O xeique Ali al-Khalifa, vice-presidente da federação barenita, anunciou nesta quinta que o país pretende apelar à Fifa para anular a partida contra Trinidad e Tobago. Os Soca Warriors ganharam por 1 a 0 em Manama, na quarta, e se classificaram para a Copa. O confronto de ida terminara empatado por 1 a 1.

O dirigente alega que o árbitro colombiano Oscar Julian Ruiz Acosta errou ao anular um gol marcado pelo Bahrein ao marcar uma falta por jogo perigoso. “Vamos apelar para a Fifa reconsiderar o lance. Afirmamos que não houve jogada perigosa para ficar com a bola. Não estamos otimistas quanto à resposta da entidade, mas faremos o que achamos certo pelas circunstâncias”, afirmou o xeique.

Markus Siegler, diretor de comunicações da Fifa, disse que aguarda o pedido oficial do Bahrein, mas só o consideraria se os barenitas entrassem em contato com o juiz e o delegado da partida. “Como em todos os outros jogos qualificatórios do Mundial, se houver um protesto ele aparecerá na súmula do juiz e do delegado do jogo, e será analisado por nosso comitê disciplinar”.

O Bahrein já teve uma “mãozinha” extra-campo nestas eliminatórias. Na decisão de quem se classificaria para a repescagem asiática, o país perdeu a partida de ida para o Uzbequistão por 1 a 0. Por um erro do juiz, o jogo foi anulado e remarcado. No confronto, houve empate por 1 a 1.