O Atlético de Madrid volta do Azerbaijão com uma dor de cabeça que não esperava

O sorteio pode não ter sido tão bondoso com o Atlético de Madrid, mas possibilitou um grupo acessível na Liga dos Campeões. O Chelsea deveria ser o principal concorrente, apesar da maior tarimba dos colchoneros na competição continental. A Roma, em fase de transição, teoricamente corria por fora. Enquanto isso, o Qarabag não parecia passar do saco de pancadas do grupo. Pois o provável lanterna segurou o empate contra o Atleti e pode complicar a vida do time de Diego Simeone na competição. Nesta quarta, os madrilenos não passaram do 0 a 0 no Azerbaijão. Somando apenas dois pontos, precisarão compensar a própria incompetência nas próximas rodadas.

Simeone tinha os seus problemas desde antes do apito inicial. Koke, sentindo lesão muscular, não entrou em campo. Já Antoine Griezmann, apesar de uma febre, foi para a batalha como titular. A confiança em meias agudos, como Nicolás Gaitán e Yannick Ferreira-Carrasco, não adiantou muito. E, mais à frente, Kevin Gameiro era nulo. Se o Atlético muitas vezes se acomoda em seu marasmo, isso ficou latente no primeiro tempo. Depois dos erros nos primeiros jogos, o Qarabag estava ciente de suas limitações e não dava brechas aos colchoneros. Mais do que isso, os azeris chegaram a dominar a posse de bola com certa tranquilidade, mesmo sem incomodar tanto a defesa rojiblanca. Assim, os visitantes só finalizaram a primeira vez aos 25 minutos. Na reta final da primeira etapa, tiveram duas chances claras no mano a mano, mas o goleiro Ibrahim Selic salvou os anfitriões defesas excelentes.

Durante o segundo tempo, o Atlético de Madrid começou a se impor mais no campo de ataque. Faltava criatividade para conseguir gerar lances de perigo, com o time limitado às jogadas de linha de fundo. Quando conseguiu balançar as redes, Griezmann estava impedido. Simeone também demorou para fazer as suas alterações, diante da inefetividade da equipe. E nem isso adiantou muito, com o Qarabag dando sufoco em momentos esporádicos.

A 15 minutos do fim, os azeris ficaram com um a menos, depois que Dino Ndlovu recebeu o segundo amarelo. A brecha para o gol da vitória dos espanhóis? Não foi o que se viu. Nos raros arremates que deu, o Atleti sequer acertou o alvo. E ainda viram o Qarabag dar um susto nos acréscimos, em contra-ataque que Tarik Elyounoussi bateu por cima da meta de Jan Oblak. Por fim, na última chance dos madrilenos, em falta cobrada para a área, Griezmann mandou para fora. O tropeço terminava de se consumar naquele momento.

O Atlético de Madrid aguarda a sequência do grupo sabendo que a primeira colocação se torna bastante difícil, especialmente se o Chelsea fizer valer o seu favoritismo contra a Roma. Se isto acontecer, a oportunidade dos colchoneros estará no confronto direto com os italianos, que acontecerá na Espanha. A necessidade de vitória cresce bastante. E, especialmente, a necessidade de uma virada nos ânimos, depois de uma atuação tão incipiente. Enquanto o Qarabag comemora o ponto histórico, premiado por sua eficiência, os rojiblancos terão muito a conversar.