Investidores dão favoritismo ao Brasil em decisão contra a Alemanha

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 entram nos últimos dias com um dos embates mais aguardados desta edição e que promete parar a cidade do Rio de Janeiro neste sábado (20). Brasil e Alemanha se enfrentam a partir das 17h30, no estádio do Maracanã, em busca do ouro olímpico no futebol masculino.

Quando vemos Brasil e Alemanha frente a frente, é impossível não voltar ao ano de 2014 e abordar a semifinal da Copa do Mundo, quando os europeus humilharam os brasileiros, com uma sonora goleada de 7 a 1, no Mineirão. O placar elástico foi um grande passo para a conquista do tetracampeonato alemão, que viria no jogo seguinte, contra a Argentina, com um gol na prorrogação. Se para o Brasil o duelo tem sabor especial de vingança, para os alemães o confronto é mais uma chance de derrotar os anfitriões e ganhar o segundo título consecutivo no Maracanã, considerado o templo do futebol.

Fora de campo, a final é uma ótima oportunidade para os investidores do OddsShark.com/br testarem seus conhecimentos e conseguir rendimentos através dos investimentos, seja em vitória para um dos lados ou empate. Com o ataque funcionando e, principalmente, contando com a boa fase de Neymar, a Seleção Brasileira leva um ligeiro favoritismo, pagando R$ 2,08. Já os alemães estão cotados a R$ 3,59 para cada real, o que significa que, em caso de vitória, o lucro será superior a 250%. Uma igualdade é avaliada em R$ 3,40.

Depois de um início sonolento, com dois empates em 0 a 0, contra África do Sul e Iraque, o Brasil engrenou na competição. A mudança da postura da equipe começou no embate contra a Dinamarca, quando o trio Gabigol, Gabriel Jesus e Neymar teve atuação perfeita, alternando boas jogadas individuais e coletivas e gols na goleada por 4 a 0. Apesar do protagonismo deles, a entrada de outros dois atletas mexeu e melhorou acintosamente o time.

Na vaga de Felipe Anderson, Luan passou a jogar como meia e rapidamente deu conta do recado. Já Wallace tornou-se o primeiro volante de que a equipe de Rogério Micale necessitava, com uma saída de bola rápida, bom passe e precisa marcação. Nas quartas de final, o Brasil bateu a Colômbia por 2 a 0, em uma partida eficiente. Porém, foi no duelo com Honduras, válido pela semifinal, em um Maracanã lotado, que a Seleção deu show e pareceu ter recuperado a confiança. O Brasil deitou e rolou com 6 a 0, com Neymar e Gabriel Jesus inspirados (dois gols cada).

Se o ataque brasileiro vai bem, obrigado, a defesa terá sua prova de fogo. Ainda sem tomar um gol sequer na competição, o setor defensivo formado pelos laterais Zeca e Douglas Santos, os zagueiros Rodrigo Caio e Marquinhos, além do goleiro Weverton, enfrentará o melhor ataque da competição. A equipe do treinador Horst Hrubesch anotou até o momento 21 gols (2 a 2 com México, 3 a 3 com a Coreia do Sul, 10 a 0 sobre Fiji, 4 a 0 sobre Portugal e 2 a 0 sobre a Nigéria). Buscando a sua segunda medalha de ouro – a primeira veio nos Jogos de Montreal, em 1976, com a Alemanha Oriental –, os alemães prometem manter o jogo ofensivo contra os anfitriões e os mais de 60 mil torcedores que estarão presentes no Maracanã. Artilheiro da competição com seis gols, o meia Serge Gnabry, do Arsenal, é o destaque europeu e responsável pelas principais jogadas e finalizações da equipe. Outro jogador que merece atenção é o zagueiro Matthias Ginter, campeão mundial pela seleção alemã há dois anos.

Com histórico olímpico vencedor, Nigéria busca o bronze contra a surpreendente Honduras

De um lado, uma seleção localizada na África, acostumada a produzir bons jogadores e medalhista de ouro e prata na modalidade. Do outro, um pequeno país de oito milhões de habitantes na América Central, tentando derrubar tabus e se firmar no futebol mundial. É essa a história da disputa pela medalha de bronze entre a campeã olímpica Nigéria e a surpreendente Honduras, que acontece neste sábado (20), às 13h, no Mineirão.

Considerado a zebra da competição, Honduras já mostrou que pode derrubar probabilidades. Os caribenhos, que vivem a expectativa de conquistar a primeira medalha olímpica em toda sua participação nos Jogos, despacharam a Argentina na primeira fase, bateram a Coreia do Sul nas quartas e só sucumbiram diante do todo poderoso Brasil. Apesar da alta cotação e risco no OddsShark.com/br, avaliados em R$ 5,01, é bom abrir o olho e pensar duas vezes antes de duvidar de uma conquista hondurenha.

Já a Nigéria, primeira colocada de seu grupo, passou pela Dinamarca nas quartas de final, porém saiu derrotada pela Alemanha no confronto seguinte. Com o experiente Obi Mikel, do Chelsea, liderando a equipe, os africanos são favoritos, tendo a cotação de R$ 1,56 para cada real investido. Eles tentam o primeiro bronze no futebol. Antes, os africanos foram ouro em Atlanta 1996 e prata em Pequim 2008. Já uma igualdade entre os países no placar, que levará o duelo para as penalidades, paga R$ 3,41.