Pela primeira vez nesta temporada, o Atlético de Madrid é o líder isolado de La Liga. Os tropeços de Real Madrid e, principalmente, Barcelona, deixaram os Colchoneros completamente sozinhos na ponta do Campeonato Espanhol, e a conquista veio com uma vitória incontestável do Atleti sobre a Real Sociedad, em partida marcada pelas homenagens a Luis Aragonés e pela reestreia de Diego com a camisa rojiblanca. Mas não foi só na Espanha que alguém se consolidou na liderança.

Embora já esteja no topo da tabela há um bom tempo, a Juventus teve mais um daqueles jogos para reforçar quem é que manda no campeonato. Contra a tradicional Internazionale, os bianconeri não tiveram dificuldades em garantir a vitória e sobraram em campo. Na Alemanha, o Bayern goleou e se manteve 13 pontos à frente do segundo colocado. Confira, em detalhes, tudo isso e mais no nosso balanço da rodada.

A surpresa

Barcelona 2×3 Valencia

O Valencia não vencia no Campeonato Espanhol há três rodadas. O Barcelona não perdia em casa desde abril de 2012. Ninguém apostaria com convicção em uma vitória do Valencia em pleno Camp Nou neste final de semana, mas foi o que aconteceu, e de virada ainda. Mesmo a presença de Lionel Messi em campo não impediu os blaugranas de saírem derrotados. Contando com boas atuações de Pablo Piatti, autor de um dos gols, e Sofiane Feghouli, que deu duas assistências, os Murciélagos venceram por 3 a 2 e tiraram o Barça da liderança de La Liga, agora ocupada exclusivamente pelo Atlético de Madrid.

A goleada

Bayern de Munique 5×0 Eintracht Frankfurt

Após a vitória magra por 2 a 1, com gol nos últimos instantes, diante do Stuttgart na quarta-feira, o Bayern de Munique deu uma resposta positiva aos seus torcedores no retorno à Allianz Arena. Goleada por 5 a 0 sobre o Frankfurt com grandes atuações de Mario Mandzukic, Mario Götze e Franck Ribéry, com um gol e uma assistência cada. Mesmo sem balançar as redes, o brasileiro naturalizado espanhol Thiago Alcântara também teve um jogo para se destacar, acertando 94% dos passes que tentou e dando ritmo às subidas ao ataque dos bávaros. Cada vez mais, o filho de Mazinho tem se consolidado como titular em Munique, e a atuação do final de semana foi uma boa mostra do que ainda vem por aí.

O jogão

Vidal (esq.) foi mais uma vez um destaque da Juventus, que passou sem dificuldades pela Inter (AP Photo/Massimo Pinca)

Juventus 3 x 1 Internazionale

Toda semana é a mesma coisa: quando comentamos sobre a Juventus, falamos sobre como faltam concorrentes de verdade à Velha Senhora. E pudera. Contra a Internazionale, que, embora não faça grande temporada, é um time de bastante tradição, mais um baile dos Bianconeri. Com apenas dez minutos da segunda etapa, a Juve já havia garantido sua vitória, fazendo 3 a 0 com Arturo Vidal. Eventualmente, a Inter até encontrou o seu golzinho, com Rolando, mas foi por puro acaso, e não pelos Nerazzurri terem feito frente aos líderes. Agora já são 14 rodadas seguidas sem derrotas para a Juventus, com vitórias em 13 delas. De fato, não há equipe para rivalizar com os comandados de Antonio Conte dentro da Itália.

A virada

Twente 3×1 Cambuur

O Twente persegue de perto Ajax e Vitesse no topo da tabela da Eredivisie, e, se não fosse a reação na segunda etapa contra o Cambuur, poderia ter dificultado para si próprio as coisas na competição. Jogando em casa, o time foi para o vestiário perdendo por 1 a 0, mas voltou para a segunda etapa com outra mentalidade e conseguiu reverter o resultado para um convincente 3 a 1, com Luc Castaignos marcando um dos gols e Dusan Tadic dando duas assistências e sendo o grande destaque da virada. A distância para o líder continua meio desconfortável – quatro pontos -, mas definitivamente é melhor que os sete pontos que haveria entre eles não fosse o despertar no segundo tempo.

A decepção

Stoke City 2×1 Manchester United

Juan Mata estreou contra o Cardiff e deu qualidade de toque e maior ânimo ao Manchester United. Isso fez com que as expectativas para sua segunda partida pelo time, contra o fraco Stoke City, que não vencia há seis jogos na Premier League, fosse muito grande. Na prática, no entanto, mesmo com o espanhol de titular, junto de Robin van Persie e Wayne Rooney, o United não conseguiu superar os Potters. Após sofrer com as lesões de Jonny Evans e Phil Jones, que deixaram o campo ainda no primeiro tempo, Moyes fez substituições nada inteligentes e bagunçou completamente o time, que acabou sendo incapaz de buscar até mesmo o empate.

A recuperação

Bayer Leverkusen 2×1 Stuttgart

Até a 16ª rodada, o Bayer Leverkusen parecia a única equipe com uma chance mínima de fazer frente ao Bayern de Munique na Bundesliga. Apenas quatro pontos separavam os dois. No entanto, a equipe de Leverkusen caiu drasticamente de produção de repente, perdendo os três jogos seguintes. Contra o Stuttgart, com uma vitória por 2 a 1, de virada, enfim o time voltou a conquistar pontos. Infelizmente para os comandados de Sami Hyypia, a diferença agora já é de 13 pontos para os bávaros, e, se já estava difícil antes, agora ficou basicamente impossível superar o Bayern. No entanto, se o time pretende estar na Liga dos Campeões da próxima temporada, era importante voltar aos trilhos, e talvez o triunfo sobre o Stuttgart seja o início de uma sequência positiva para o time.

O brasileiro

Lucas Moura PSG

Lucas Moura

Lucas Moura ainda não é unanimidade com Laurent Blanc no Paris Saint-Germain, mas sua participação na equipe está aumentando gradativamente. Talvez seja tarde demais para ele convencer Luiz Felipe Scolari de que mereça um lugar no grupo que disputará a Copa do Mundo, mas certamente não tarde demais para conquistar a titularidade definitiva no PSG. Contra o Bordeaux, os dois gols da vitória dos parisienses por 2 a 0 começaram nos pés de Lucas, que serviu Zlatan Ibrahimovic e Alex. Ótimo passo para tentar se consolidar pela ponta direita do ataque do líder da Ligue 1.

O cara

Rickie Lambert

Após o começo arrasador na Premier League, o Southampton caiu de produção, mas conseguiu manter uma posição de meio de tabela. Ainda assim, vinha decepcionando seu torcedores, com dois empates e uma derrota nos últimos quatro jogos. Contra o Fulham, no entanto, em pleno Craven Cottage, os Saints conseguiram dar uma resposta, e muito graças ao centroavante Rickie Lambert. Não só o camisa 9 do time marcou um gol no triunfo como também serviu Adam Lallana e Jay Rodriguez para completar o placar por 3 a 0.

O golaço

Hulk

Criou-se uma ideia de que Hulk tem apenas força e pouca técnica. Não sei de onde veio isso, mas essa é a imagem que os brasileiros em geral veem no atacante da seleção brasileira. Independentemente de todos os golaços que já marcou pelo Porto, por exemplo, Hulk seguia sendo chamado de “grosso” por muitos. Bom, certamente o golaço deste final de semana na vitória do Zenit por 2 a 1 sobre o CSKA Moscou irá ajudar a melhorar um pouco sua reputação.

O reencontro

Diego

Depois de ter seu futuro muito especulado, Diego enfim acertou seu retorno ao Atlético de Madrid, no último dia da janela de transferências de janeiro. Diante da Real Sociedad, o brasileiro começou o jogo no banco, de onde viu David Villa inaugurar o marcador e a torcida homenagear Luis Aragonés, jogador e treinador pelo Atleti e que faleceu no sábado. Antes da metade da segunda etapa, Diego entrou em campo e ajudou os Colchoneros a construir a vitória por 4 a 0, tendo uma boa precisão de passes e até mesmo marcando um dos gols. Com o triunfo, o Atlético de Madrid terminou a rodada com a liderança isolada do Espanhol, e Diego, com a reestreia melhor que a encomenda.