Lionel Messi, no jogo contra o Valladolid (AP Photo/Israel L. Murillo)

Barcelona tem motivos para se preocupar, e não só pela derrota para o Valladolid

Contra o Valladolid, o Barcelona errou 77 passes no campo adversário. Foi a pior marca do time em todo o Campeonato Espanhol nesta temporada. Uma estatística, mas que ilustra um pouco do que foi o time na tarde deste sábado. Um time que saiu de campo derrotado por 1 a 0, o que pode complicar em relação à briga pelo título espanhol, mas principalmente expõe defeitos graves de um time que tem desafios importantes na temporada. A começar pela próxima terça-feira, contra o Manchester City, na Liga dos Campeões. Mas chegaremos lá.

Apático, pouco criativo, com Messi e Neymar sem criatividade, o time catalão pouco conseguiu fazer no ataque. O Valladolid desde o começo parecia saber o que fazer, com bolas altas e tentando tirar proveito dos contra-ataques nos poucos momentos que teve a bola nos pés. Xavi foi mastigado pela marcação adversário. Tocou muitas vezes na bola, como é tradicional, mas foi pouco efetivo. Esse tem sido o Xavi do Campeonato Espanhol. Aquele da partida contra o Manchester City, no estádio Etihad, foi uma raridade na temporada. E esse foi um dos motivos da surpresa pela vitória blaugrana em Manchester por 2 a 0.

Fauto Rossi, o autor do gol, foi perigoso em bolas paradas e em movimentação. Como era de se esperar, o Valladolid, que ocupava a zona do rebaixamento, marcou com todos os jogadores. Os dez da linha se esforçaram, incluindo os atacantes Manucho e Javi Guerra. Álvaro Rubio foi muito bem no meio-campo, assim como o lateral direito Antonio Rukavina. A atuação coletiva, de um time compacto, foi essencial.

Messi pareceu pouco inspirado e sem movimentação. Comparamos a movimentação do camisa 10 neste sábado com a que ele teve contra o Manchester City, no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões. Não foi um jogo com grande atuação de Messi, mas foi um jogo melhor. E o mapa de calor nas duas figuras abaixo mostra que de fato Messi ficou ainda mais parado contra o Valladolid, apesar dos 80% de posse de bola. Um sintoma que algo está errado.

Movimentação de Messi contra o Valladolid (Dados: Squawka)

Movimentação de Messi contra o Valladolid (Dados: Squawka)

Movimentação de Messi contra o Manchester City, na Liga dos Campeões (Dados: Squawka)

Movimentação de Messi contra o Manchester City, na Liga dos Campeões (Dados: Squawka)

Um dos muitos sintomas, aliás. Não houve alternativa a Xavi até o momento. Não há um centroavante no banco para tentar uma alternativa de jogo. Não há zagueiros no time capazes de serem titulares nos lugares de Piqué e Mascherano, que dirá reservas. O elenco do Barcelona, incrivelmente, tem cobertor curto. E está sendo sentido com cada vez mais força. Nem mesmo Neymar está sendo capaz de ajudar. Um pouco por ser a primeira temporada do camisa 11 no futebol europeu, mas principalmente porque o time é muito travado, com Neymar muito preso a uma região específica do campo. Além de tudo isso, o brasileiro ainda enfrentou uma polêmica enorme envolvendo a sua transferência, que derrubou o presidente do clube. Não é pouca coisa.

O Barcelona tem o desafio de manter o alto nível nos próximos jogos. Terça, o desafio é contra o ótimo time do Manchester City, e os espanhóis têm uma vantagem considerável. Podem administrar o resultado com tranquilidade, mas não poderão cometer as mesmas falhas apresentadas neste sábado. Se o fizer, o Manchester City terá a chance de reverter um resultado que parecia, na ida, ser definitivo para sua eliminação. Será preciso superar o peso da camisa do Barça e a própria falta de experiência, mas considerando o momento do adversário, está longe de ser impossível.

E dia 23 tem clássico com o Real Madrid, pelo Campeonato Espanhol. Os merengues estão um ponto à frente, mas se vencerem o Levante neste domingo em casa, o que é bem provável, a diferença sobe para quatro pontos. Sem falar que o Atlético de Madrid pode ultrapassar o Barcelona por um ponto se vencer o Celta fora de casa. Tata Martino sabe que tem um problema enorme para lidar neste mês.