Michael Ballack foi uma estrela da seleção alemã e do futebol europeu enquanto jogou. Nascido na Alemanha Oriental, foi campeão pelo Kaiserslautern, em 1997, e jogou por Bayer Leverkusen, Bayern de Munique e Chelsea – este último de 2006 a 2010. Jogou a sua última Copa do Mundo em 2006, mas não conseguiu jogar em 2010, por lesão, e acabou não atuando mais pela seleção do país. Com experiência com a camisa da seleção alemã, ele criticou a decisão de Joachim Löw – técnico que o “aposentou” do time, em 2011 – de deixar o atacante Leroy Sané fora da convocação para a Copa do Mundo de 2018.

LEIA TAMBÉM: Três mapas interativos para você se esbaldar e saber mais sobre os 736 convocados à Copa

“Ele mostrou todas as suas qualidades e poderia ser uma grande influência na Copa do Mundo com a sua habilidade”, afirmou Ballack. “Eu estava realmente ansioso para ver um jogador como ele no torneio”, disse o ex-jogador da Alemanha, principal jogador do time que chegou à final em 2002.

O técnico Joachim Löw explicou que Sané disputou uma vaga no elenco com Julian Brandt, do Bayer Leverkusen, e que a decisão foi por pouco, no photochart – quando a disputa é muito acirrada o vencedor em uma corrida de turfe é determinado por foto na linha de chegada.

“Eu realmente não posso ver nenhuma razão esportivo por trás disso. Esqueça, não existe isso de photochart para mim. A posição que Julian Brandt joga, você precisa de muita criatividade para acreditar nisso. Ele apenas não está no nível de Sané. Sané joga por um clube maior, joga com jogadores melhores”, criticou Ballack.

Ballack foi pivô de polêmica em 2010, quando se machucou nas vésperas da Copa e viu Philipp Lahm ser escolhido como novo capitão. Ballack estava na África do Sul para apoiar o time, mas deixou o país depois que Lahm disse que não devolveria a braçadeira. Ele acabou não sendo mais convocado por Löw, apesar de continuar com esperanças. Em 2011, Löw disse que ele não faria mais parte da seleção. A Federação de Futebol Alemão (DFB) ofereceu fazer um jogo de despedida, mas Ballack se recusou, acusando Löw de desrespeito. A relação entre os dois, portanto, não é das melhores.

Dias ruins do Chelsea

Ex-jogador do Chelsea, Ballack também comentou a situação do ex-clube. Quinto lugar na Premier League, o clube não conseguiu classificação à Champions League e o alemão acredita que é preciso questionar o que foi feito. “Não é o que o Chelsea está querendo, ficando tão atrás”, afirmou. “Terminar em quinto não é bom o bastante para o Chelsea, especialmente em três temporadas não ter classificado à Champions em duas delas”.

“É um sinal, é um desenvolvimento que você precisa ter cuidado. Você tem que se questionar dentro do Chelsea o que você tem feito certo e o que você tem feito de errado. Mesmo o título no ano passado foi uma conquista por estar fora de competições europeias. É uma conquista com boas circunstâncias. Mas não classificar agora, você tem que se questionar se está tomando as decisões certas”, avaliou o ex-jogador.

Jogadores como Eden Hazard e Thibaut Courtois pediram que o Chelsea seja ambicioso no mercado de transferências. Para Ballack, porém, a questão vai além disso. “Não se trata sempre sobre dinheiro para ter sucesso, também é sobre estratégia”, disse. “Eles têm um time de base realmente muito bom, que vence todo mundo. Eles têm bons talentos jovens que você pode trabalhar”.

“Há qualidade ali. Eu vi por mim mesmo. Não se trata sempre de gastar muito dinheiro, assumir riscos, confiar em um ou dois jogadores. Talvez seja o momento também para ir em um caminho diferente no Chelsea”, disse Ballack.