Depois de muita expectativa, o VAR (sigla em inglês de Video Assistant Referee) estreou na Major League Soccer no último fim de semana. Ninguém esperava que ele fosse usado, mas os árbitros não perderam tempo e logo utilizaram a inovação. Para o bem do futebol, acertaram em todas as oportunidades que acionaram o sistema, mas ainda faltam alguns pontos para melhorar, como era esperado.

LEIA TAMBÉM: O uso do VAR transformou o placar de 2 a 0 em 1 a 1, mas não impediu o título do Feyenoord

O VAR fez sua primeira aparição na MLS no sábado, quando Philadelphia Union e FC Dallas se enfrentaram. O Union vencia fácil por 3 a 0 quando Urruti marcou o primeiro gol da equipe visitante. Após reclamações de jogadores do time da Philadelphia, o árbitro Ricardo Salazar decidiu recorrer ao apoio em vídeo e viu falta clara de Colmán que chutou a barriga do goleiro adversário. Gol anulado e história feita na competição. Para melhorar a estreia, sem interferência no resultado final.

No dia seguinte, Portland Timbers e LA Galaxy jogaram uma partida tensa. Nesse caso, porém, a utilização do VAR mudou o andamento da partida. Com placar empatado em 1 a 1, Gyasi Zardes, do Galaxy, mandou a bola para a rede após cobrança de escanteio. Ninguém notou alguma infração na jogada, mas o árbitro solicitou ajuda e anulou o gol ao ver toque de mão do atacante da equipe californiana. Logo depois, o Portland marcou duas vezes e venceu a partida por 3 a 1.

Minutos depois, ainda na partida entre Timbers e Galaxy, o zagueiro Dave Romney, do LA Galaxy, dividiu com Fanendo Adi na área e o atacante rival caiu. A torcida em Portland imediatamente pediu por pênalti, mas o árbitro Drew Fischer solicitou o VAR e notou que não constatou penalidade.

Nem tudo foi perfeito na estreia do VAR nos Estados Unidos. Na partida entre Sporting Kansas City e Atlanta United, os torcedores do SKC reclamaram de um toque de mão adversário e gritaram pela utilização do sistema de vídeo, mas o apelo foi em vão, pois o árbitro ignorou os pedidos e seguiu com a partida – e, consequentemente, com o erro. Jogadores e torcedores do Colorado Rapids também pediram pênalti em uma polêmica jogada do defensor Andrew Jacobson, do Vancouver Whitecaps. O VAR não foi utilizado, mas imagens da televisão mostraram que o toque foi no ombro do atleta. Um golpe de sorte do árbitro, sem dúvidas.

O VAR ainda está engatinhando no futebol, inclusive nos Estados Unidos. Quando utilizado pelos árbitros na primeira rodada, foi útil, sem retardar muito os jogos e fazendo justiça. Alguns juízes claramente se mostraram com medo de usar o assistente de vídeo, mas esse temor deve sumir conforme os jogos passarem. A novidade está aí, só nos resta torcer por uma boa utilização dela.

Veja como funciona o VAR: