 2. Foram dois anos “batendo na trave” em relação ao acesso: quinto em 2007 e quarto em 2008 (sobem três equipes). Em 2009, o vice-campeonato da segunda divisão garantiu o retorno do Cerezo Osaka.

Na temporada passada, uma surpreendente campanha levou o time de Levir à terceira colocação na J-League 1, garantindo uma inédita participação na Liga dos Campeões da Ásia este ano. Na atual temporada, o clube fez uma campanha modesta na J-League (está em 12º lugar, com 40 pontos), e, assim como o Kashima Antlers de Oswaldo de Oliveira, ainda sonha com o título da Copa do Imperador.

Levir anunciou seu retorno ao Brasil há duas semanas, mas continua no comando do Cerezo Osaka até o final da temporada.

Decisões no Japão e na Coreia do Sul

Neste final de semana, duas das principais ligas asiáticas conhecem seus campeões. No Japão, a J-League tem a última rodada com três clubes brigando pelo título, num cenário ainda mais equilibrado que no Brasileirão.

O Kashiwa Reysol lidera com 69 pontos e só depende de uma vitória diante do Urawa Red Diamonds para ficar com o título. Segundo colocado com 68 pontos, o Nagoya Grampus enfrenta o Albirex Niigata. O Gamba Osaka vem na sequência com 67 pontos e pega o Shimizu S-Pulse.

Para aumentar a disputa, os três postulantes ao título jogam fora de casa. Na J-League, o primeiro critério de desempate é o saldo de gols e, neste quesito, o Kashiwa Reysol leva desvantagem em relação aos adversários, o que significa dizer que por exemplo, se o time de Leandro Domingues empatar, o Grampus não vencer e o Gamba Osaka passar pelo Shimizu, o Gamba fica com o título.

A rodada terá todos os seus jogos realizados às 4h30 do sábado e, além da disputa do título, vai ratificar o rebaixamento do Ventforet Kofu, que com 33 pontos, três a menos que o Urawa Red Diamonds, precisa tirar 15 gols de diferença no saldo de gols se quiser permanecer na J-League 1.

Na Coreia do Sul, o Jeonbuk Hyundai Motors tem tudo para ficar com o título. O time venceu o primeiro jogo da final contra o Ulsan Hyundai, na quarta-feira, por 2 a 1, com dois gols do brasileiro Eninho, e agora, pode até perder o jogo por 1 a 0 que garante a conquista da K-League.

Vice-campeão asiático este ano, o Jeonbuk foi o melhor time da fase regular, com 63 pontos ganhos em 30 jogos, e liderou a liga em 21 das 30 rodadas, se classificando direto para a fase final. Se ficar mesmo com o título, será a segunda conquista nacional nos últimos três anos.

Olímpíadas: Japão na boa para ir a Londres

No final de semana passado, foram realizados os jogos da terceira rodada da fase de grupos do pré-olímpico asiático, que aponta três classificados diretos para o torneio de futebol dos Jogos Olímpicos de Londres, no ano que vem.

No grupo A, a liderança é da Coreia do Sul, com 7 pontos. O time empatou com o Catar, fora de casa, em 1 a 1, na quarta-feira passada  e venceu a Arábia Saudita (1 ponto) por 1 a 0. Omã (4 pontos) e Catar (3 pontos) empataram em 1 a 1 e mantêm suas chances.

Pelo grupo B, quatro dos seis jogos realizados até agora terminaram empatados em 0 a 0. O Uzbequistão lidera com 5 pontos, um a mais que o Iraque – foram as duas únicas seleções que venceram até agora. A Austrália empatou seus três jogos e os Emirados Árabes estão com dois pontos.

O Japão venceu Síria por 2 a 1 e assumiu a liderança do grupo C com 9 pontos, deixando os sírios na segunda colocação. O Bahrein venceu a Malásia por 3 a 2 e fez seus primeiros pontos no torneio.

Além da classificação do campeão de cada um dos grupos, os três segundos colocados ainda têm o direito de disputar em um triangular, em março. O vencedor do triangular vai para a repescagem intercontinental contra um representante africano. A próxima rodada acontece em 5 de fevereiro.

CURTAS

Longevidade no cargo é uma marca do futebol asiático. Levir Culpi e Oswaldo de Oliveira ficaram nos seus clubes por mais de quatro anos. Na boa para conquistar o título da K-League com o Jeonbuk Hyundai Motors, Choi Kang-Hee está no comando do clube desde julho de 2005.

A seleção de Samoa se classificou para a fase final das eliminatórias da Oceania para a Copa do Mundo de 2014. Com duas vitórias e um empate, o time comandado por Tunoa Lui venceu o quadrangular disputado semana passada em Apia, capital de Samoa, superando Samoa Americana, Ilhas Cook e Tonga.

O meia-atacante Leandro Domingues foi escolhido como o melhor jogador da J-League 1 em 2011. O camisa 10 do Kashiwa Reysol tem sido um dos responsáveis pela boa campanha da equipe, líder do campeonato, além de, com 14 gols, ser um dos artilheiros da competição.

O Brisbane Roar joga neste domingo para ampliar sua liderança na A-League. O time segue invicto e conquistou 20 de 24 pontos possíveis nesse início de campeonato. O adversário de domingo é o Sydney FC, no WIN Jubilee Oval, em Sydney.

Contando com os gols de Ricardo Oliveira, artilheiro da liga com cinco gols em quatro jogos, o Al Jazira enfrenta o Emirates nesse sábado para manter a liderança nos Emirados Árabes. O time tem 13 pontos em cinco partidas. O Al Wasl, de Diego Maradona, está em terceiro lugar, com 10 pontos.