Nada de surpresas no anúncio dos finalistas à Bola de Ouro. Favoritos há tempos, os três que participarão da festa de gala da Fifa são Cristiano Ronaldo, Ribéry e Messi. Cada um com seus trunfos, os craques fazem da disputa desse ano a mais concorrida dos últimos tempos: o português, com o caminhão de gols e as ótimas atuações com o Real Madrid, além do papel decisivo pela seleção; o francês e o protagonismo no Bayern mais vencedor da história; e o argentino, também com seus muitos tentos, bem como com o peso do nome tetracampeão.

A briga acirrada se dá pela fase exuberante de Cristiano Ronaldo e Ribéry, que neste ano já venceu os outros dois adversários na escolha do melhor jogador europeu de 2012/13. E também pela queda de Lionel Messi. Embora os gols tenham vindo em grande quantidade, não foram tantos quanto em 2012, quando bateu o recorde histórico em jogos oficiais. Assim como as lesões atrapalharam uma sequência maior com o Barcelona, humilhado na última Liga dos Campeões. De qualquer forma, em uma votação aberta entre capitães, técnicos e jornalistas, o fato de ter vencido o prêmio nos últimos anos provavelmente o ajudará.

E, ainda que esteja longe de seu auge, Messi continua superando marcas. Depois de ter vencido o prêmio da Fifa pela quarta vez, algo nunca conseguido antes, agora ele ultrapassou Zinedine Zidane em quantidade de indicações à final da disputa – quando a condecoração ainda era desvinculada à France Football. O francês esteve entre os melhores por seis vezes, primeiro colocado em três delas. O camisa 10 do Barça agora conta com sete participações, todas consecutivas a partir de 2007. Já Cristiano Ronaldo iguala Zidane, também indicado desde 2007, mas do pódio em 2010, quando Xavi e Iniesta foram impulsionados pelo título na Copa do Mundo.

Que fique claro, um mero número não é a prova cabal de que Messi foi melhor do que Zidane, assim como não diz que Cristiano Ronaldo se emparelhou ao francês. Afinal, nenhum deles tem as duas finais de Copa no currículo, como Zizou. De qualquer forma, os números servem para indicar que poucas vezes na história do futebol houve um momento tão longo em que dois craques foram tão dominantes como Messi e Ronaldo.

Os finalistas dos prêmios da Fifa em 2013:

Melhor jogador: Cristiano Ronaldo, Lionel Messi e Franck Ribéry
Melhor técnico: Jupp Heynckes, Alex Ferguson e Jürgen Klopp
Melhor jogadora: Abby Wambach, Nadine Angerer e Marta
Prêmio Puskás: Zlatan Ibrahmovic, Neymar e Nemanja Matic