Cheio de confiança, Martial esteve imparável contra o CSKA, e recupera as expectativas no United

Uma das maiores novelas na janela de transferências girou em torno de Ivan Perisic. O ponta da Internazionale era bastante cortejado pelo Manchester United, mas os nerazzurri permaneciam irredutíveis sobre o croata.Os dirigentes italianos até aceitavam negociá-lo, em uma pedida alta que exigia dinheiro e a chegada de Anthony Martial. A transação não se concretizou e, depois de uma temporada abaixo das expectativas, José Mourinho deu seu voto de confiança para o francês. E esta parece ter sido a verdadeira pechincha do clube. Martial vai voando baixo nas últimas semanas e destruiu o CSKA Moscou nesta quarta, na goleada por 4 a 1 pela Liga dos Campeões. É a segunda vitória dos ingleses na fase de grupos.

Não é de hoje que Martial dá os seus sinais de recuperação. O garoto de 21 anos possui um potencial inegável, e consegue reencontrar o seu espaço no United . Já tinha feito boas partidas contra West Ham, Swansea e Everton pela Premier League, além de garantir a classificação sobre o Burton na Copa da Liga Inglesa. Mas nada comparado com o show que se viu na visita à Rússia. O camisa 11 participou da construção de todos os gols dos Red Devils, anotando um, dando assistências a outros dois e proporcionando o último através de um rebote.

Romelu Lukaku, mais uma vez, merece os louros. O novo centroavante do United permanece insaciável e balançou as redes duas vezes em Moscou. Graças aos serviços de Martial. Logo aos quatro minutos, após ótimo cruzamento do ponta, o belga cabeceou com firmeza para abrir o placar. O time de José Mourinho fluía com facilidade e ia criando as suas ocasiões de gol. Já o segundo saiu aos 18 minutos. Pênalti sofrido por Henrikh Mkhitaryan e, sem que a cobrança se tornasse uma guerra de egos, os companheiros permitiram que Martial cobrasse. O camisa 11 arrematou com grande frieza, vencendo Igor Akinfeev.

A defesa do CSKA Moscou também facilitou a goleada. Aos 26, Martial fez grande jogada pela esquerda e cruzou. Vasiliy Berezutskiy furou bisonhamente e Lukaku anotou o gol mais fácil de sua carreira. E o jovem francês ia maltratando seus marcadores. Em certo momento da partida, ele chegou a enfileirar três adversários, antes de ser travado pela defesa russa. Era um verdadeiro show, com o Manchester United como um todo jogando muito bem ofensivamente. Já do outro lado, por mais que os anfitriões tentassem chegar vez por outra, David De Gea estava lá para garantir o resultado, com grandes defesas.

Na volta para o segundo tempo, o CSKA até esboçou alguma pressão nos primeiros minutos, mas o United deu o tom da goleada aos 12 minutos. Primeiro, Akinfeev evitou o terceiro de Lukaku em um milagre. Depois, Ander Herrera roubou a bola no campo de ataque e passou para Martial, que fuzilou. Akinfeev fez a defesa parcial, mas Mkhitaryan apareceu para emendar às redes. O armênio, outro que participava bastante, merecia o seu. A partir de então, os Red Devils tiraram o pé do acelerador. Mourinho gastou as suas alterações e tirou Martial aos 27, substituído por Marcus Rashford. No final, a insistência dos russos rendeu ao menos o gol de honra, em chute rasteiro de Konstantin Kuchaev.

Depois de temporadas claudicantes, o Manchester United transmite uma segurança imensa em 2017/18. É um time que não se impõe durante os 90 minutos, mas sabe decidir as partidas – o que não era o padrão em tempos recentes. A dupla formada por Ander Herrera e Nemanja Matic no meio-campo gastou a bola, superando os 200 passes nesta noite. Lukaku não precisou de tempo para se sentir em casa e tem uma presença de área fantástica. Mkhitaryan foi ativo durante os 60 minutos em que esteve em campo, contribuindo demais na ligação. E, acima de tudo, Martial esteve em uma partida infernal. Criou, driblou, fez o seu gol. Retoma as expectativas junto à torcida, fazendo valer todo o investimento feito pelos mancunianos há duas temporadas.