David Beckham foi um jogador marcante no Reino Unido. Se formou no Manchester United em uma turma que ficou conhecida como a de 92, referência ao ano que subiram ao time principal – o que motivou até mesmo um documentário, chamado de Class of ’92. A carreira de sucesso foi do Manchester United ao Real Madrid, antes de chegar ao Lons Angeles Galaxy e passagens mais curtas por Milan e Paris Saint-Germain. Como tantos grandes jogadores, Beckham ouviu que nunca chegaria tão alto no futebol quando era mais jovem.

LEIA MAIS: Beckham: mais do que um rosto bonito e marketing, um grande jogador

“Aos 12 anos, me disseram que eu nunca jogaria pelo meu país”, disse Beckham. “E isso foi dito para mim por um técnico inglês na época, em um nível mais baixo. Eu estava tentando entrar na escolinha, nas categorias de base, e ele me disse que eu era muito pequeno, não era forte o bastante e ‘você nunca jogará pelo seu país’”, contou o ex-jogador.

“Depois de 30 anos, eu joguei 115 jogos pelo meu país, foi capitão, joguei três Copas do Mundo e tive uma carreira muito boa. Então, a minha mensagem para os jovens talentos por aí é que podem haver dificuldades, mas acredite em si mesmo, se divirta, aproveite você mesmo e ame o jogo”, continuou o lendário jogador inglês.

Beckham é o terceiro jogador que mais vestiu a camisa da Inglaterra, atrás apenas do goleiro Peter Shilton (125 jogos) e Wayne Rooney (119), recém aposentado da seleção. Aos 42 anos, o ex-jogador tenta a vida de dono de clube de futebol: ele é um dos sócios da franquia de Miami que jogará a MLS, embora ainda sem data definida.

LEIA TAMBÉM:
– Como o Manchester United descobriu seis de seus maiores ídolos ainda nas categorias de base
– Roy Keane: “Hoje em dia, Beckham custaria £ 1 bilhão. Giggs? £ 2 bilhões”
– MLS volta a Miami com franquia de David Beckham, mas projeto continua cercado de mistérios