As defesas monstruosas de Lloris e Navas seguraram o empate num ótimo jogo no Bernabéu

O Santiago Bernabéu recebia um dos principais duelos da rodada na Liga dos Campeões. Real Madrid e Tottenham prometiam um embate de peso, entre duas equipes fortes coletivamente, com jogadores capazes de decidir em um lance. E foi o que aconteceu na Espanha, embora o roteiro não tenha sido tão óbvio assim. O bom trabalho defensivo fez a diferença em Chamartín, assim como os dois goleiros, responsáveis por uma coleção de defesas milagrosas no segundo tempo. Keylor Navas e Hugo Lloris acabaram como os protagonistas do bom empate por 1 a 1, que satisfaz os dois times, até pelo tropeço do Borussia Dortmund diante do Apoel. Promessa de outro jogaço para o reencontro em Wembley, com as escolhas táticas devendo ser decisivas.

Nas escalações iniciais, chamou atenção o sistema com cinco defensores escolhido por Mauricio Pochettino para o Tottenham. O treinador confiava em uma dupla de ataque formada por Fernando Llorente e Harry Kane, além de trinca no meio-campo composta por Christian Eriksen, Harry Winks e Moussa Sissoko – sem poder contar com Dele Alli, suspenso. Do outro lado, Zinedine Zidane não inventou moda para o Real Madrid, com seu já tradicional 4-3-1-2. Substituto de Dani Carvajal, o lateral Achraf Hakimi fazia a sua estreia na Liga dos Campeões.

Durante os primeiros minutos, o Tottenham tinha dificuldades para acertar a sua marcação. A pressão toda era do Real Madrid, que se impunha no campo de ataque e encurralava os adversários. O gol quase veio neste momento. Aos três minutos, Cristiano Ronaldo acertou uma cabeçada na trave, enquanto Karim Benzema perdeu o rebote com o gol aberto. Pouco depois, seria a vez de um chute cruzado do camisa 7 passar muito próximo da trave. O ímpeto era todo dos merengues, que encontravam um pouco mais de dificuldades para definir as jogadas.

Após 15 minutos difíceis, o Tottenham se encontrou. Fechava muito bem os espaços em sua defesa, com ótima participação do trio de zaga. Enquanto isso, o ataque começava a aparecer mais. Harry Kane levou perigo pela primeira vez aos 18, completando cobrança de escanteio e parando em grande defesa de Keylor Navas. Os Spurs cresceram diante das dificuldades dos espanhóis em se defender. E o gol saiu aos 28 minutos. Em cruzamento de Serge Aurier pela direita, Kane tentou desviar de letra, mas a bola bateu em Raphael Varane antes de entrar.

O Real Madrid tentou responder depois do gol, seguindo com dificuldades para superar a barreira armada pelo Tottenham. Lloris apareceu para fazer a primeira defesa, negando o gol a Isco. Já o empate aconteceu aos 43, a partir de pênalti cometido por Aurier em Toni Kroos. Na cobrança, Cristiano Ronaldo chutou com firmeza, sem chances para Lloris. Era um banho de água fria sobre os Spurs, que faziam um jogo extremamente centrado e poderiam ter mais sorte na saída para o intervalo.

A partir do segundo tempo, o desgaste das duas equipes começou a ser mais evidente. O Real Madrid seguia controlando a posse de bola no campo de ataque e criando oportunidades, mas sem contar com uma barreira tão sólida do outro lado. Parou em defesas impossíveis de Lloris. A mais impressionante aconteceu aos oito minutos. Benzema estava na pequena área, quando o arqueiro conseguiu operar o milagre poucos metros à sua frente, com a perna esquerda. Logo depois, seria a vez do goleirão negar o segundo a Cristiano Ronaldo, em bomba no canto superior. E o francês ainda buscaria outra bola do português, em meio à blitz que se estendeu por alguns minutos.

O Tottenham voltaria a responder depois dos 25, em boas transições em meio à desatenção defensiva dos merengues. Keylor Navas cresceu. O que parecia um gol perdido por Harry Kane, na verdade, era uma defesa suntuosa com o costarriquenho com a ponta dos dedos. Na sequência, o camisa 1 desviaria uma bomba de Eriksen, antes de Davinson Sánchez (muito bem na noite) cabecear com perigo. Só então os treinadores resolveram lançar mão das alterações. Marco Asensio e Lucas Vázquez davam velocidade ao Real, assim como Danny Rose e Heung-Min Son aos Spurs. Curiosamente, neste momento o jogo caiu de ritmo. As equipes não se arriscaram tanto nos minutos finais, com as defesas prevalecendo.

Ofensivamente, o Real Madrid foi superior. Teve mais de dois terços da posse de bola e criou o dobro de oportunidades. Entretanto, o trabalho defensivo do Tottenham também beirou a excelência, dando pouquíssimas brechas, ainda assim, e vendo Lloris se agigantar. Além disso, a precisão do outro lado pesou e, não fosse Keylor Navas, a sorte seria outra. Ao apito final, aplausos no setor visitante pela apresentação valente dos Spurs, embora o sentimento não fosse tão ruim no restante merengue do público. Fica a deixa para o segundo capítulo da boa partida, que acontecerá em Londres.

A rodada ainda deixa Real Madrid e Tottenham mais próximos da classificação. Ambos somam sete pontos, enquanto o Borussia Dortmund se complicou sozinho com o empate por 1 a 1 na visita ao Apoel. Desta maneira, o embate em Wembley pode ganhar ainda mais importância. A vitória será um passo importantíssimo à liderança. Resta saber qual será o jogo de xadrez entre Zidane e Pochettino, depois de um embate no qual o argentino adaptou o seu time à ocasião e teve sua dose de sucesso.

Confira as escalações e as estatísticas do jogo no Who Scored