O Barcelona poderia sair da liderança pela primeira vez em 57 rodadas. Chegou a 58 (Foto: AP)

Atlético bobeou e Barcelona manteve a liderança, mas precisa dar um jeito na bola aérea

No primeiro turno, estreia do Campeonato Espanhol, o Barcelona foi implacável com o Levante e enfiou 7 a 0, no Camp Nou. Neste domingo, em Valência, o time de Tata Martino ficou longe de repetir aquela atuação. Com as costumeiras falhas nas bolas aéreas e contra uma defesa muito forte, o time catalão apenas empatou por 1 a 1 e poderia perder a liderança do Campeonato Espanhol para o Atlético do Madrid depois de 57 rodadas seguidas na ponta.

Não foi o que aconteceu. Na hora H, o primo pobre da capital espanhola falhou. Abriu o placar contra o Sevilla com David Villa – e seria irônico que o gol que tiraria o Barcelona da liderança fosse dele, cedido quase de graça no mercado de verão -, mas Ivan Rakitic empatou de pênalti. As duas equipes estão com 51 pontos, e o Real Madrid, que parecia fora da briga, aparece logo atrás, com 50. Agora, a corrida tem três participantes.

E se o Barcelona não conquistar esse título, um dos principais motivos será a tal da bola aérea. O time é pequeno, sempre foi, mas geralmente essas falhas eram compensadas com muitos gols. Contra o Levante, a pontaria não estava muito afiada. Foram 17 chutes a gol, apenas seis certos, Xavi perdeu um gol incrível, e ainda havia Juanfran, que bloqueou, cortou, desarmou e foi exuberante no seu 100º jogo de primeira divisão pelo time da casa.

Em campo pelo Barcelona, apenas Piqué e Busquets tinham mais de 1,80 metros. Dos 13 gols que a equipe levou em La Liga, cinco saíram pelo alto. Isso só não é um problema maior porque o adversário das oitavas de final da Liga dos Campeões será o Manchester City, que marcou apenas 12,6% dos seus 103 gols na temporada pelo alto. Mas Tata Martino precisa dar um jeito nesse problema, que perdura desde os tempos de Pep Guardiola.