Cahill Robben Austrália Holanda 169

Austrália 2×3 Holanda: australianos quase protagonizaram outra zebra

A CRÔNICA

Depois da goleada sobre a atual campeã mundial Espanha, ninguém esperava que a Holanda tivesse alguma dificuldade contra a fraca Austrália. Isso na teoria, porque na prática os Socceroos surpreenderam completamente espectadores, torcedores e provavelmente até os jogadores da Oranje. Em um jogo de duas viradas, os holandeses ainda conseguiram a vitória e os três pontos, ficando em situação confortável no Grupo B, mas isso apenas depois de superar um adversário de boa marcação, jogadas ofensivas rápidas e muita disputa física. Definitivamente, os australianos foram oponentes mais à altura da Oranje que os espanhóis na primeira rodada.

Não demorou muito tempo para que a Austrália mostrasse que daria trabalho á Oranje. Logo aos 15 minutos, Martins Indi saiu jogando mal, e Leckie deu a primeira mostra do que faria no jogo: com velocidade, se livrou da marcação na ponta-direita e encontrou Bresciano, que teve seu chute travado. A resposta da Holanda foi fatal: cinco minutos depois, Robben deu um belo drible de corpo quase na linha que divide o campo, arrancou em velocidade e, se aproveitando das brechas deixadas pela zaga australiana, apareceu livre no canto esquerdo da área para finalizar cruzado e abrir o placar com um belo gol.

Melhor que a jogada do atleta do Bayern de Munique foi a pintura de Tim Cahill para brecar a festa holandesa. Logo na reposição de bola, McGowan acertou um lançamento à la Blind, e o veterano pegou de primeira, à la Van Basten, para deixar tudo igual. Um gol como o marcado por Cahill pareceu ter dado um grande empurrão no moral dos Socceroos, que cresceram bastante a partir dali.

Ao final do primeiro tempo, a Austrália se dirigiu ao vestiário como o melhor time em campo. Tinha mais posse de bola, mais jogadas perigosas e também mais finalizações a gol. Mark Bresciano fazia jogo importante em seu posicionamento central, e Mathew Leckie, de apenas 22 anos, infernizava a defesa da Oranje, no lado de Martins Indi e Blind. O primeiro, aliás, teve de sair ainda antes do apito final da etapa inicial e deu lugar a Memphis Depay. Uma substituição que mudaria o jogo e consagraria o garoto do PSV Eindhoven.

A alteração de Van Gaal mudou também o esquema da Holanda, que passou a jogar em um 4-3-3 e ganhou mais volume de jogo no ataque. Mais que isso, Depay entrou muito inspirado, atraindo para si grande parte das jogadas ofensivas da Oranje. Ainda assim, quem saiu na frente na segunda etapa foi a Austrália, com um gol de pênalti de Jedinak aos nove minutos, após lance controverso (mão na bola ou bola na mão de Janmaat?). O troco holandês veio rápido e passando pelos pés de Depay. Robben iniciou a jogada na esquerda e tocou para o jogador do PSV. O substituto então encontrou com perfeição Robin van Persie dentro da área, e aí ficou fácil para o jogador do Manchester United empatar a partida, aos 14 minutos.

Para fechar da melhor maneira possível sua interferência no jogo, Depay foi o responsável pelo gol da virada, dez minutos após Van Persie empatar. Com um chute de longe, não tão forte, o garoto, de apenas 20 anos, contou com uma quicada na frente de Matt Ryan para vencer o goleiro e fazer 3 a 2.

O jogo acirrado que abriu esta quarta-feira de Copa do Mundo foi bom para provar que qualquer conclusão após apenas uma rodada é demais. Não dá para falar que ninguém jogará mais que a Alemanha, por exemplo, ou que a própria Oranje estava à frente de quase todos por causa de uma goleada sobre a Espanha. Ou que o Brasil está fadado a ser eliminado nas oitavas por causa do futebol fraco diante do México. Chamar atenção para algum destaque inesperado e puxar a orelha de quem precisa melhorar é bom, mas esse Austrália e Holanda é um indício ótimo de que, em Copa do Mundo, a história pode ser reescrita a cada jogo. De uma forma ou de outra, a adaptação dos holandeses às circunstâncias da partida, para conseguir vencê-la, deve ter deixado os torcedores com um pouquinho mais de otimismo em uma campanha honrável.

FICHA TÉCNICA

Austrália 2×3 Holanda

Austrália

Escudo AustráliaMaty Ryan; Ryan McGowan, Alex Wilkinson, Matthew Spiranovic e Jason Davidson; Mile Jedinak, Matt McKay, Mathew Leckie, Mark Bresciano (Oliver Bozanic, 6′/2T) e Tommy Oar (Adam Taggart, 32′/2T); Tim Cahill (Ben Halloran, 23′/2T). Técnico: Ange Postecoglou.

Holanda

Holanda EscudoJasper Cillessen; Ron Vlaar, Stefan de Vrij e Bruno Martins Indi (Memphis Depay, 45’/1T); Daryl Janmaat, Jonathan de Guzmán (Georginio Wijnaldum, 33′/2T), Nigel de Jong e Daley Blind; Wesley Sneijder; Robin van Persie (Jeremain Lens, 42′/2T) e Arjen Robben. Técnico: Louis van Gaal.

Local: Beira-Rio, em Porto Alegre

Árbitro: Djamel Haimoudi (AGL)

Gols:  Robben, 20’/1T, Robin van Persie, 13′/2T, e  Depay, 23′/2T (Holanda); Cahill, 21’/1T, e Jedinak, 9′/2T (Austrália)

Cartões amarelos: Tim Cahill (Austrália); Van Persie (Holanda)

Cartões vermelhos: Nenhum

O CARA

Memphis Depay, de apenas 20 anos, mudou o jogo para a Holanda. Deu nova dinâmica ao time, atraiu para si a maioria das jogadas de ataque e mudou na prática o placar: deu a assistência brilhante para o gol de empate de Van Persie e fez o da virada, arriscando de longe e contando com uma pequena ajuda do goleiro australiano.

OS GOLS

20’/1T – GOL DA HOLANDA!

Robben dá belo drible de corpo no meio de campo, arranca em velocidade e, com bastante espaço, bate cruzado na saída do goleiro Ryan.

21’/1T – GOL DA AUSTRÁLIA!

Resposta imediata da Austrália, na reposição. Lançamento lindo de McGowan, e Cahill pega de primeira para acertar um belo chute de primeira, de esquerda, com a bola batendo no travessão e indo para o chão antes de entrar.

9’/2T – GOL DA AUSTRÁLIA!

Após pênalti controverso, Jedinak vai para a cobrança e bate bem, do lado esquerdo do gol de Cillessen, que vai para o outro lado. Virada da Austrália no Beira-Rio.

23’/2T – GOL DA HOLANDA!

A Holanda responde rápido ao gol de virada de Jedinak. Robben toca para Depay, que encontra com maestria Van Persie dentro da área. O atacante recebe em posição legal e bate de esquerda, na saída de Ryan, para empatar.

13’/2T – GOL DA HOLANDA!

Depois de servir Van Persie no gol de empate, Depay deixa o seu. O ponta-esquerda carregou a bola na intermediária e bateu de longe. A bola quicou na frente de Ryan e dificultou a vida do goleiro, que viu a bola passar perto dele: 3 a 2 para a Holanda.

A TÁTICA

Austrália Holanda Campinho

Empolgado com a goleada sobre a Espanha, Louis van Gaal manteve o esquema e a escalação, mas contra a Austrália não estava dando certo. No final do primeiro tempo, sacou o zagueiro Martins Indi, mudou para um 4-3-3, com Depay entrando na ponta-esquerda, e o resultado foi uma melhora nas jogadas ofensivas. A Austrália entrou no 4-2-3-1 e não se limitou a se defender. No geral, foi melhor no primeiro tempo, criando mais chances e contando com um papel fundamental de Leckie na ponta-direita. McGowan apoiava bem, enquanto Davidson foi o ponto fraco defensivo, pela esquerda.

A ESTATÍSTICA

5

Com o gol de hoje, Cahill chegou a cinco em Copas do Mundo. O jogador igualou Landon Donovan e Roger Milla como maior artilheiro do Mundial em países não europeus ou sul-americanos.