Nunca uma seleção africana havia vencido um jogo de Copa do Mundo, até a Tunísia voltar dos vestiários contra o México, no Gigante de Arroyito, em Rosário, e virar para 3 a 1 na primeira rodada da Copa do Mundo de 1978. Era a estreia em Mundiais do país que retorna ao grande palco do futebol internacional na Rússia. O empate por 0 a 0 com a Líbia, neste sábado, foi o bastante para selar uma campanha classificatória quase impecável.

LEIA MAIS: Marrocos retorna à Copa do Mundo, vinte anos depois de se decepcionar na França

A Tunísia terminou invicta o seu grupo das Eliminatórias Africanas, com quatro vitórias e dois empates. Tinha uma vantagem confortável de três pontos para a República Democrática do Congo. Precisava apenas empatar com a Líbia para se classificar. Foi quase sem sustos. Quase porque os congoleses ficaram à frente contra Guiné, aos 45 minutos do segundo tempo, e acabaram vencendo por 3 a 1. Um gol da Líbia eliminava a Tunísia. Mas este gol nunca veio.

Os tunisianos viraram presença quase obrigatória na Copa do Mundo na virada do século, com três participações seguidas: França, Coreia e Japão e Alemanha. No entanto, bateram na trave das Eliminatórias nas duas últimas tentativas de garantir vaga. Ficaram a um ponto da Nigéria, no grupo final de 2010, e foram eliminados por Camarões no mata-mata que definiu os times que vieram para o Brasil.

O técnico Nabil Maâloul retornou para a campeã africana de 2004, depois de treinar o Kuwait, e deu sequência ao trabalho do polonês Henryk Karsperczak, que teve encerrada sua terceira passagem pela seleção tunisiana em abril deste ano. Na primeira, Karsperczak havia levado o país ao vice-campeonato africano de 1996 e à Copa do Mundo da França. A segunda foi em 2015.

Karsperczak havia deixado a classificação muito bem encaminhada com três vitórias nas três primeiras rodadas. Bastou a Maäloul, ex-auxiliar e técnico principal em 2013, terminar o trabalho com dois empates e um triunfo, sobre a Guiné. Valeu vaga na Rússia, onde a Tunísia tem a missão de mostrar que não participa da Copa do Mundo apenas para fazer figuração. Lembra aquela vitória sobre o México? Foi a única que a seleção conseguiu até agora.