Dois dias após a saída de Tata Martino, o Barcelona confirmou as especulações mais recentes e anunciou Luis Enrique como seu novo treinador. O técnico, que atuou no clube blaugrana em seus oito últimos anos como jogador, teve um bom trabalho com o Celta nesta temporada, mas, pouco experiente, tem no currículo também um desempenho fraco com a Roma. A aposta parece ter mais a ver com a volta de alguém “de dentro” ao comando do clube que com os feitos do jovem técnico de 44 anos.

Leia mais: A saída de Tata Martino foi a consumação de um fato que parecia inescapável

O fracasso de Tata Martino deve ter influenciado o Barcelona a voltar seus olhares para dentro do próprio clube. Com a saída de Tito Vilanova, os blaugranas acharam que seria interessante uma nova perspectiva, externa, para o comando da equipe e não deu nada certo. Só que tentaram isso com um treinador que nunca havia trabalhado na Europa.

Assim como o Manchester United foi atrás de Louis van Gaal, experiente e vencedor, o Barça poderia ter apostado em alguém com bastante bagagem, para dar uma chacoalhada nos ânimos e tirar alguns atletas da zona de conforto em que se instalaram nos últimos anos. Um nome de peso. Será Luis Enrique o cara para chegar peitando alguns atletas como Gerard Piqué, que não atua no máximo de seu potencial há um bom tempo, ou Xavi, que já não tem condições de ser titular absoluto do time?

Em um constante jogo de riscos, preferiram não apostar novamente em um perfil diferente e voltar à filosofia de ter alguém que conhece bem o clube no comando do time, como Guardiola e Vilanova. Luis Enrique, além do tempo como jogador da equipe, comandou o Barça B entre 2008 e 2011, então conhece como a palma de sua mão como funciona o Barcelona. Entretanto, provavelmente passará por uma situação completamente nova em sua carreira e das mais difíceis.

Julgando puramente pelo lado técnico da coisa, é muito cedo para avaliar o novo treinador do Barcelona. Seu primeiro trabalho importante, na Roma, em 2011/12, foi um fracasso, e a sétima colocação no Campeonato Italiano daquela temporada fez com que o comandante, que tinha dois anos de contrato, ficasse por apenas um ano nos giallorossi. Depois disso, passou uma temporada sem trabalhar, para retornar no meio do ano passado e assumir o Celta. Lá fez um bom trabalho, levando o clube à nona colocação em La Liga, mas, convenhamos: pouco para credenciá-lo a ser o novo técnico do Barcelona.

>>>> Sinal dos novos tempos: nenhum jogador do Barça no time da temporada de La Liga

Muitos jogadores deverão deixar o clube, além dos já confirmados Carles Puyol, aposentado, e Victor Valdés, sem contrato. A busca por reforços também será grande, e o primeiro, Marc-André ter Stegen, jovem goleiro alemão, por exemplo, já foi anunciado. Fazer os atletas consagrados que permanecerão no clube renderem mais que nesta temporada, contratar as peças certas e introduzi-las com sucesso no time serão os desafios de Luis Enrique. É um risco que o Barcelona está disposto a correr e que pode pagar bem lá na frente. Mas, por enquanto, fica a dúvida: foi a escolha mais inteligente? A princípio, parece que não.