Nas casas de apostas, Brasil só perde para Alemanha em favoritismo à Copa de 2018

Uma vivência profunda (medo, susto, perda etc.) que pode ocasionar sentimentos ou comportamentos desordenados e perturbações neuróticas posteriores; traumatismo. Essa é a definição da palavra “trauma”, de acordo com o dicionário Michaelis. E é exatamente esse sentimento que eu e talvez você sintamos quando nos lembramos de cinco palavrinhas que, juntas, nos fazem reviver uma das situações mais complicadas que um amante do futebol brasileiro pode se recordar: semifinal de Copa do Mundo.

Calma, eu sei! Ainda estamos bem distantes do próximo mundial de seleções organizado pela Fifa, que acontecerá apenas na metade de 2018, na Rússia. Mas, e se já dermos uma olhadinha em como estão as apostas e, consequentemente, o moral das seleções mundo afora? Garanto que alguns números podem surpreender o amigo leitor – assim como surpreenderam a mim.

Sem grandes mistérios, vamos logo dar início ao prognóstico com a nossa seleção brasileira. O Oddsshark.com/br aponta que, se a Copa do Mundo de futebol começasse hoje, o time comandado pelo técnico Tite seria o segundo maior favorito a levantar o caneco. Isso mesmo, um investimento em Neymar, Gabriel Jesus, Coutinho e companhia geraria um retorno financeiro de R$ 8,50 por cada real apostado. Esse número só é menor do que aquilo que é pago para um possível triunfo da Alemanha, atual campeã mundial.

Mas esse maior otimismo tem uma explicação. A seleção canarinho evoluiu demais desde a saída de Dunga e a chegada de Tite. Sob o comando do ex-corintiano, o Brasil não perdeu nem empatou sequer uma partida. Em seis jogos à frente da seleção, são seis vitórias, 17 gols marcados e apenas um sofrido. E esse bom retrospecto inclui triunfos diante de seleções do calibre de Argentina em casa (3 a 0) e Colômbia fora (2 a 1), além de partidas complicadas como encarar o Equador na altitude de Quito e sair vencedor com autoridade.

Outras informações também corroboram o atual bom momento que atravessa a seleção brasileira e nos dão motivos para não entrarmos em pânico na próxima Copa. O time de Tite deixou a sexta colocação para assumir a liderança isolada das Eliminatórias da América do Sul – com cinco pontos de vantagem para o vice Uruguai – e no ranking da Fifa (que não é aquela maravilha, mas podemos tomar como parâmetro neste caso) somos o segundo melhor, perdendo apenas para a Argentina e, pasmem, à frente da Alemanha (mais dedos feridos).

Ainda segundo o Oddsshark.com/br, o gigante europeu que conquistou o seu tetracampeonato no Brasil (não me obrigue a escrever o nome deles novamente) é o principal favorito atualmente. Um investimento na equipe que lidera com folgas o Grupo C das Eliminatórias europeias sem perder um ponto até aqui traria um retorno de apenas R$ 5,75 por real investido.

Outros candidatos

Mas vamos virar a página e partir para outros odds interessantes de se analisar. E um deles está no nosso vizinho, a Argentina. Mesmo sendo a quinta colocada nas Eliminatórias – o que faria com que os hermanos tivessem que disputar a repescagem -, a equipe de Messi, Di Maria e companhia aparece com a terceira menor taxa de retorno, com R$ 8,75. E isso mesmo sem conquistar nada há 24 anos (que soe a corneta).

Aproveito também para destacar outras duas seleções que correm – bastante – por fora. São as duas últimas campeãs dos torneios continentais mais disputados do mundo. Na América do Sul, a Copa Centenário consagrou mais uma vez o Chile, que já havia vencido no ano passado. O problema dos chilenos é que sua geração de ótimos jogadores como Vidal, Alexis Sánchez, Valdivia e outros parece estar encerrando o ciclo. Com isso, eles vêm tendo dificuldades nas Eliminatórias e apenas na última rodada entraram na zona de classificação para a Copa de 2018.

Sem estar garantido ainda no Mundial, o Chile aparece apenas na 13ª colocação entre os favoritos a conquistar o título segundo os odds do Oddshark.com/br. Três posições acima está Portugal que, liderado por Cristiano Ronaldo, conquistou a Eurocopa pela primeira vez neste ano. Acontece que o craque do Real Madrid já terá 33 anos na próxima Copa do Mundo e ele pode até disputar seu último Mundial – isso, claro, se Portugal se classificar. Ainda assim, vale ficar de olho na boa safra de atletas que surge liderados por Renato Sanches. Cada real investido nos portugueses pode render R$ 27,25.

Confira o top 20 das odds para a Copa do Mundo de 2018:

Alemanha – 5.75
Brasil – 8.50
Argentina – 8.75
França – 9.25
Espanha – 9.50
Bélgica – 16.00
Itália – 16.25
Inglaterra – 18.50
Holanda – 22.75
Portugal – 27.25
Rússia – 27.75
Colômbia – 28.00
Chile – 32.75
Uruguai – 35.75
Croácia – 42.25
México – 70.50
Polônia – 75.00
Suíça – 81.00
Ucrânia – 91.00
Estados Unidos – 93.75