Em noite dos goleiros, Atlético-PR e Chapecoense ficam no empate sem gols pela Copa do Brasil

Não foi um duelo daqueles de se encher os olhos do torcedor, principalmente no primeiro tempo. O nível técnico que Atlético-PR e Chapecoense apresentaram na última quarta-feira (21) não foi dos melhores. Quando os times conseguiam finalizar em gol paravam no bom desempenho dos dois goleiros, especialmente Weverton. O arqueiro do Furacão apareceu demais na segunda etapa e salvou o time de Curitiba de uma derrota em seus domínios. No final, a partida válida pela terceira rodada da Copa do Brasil 2016 ficou sem gols: 0 a 0 na Arena da Baixada.

Não foi o desempenho que os mais de vinte mil pagantes esperavam – muito longe disso. Após um primeiro tempo bem sonolento, o Atlético foi dominado e chegou a sofrer pressão em alguns momentos na segunda etapa. O Furacão não saiu derrotado da Arena da Baixada pela ótima atuação do goleiro Weverton: foram pelo menos quatro intervenções importantíssimas para manter a igualdade no marcador.

Do lado visitante ficou aquele gostinho de que o time poderia ter encaminhado a classificação já em Curitiba. Apesar de ter tido menos posse de bola (55 a 45%), a Chape foi muito incisiva quando explorava as falhas da defesa atleticana nos contra-ataques. Foram 14 finalizações dos alviverdes contra 10 dos alvinegros.

Quem investiu no empate em Curitiba se deu muito bem! Segundo o oddsshark.com/br, a igualdade pagou R$ 3,60 para cada real investido. Em teoria favorito, por jogar em casa, um triunfo do Atlético-PR pagaria R$ 1,60 para um. Já uma vitória dos visitantes, que por pouco não aconteceu, renderia incríveis R$ 5,90 a cada real!

Mesmo sem o sonhado gol fora de casa, a Chapecoense vai decidir em Chapecó uma vaga nas oitavas da competição. Uma vitória simples na próxima quarta-feira (27) garante a continuação da Chape na Copa do Brasil. O Atlético entrará na Arena Condá precisando de qualquer vitória, além de empates com gols. Se o 0 a 0 persistir em Santa Catarina, a disputa será nos pênaltis.

Mas antes do jogo da volta acontecer as duas equipes retornam a campo no próximo domingo (24) pelo Campeonato Brasileiro. Ambas jogam em casa e recebem adversários cariocas às 16h: o Atlético recebe o Fluminense e a Chapecoense encara o Botafogo em Santa Catarina.

Primeiro tempo sem grandes emoções

O Furacão começou o duelo esboçando uma pressão inicial, mas sem muita qualidade técnica. Atuando no clássico 4-3-3, o time da casa iniciou a partida no ataque com Juninho aberto na esquerda e Pablo na direita, ambos cortando para dentro e abastecendo Walter centralizado.

O esquema em princípio não deu resultado, pois faltava aquela peça de criação pelo meio para levar a bola com qualidade da defesa para o ataque.

Com uma marcação mais adiantada, a Chapecoense anulou os pontos fortes do Atlético e esfriou o jogo. Os visitantes giravam a bola já no campo de ataque, mas sem muita iniciativa. A junção desses dois fatores deixou o jogo bem sonolento em alguns momentos do primeiro tempo.

A primeira chance de perigo veio apenas aos 20 da etapa inicial, e foi da equipe visitante. O atacante Martinuccio, ex-Fluminense e Cruzeiro, recebeu passe na frente da grande área e encarou os defensores do Furacão. No melhor estilo da raça argentina ele ganhou a disputa de bola e saiu na cara do gol, mas o goleiro Weverton saiu e abafou a possível finalização do atacante da Chape.

O Atlético acertou o posicionamento e foi melhor nos minutos finais da primeira etapa. O Furacão criou algumas chances de perigo – principalmente explorando as costas do lateral Sérgio Manoel. A primeira delas com Walter: ele recebeu bom cruzamento da esquerda e chutou por cima do gol. Vinícius e Hernani também tentaram, mas pararam nas boas defesas de Danilo. O goleiro da Chape garantiu a igualdade no fim da primeira etapa.

Weverton salva a derrota do Furacão

O Atlético-PR até começou melhor a segunda etapa, mas aos poucos viu o rival de Chapecó tomar conta das ações. A Chape ganhou o meio campo e foi melhor em boa parte do segundo tempo. Quando partia para o ataque, levava perigo ao gol de Weverton. A primeira grande defesa do camisa 1 do Furacão veio aos 14 minutos: ele saiu nos pés de Josimar e bloqueou a finalização do volante.

Minutos mais tarde, a Chapecoense teve a grande chance da partida com Bruno Rangel. O atacante recebeu bom cruzamento da esquerda e ganhou na disputa com o zagueiro Paulo André pelo alto. O camisa 9 teve tudo para abrir o placar na Arena da Baixada, mas cabeceou a bola por cima do travessão.

A Chape sentiu o bom momento no duelo e foi para cima, obrigando Weverton a trabalhar bastante. Foram pelo menos três boas defesas em sequência. Uma delas, inclusive, com o rosto – abafando a chegada de Hyoran pela esquerda.

O Furacão ainda teve uma última chance de sair com a vitória – aos 44 do segundo tempo – com Andre Lima. O camisa 99 deslizou na pequena área e, com o braço direito, mandou a bola cruzada da direita na trave esquerda de Danilo. O árbitro marcou a infração, mas não deu cartão amarelo ao atacante. Fim de jogo em Curitiba! Atlético-PR e Chapecoense não saem do 0 a 0 e vão decidir a classificação em Chapecó.