Mario Balotelli vive uma grande fase atuando pelo Nice, aos 27 anos, depois de anos muito ruins na sua carreira. Revelado pela Internazionale em 2007, o atacante passou pelo Manchester City, de 2010 a 2013, com bons e maus momentos, e voltou à Itália para defender o Milan em 2013. Em 2014, foi para o Liverpool, mas foi mal. Sua volta ao Milan durou pouco e foi para o Nice em 2016. Desde então, tem conseguido bons momentos, ainda que também tenha seus altos e baixos. E ele foi muito crítico com o ex-técnico da Itália, Giampiero Ventura, que não o convocava para o time.

LEIA TAMBÉM: Balotelli chega a 10 gols na Ligue 1 e ajuda Nice a subir do rebaixamento ao sexto lugar

“Eu o vi [Ventura] em Nice, já que ele veio me ver e disse que eu estava sendo levado em consideração. Contudo, seu elenco já estava feito e ele não tinha interesse em como eu estava jogando, mas sim em como eu iria guiar o time. Ele achava que para eu estar envolvido, eu tinha que ser um exemplo positivo, alguém que os outros se espelham”, disse o jogador à Sky Sports Italia.

“Ele me perguntou: ‘Por que você não foi bem no Liverpool?’ Eu disse a ele que aquilo estava no passado. Se ele queria saber como eu joguei, que falasse com o meu treinador”, continuou Balotelli. “Se havia decisões táticas em eu não ser convocado para a seleção, eu posso entender, mas não porque eu tenho que ser um líder, então eu sou menos compreensivo”.

“No fim, parece que Ventura estava procurando por uma desculpa para não me convocar. Com toda a honestidade, se você me perguntar por que eu não era convocado, eu não tenho uma resposta. Eu não sei, ele deve ter suas ideias”, disse.

“Eu penso mais do que ser um líder do time, seria mais importante para marcar um gol contra a Suécia na repescagem e para classificar para a Copa do Mundo”, disse Balotelli, que ainda fez críticas ao modo como a Itália jogou contra a Suécia, no jogo que perdeu a vaga na Copa.

“Me deixou nervoso ver os jogadores dando seu coração e alma no campo, mas era óbvio que havia problemas táticos que estavam por trás da qualidade do time. Eles podem não ser fenômenos, mas a Itália tem jogadores muito fortes”, analisou o atacante. “Se você não vence a Suécia em dois jogos, significa que alguma coisa está muito errada. E não se trata dos jogadores, faltava a eles alguma outra coisa”, disse, mais uma vez criticando Ventura.

“Eu falei com Gigi Buffon, eu liguei para ele e perguntei sobre as suas ideias. Do que ele me disse, eu não acho que havia alguém contra mim no grupo da Azzurra. Eu ouvi isso muitas vezes, mas Gigi é honesto, uma pessoa direta e se houvesse algo de verdade nisso, ele teria me dito”, contou.

Nascido no Palermo, Balotelli é filho de ganeses e foi dado para adoção com dois anos. Foi adotado pela família Balotelli, em Brescia.  Ele teve que esperar até os 18 anos para optar pela sua nacionalidade e poder ser plenamente cidadão italiano.

“Eu tenho orgulho de ser italiano, assim como tenho orgulho de ser ganês e ser negro. Eu sou e sempre serei orgulhoso por jogar pela Itália. Eu sei o quanto o meu pai se importava com isso e eu acho que eu tive as melhores atuações da minha vida jogando pela Itália. Eu sempre espero por ser convocado de novo e fazer mais grandes coisas com a Azzurra”, confessou Balotelli.