Red Bull Salzburg e sua sina: Pela décima vez, austríacos fracassam nas preliminares da Champions

Durante os últimos meses, uma das principais discussões envolvendo a Liga dos Campeões se concentrava sobre a Red Bull. Dois times ligados à empresa se classificaram ao torneio continental, fato inédito até então, mas que poderia ser barrado pelo regulamento da Uefa. A entidade, entretanto, passou um pano sobre a questão. Apesar de todo o seu envolvimento histórico, a companhia austríaca se coloca atualmente apenas como patrocinadora do Red Bull Salzburg. O suficiente para que os cartolas não quisessem se meter no imbróglio e autorizassem a participação de ambos. Todavia, ninguém precisava se preocupar tanto. Porque mais preponderante que o jogo de bastidores é a incompetência do Red Bull Salzburg na Champions.

Por mais que se assuma como um projeto de ambições além das fronteiras nacionais, o clube austríaco se acostumou a fracassar de maneira retumbante na principal copa continental. Pela décima vez nos últimos 12 anos, os Touros Vermelhos figuraram na Champions. Pela décima vez nos últimos 12 anos, acabaram eliminados nas preliminares. O crime já tinha se desenhado desde o jogo de ida, quando o empate por 1 a 1 na Red Bull Arena dava boa vantagem ao Rijeka. E a sina do Salzburg se cumpriu na visita à Croácia. O empate por 0 a 0 valeu para que os alviazuis avançassem à última fase preliminar da Liga dos Campeões logo em sua segunda participação no torneio. Vale dizer, contudo, que os visitantes tiveram um gol legal anulado pela arbitragem, anotado por Paulo Miranda – aquele, ex-jogador de Palmeiras e São Paulo.

Em suas primeiras aparições na Champions, o Red Bull Salzburg caiu para Valencia e Shakhtar Donetsk. Eliminações minimamente “honrosas”, considerando o peso dos adversários. Mas, a partir de então, os austríacos não economizaram no tamanho do vexame. Desde 2009/10, o maior algoz dos Touros Vermelhos foi o Fenerbahçe. A lista se engrossa com Malmö (duas vezes), Dinamo Zagreb, Maccabi Haifa e Hapoel Tel-Aviv. Já o pior momento veio em 2012/13, quando os luxemburgueses do Dudelange se responsabilizaram pelo adeus do Salzburg.

Se serve de consolo, a matriz da Red Bull no futebol tem desempenhos decentes na Liga Europa, indo para a última fase preliminar com esta eliminação. O histórico não é tão espetacular ou imune aos vexames, mas a equipe ao menos já figurou por seis vezes na fase de grupos e avançou aos mata-matas em quatro oportunidades. O melhor desempenho aconteceu em 2013/14, quando o Salzburg somou 18 pontos na fase de grupos e defenestrou o Ajax nos 16-avos de final, com direito a gol do meio de campo do artilheiro Jonathan Soriano, antes da eliminação nas oitavas para o Basel.

Desde a ascensão do RB Leipzig na Alemanha, já está clara qual será a prioridade da Red Bull nos próximos anos. Alguns destaques do time austríaco têm se transferido ao alemão. Naby Keïta foi o melhor exemplo desta política na última temporada, acompanhado por outros jogadores, como Bernardo e Dayot Upamecano. Pelo menos por aquilo que apresentou na Bundesliga, o RasenballSport é candidato a brigar pela classificação na fase de grupos, embora deva enfrentar um grupo difícil, considerando que compõe o Pote 4 do sorteio. Pelo menos já superou a sina de seus irmãos austríacos, fadados a seguir no segundo plano.

Nas outras partidas

A grande surpresa da rodada da Champions foi o Young Boys. Os suíços eliminaram o Dynamo Kiev com a vitória por 2 a 0. De resto, nenhuma grande zebra. Slavia Praga (contra o Bate Borisov), Steaua Bucareste (enfiando 4 a 1 no Viktoria Plzen), Hapoel Beer Sheva (diante do Ludogorets) e Astana (aguentando a pressão do Legia Varsóvia) buscaram a classificação fora de casa. Já o Celtic derrubou o Rosenborg na Noruega, com um lindo gol de James Forrest, após o empate sem gols em Parkhead.

Istanbul Basaksehir e Qarabag são os únicos clubes que chegam pela primeira vez nos playoffs de qualificação da Liga dos Campeões. Além dos citados, também avançaram à próxima fase Apoel Nicósia, CSKA Moscou, Copenhague, Maribor, Nice e Olympiacos.