Torcida do Bayern atira notas falsas em protesto ao preço dos ingressos no setor visitante

Ao longo dos últimos dias, a torcida do Bayern de Munique já havia manifestado a sua insatisfação com o preço dos ingressos na visita ao Anderlecht, pela Liga dos Campeões. O clube belga cobrou €100 por bilhete no setor visitante, um valor exorbitante, por mais que a própria agremiação alemã tenha subsidiado €30. Discutiu-se até mesmo um boicote massivo ao confronto. Os torcedores bávaros, no entanto, decidiram pegar a estrada e seguir até a Bélgica. Mas não se calaram. Os protestos foram contínuos ao longo do confronto no Estádio Constant Vanden Stock, que terminou com a vitória (a muito custo) do time de Jupp Heynckes por 2 a 1.

A cena mais marcante aconteceu ainda no primeiro tempo, antes de uma cobrança de escanteio dos belgas, quando notas falsas de dinheiro foram atiradas dentro do campo e o auxiliar de arbitragem precisou tirá-las do gramado. Além disso, diversas faixas pontuavam a insatisfação dos germânicos. “Foda-se Anderlecht! Foda-se Uefa!”, “O artigo 19 da Uefa diz que o preço dos ingressos para a torcida visitante não deve exceder o preço comparável aos mandantes, mas o papel em que suas regras estão escritas não vale um centavo!” e “Você finalmente satisfez sua ganância?” eram algumas das faixas erguidas nas arquibancadas. Também havia um desenho, de dois dirigentes espremendo um torcedor para tirar suas moedas.

Já em nota oficial, os ultras do Bayern classificaram como “completamente inapropriado” o valor das entradas, declarando que ele está acima até mesmo dos altos preços praticados na Champions, determinando “uma nova dimensão na fase de grupos”. Além disso, apontaram que o subsídio do Bayern não pode se manter por longo prazo e elogiaram a postura do clube em relação aos visitantes na Allianz Arena, cobrando preços exemplares.

“Esse tipo de protesto é a única maneira de informar a Uefa, em sua torre de mármore, que os salários dos dirigentes não representam o quanto ganha o torcedor médio”, escreveram. “O apoio dos torcedores visitantes que sempre viajam de um canto a outro da Europa por seus times é, em nosso entendimento, uma parte importante da cultura do futebol. Esperamos que os responsáveis pelas decisões no futebol, especialmente a Uefa, não apenas imprimam ‘Respeito’ aos fãs nas placas, mas sigam as suas palavras”.

Dentro de campo, porém, a torcida do Bayern teve outros motivos para se preocupar. O time fez o seu pior jogo desde o retorno de Jupp Heynckes, e deu sorte de não ter fechado o primeiro tempo perdendo. O Anderlecht teve três chances claríssimas com Lukasz Teodorczyk, duas delas salvas por Sven Ulreich. Sem Mats Hummels e Javi Martínez, faltava proteção aos bávaros. Além disso, o ataque era nulo, mal ameaçando a meta adversária. E para piorar, entre o final do primeiro tempo e o início do segundo, Thiago Alcântara e Arjen Robben saíram de campo lesionados.

O primeiro gol do Bayern aconteceu aos seis minutos da segunda etapa, em boa trama coletiva. James Rodríguez preparou a jogada, Corentin Tolisso cruzou e Robert Lewandowski ficou com a meta vazia para completar. O Anderlecht, ainda assim, buscou o empate. Em um rombo na defesa, Lukasz Teodorczyk ajeitou para Sofiane Hanni fuzilar. Nos 25 minutos finais, contudo, os bávaros iniciaram uma pressão e asseguraram a vitória aos 32. Mais um cruzamento providencial de Joshua Kimmich, que Tolisso se antecipou à defesa para cabecear às redes.

Classificado, o Bayern vai para a definição da liderança na última rodada. E muito mais econômico que o Paris Saint-Germain no saldo de gols, precisará ir além dos 3 a 0 sofridos no Parc des Princes, goleando por quatro ou mais gols de diferença na Allianz Arena para assumir o topo do Grupo B. Já o Anderlecht ainda tem chances de ir à Liga Europa, mas precisaria bater o Celtic por 3 a 0 em Parkhead.