Quem viu o primeiro tempo de Real Madrid e Barcelona neste dia 23 de dezembro e não viu o segundo certamente ficou sem entender ao ver o placar de 2 a 0 para o Barcelona. Os catalães sofreram com o Real Madrid melhor em campo na etapa inicial. Como o jogo tem dois tempos, o time voltou mais preciso no segundo, contou com eficiência dos seus meio-campistas e o poder de decisão de Lionel Messi para sair de campo com uma vitória enorme, tanto pelo tamanho do jogo, quanto pela vantagem que ela dá na liga.

LEIA TAMBÉM: Quando o Real ajudou o maior ídolo do Barça a passar o Natal com sua mãe, depois de 12 anos sem vê-la

Zinedine Zidane surpreendeu ao colocar Mateo Kovacic no meio-campo. Vale lembrar o que o técnico fez na Supercopa da Espanha, quando ganhou o jogo de ida no Camp Nou justamente usando o meio-campista croata para segurar as ações de Messi. Com o meio-campo mais preenchido, Modric comandava as ações mais ofensivas, com

Nos primeiros 15 minutos de jogo, só deu Real Madrid. Foram poucas as chances claras, é verdade, mas os merengues foram dominantes nas primeiras ações do jogo. Os atacantes do Barcelona, Lionel Messi e Luis Suárez, mal viram a cor da bola. O Real Madrid teve uma bela chance com um passe lindo de Marcelo para Kroos e do alemão para Cristiano Ronaldo, mas o português completou a jogada de um jeito raro: furou.

O Barcelona teve uma grande chance aos 30 minutos. Messi fez um belo lançamento para Paulinho, que se movimentou bem e chutou de primeira, para boa defesa de Keylor Navas. Pouco depois, foi o lado contrário que assustou: Cristiano Ronaldo pedalou e, de pé esquerdo, finalizou com perigo, obrigando defesa do goleiro alemão do Barcelona.

Aos 39 minutos, Paulinho levou novamente perigo depois de uma bela trocxa de passes do Barcelona que acabou em uma cabeçada do brasileiro que Navas, mais uma vez, defendeu. A resposta do Real Madrid foi ainda mais perigosa: Benzema completou um cruzamento da esquerda com uma cabeçada forte e a bola bateu no pé da trave, tirando um sonoro “uuuuh” dos torcedores.

No início do segundo tempo, o Barcelona conseguiu um gol em um contra-ataque de muita categoria. Sergio Busquets começou a jogada com classe, Rakitic correu com a bola, passando pela marcação do Real Madrid e abriu para Sergi Roberto na direita. O lateral direito tocou de primeira para Suárez do outro lado e o uruguaio finalizou de primeira para marcar 1 a 0.

A situação se complicou muito pouco depois. Messi achou um passe perfeito para Suárez, que finalizou, mas Navas defendeu. Na sobra, Messi pegou o rebote, tocou para Suárez e a zaga tirou em cima da linha. Paulinho, no rebote, tentou mandar para dentro, mas Carvajal meteu a mão na bola para impedir o gol. Não impediu, porque Paulinho ainda entrou com bola e tudo, mas o árbitro já tinha apitado o pênalti. E expulsou Carvajal.

Messi, na marca da cal, não perdoou: 2 a 0 para o Barcelona. O argentino chegou a 25 gols só clássico com o Real Madrid, maior artilheiro de El Clasico. E com um a menos, Zidane imediatamente fez uma substituição, tirando Benzema, que saiu muito vaiado, e entrou o zagueiro Nacho para recompor a defesa.

Perdendo o jogo, o Real Madrid teve que arriscar. Zidane tirou os dois volantes, Casemiro e Kovacic, e colocou em campo Asensio e Bale. O time, como esperado, passou a pressionar mais. O Barcelona colocou em campo Nelson Semedo no lugar de Iniesta e Sergi Roberto foi deslocado ao meio-campo, sua posição de origem.

Bale teve uma grande chance de gol, em um chute de pé direito dentro da área, mas Ter Stegen conseguiu fazer a defesa e impediu o Real Madrid de tirar o seu zero do placar. Foram duas chances, mas nas duas o Barcelona conseguiu impedir. Os catalães deram campo, esperando espaço para os contra-ataques, enquanto o Real Madrid tentou o abafa.

E foi assim, no abafa, que quase saiu o gol. Sergio Ramos soltou uma bomba de dentro da área, depois de escanteio, e Ter Stegen teve que fazer a defesa. Os madridistas pediram pênalti e Marcelo até recebeu o cartão amarelo por reclamação. A pressão do time blanco era monstruosa e o Barcelona ficou acuado. Bale e Asensio pelas pontas causaram muitos problemas, mas pareceram ter entrado tarde demais.

O Barcelona ainda tirou Paulinho de campo, depois do brasileiro ir muito bem, e colocou André Gomes, com a ideia de ter um pouco mais a posse de bola. E o português chegou a ter uma chance de ampliar o marcador, mas desperdiçou com um chute muito ruim para fora.

Com o tempo regulamentar esgotado, o Real Madrid parecia entregue. Nos momentos finais do jogo, já nos acréscimos, o Barcelona foi quem chegou algumas vezes no ataque, aproveitando para gastar o tempo no campo ofensivo.

Messi recuperou uma bola que pareceu, à primeira vista, ter saído de campo. Ele tabelou e recebeu a bola já dentro da área. Tocou de pé esquerdo para trás, Suárez fez o corta-luz e Aleix Vidal, que entrou pouco antes, finalizou. A defesa tentou impedir o gol, mas a bola foi desviada e entrou devagar: 3 a 0. Foi o último lance do jogo.

A vitória dá uma vantagem monstruosa ao Barcelona na liga espanhola. O time catalão abriu nove pontos para o segundo colocado, Atlético de Madrid, que abriu a rodada perdendo do Espanyol. O Real Madrid, com um jogo a menos, fica com uma desvantagem de 14 pontos, muito difícil de ser tirada, apesar de estarmos apenas na 17ª rodada.