No fim do Espanhol, se Real Madrid levantar o caneco, investidor ficará com 48% de lucro

Por Onofre Síncope

Razão e emoção. No meio, uma balança. Como avaliar o que é certo ou errado antes de um fato acontecer? Bom, no que diz respeito à arte das apostas, ainda mais no mérito em que vamos entrar – prever o campeão espanhol da temporada 2016-2017 –, a consulta aos prognósticos é um dos melhores caminhos. Não deixe se deixe levar pela empolgação. Ao longo do texto, você vai entender por que a escolha do Real Madrid como palpite fará você ter o retorno de 48% nos lucros, de acordo com o Oddsshark.com/br.

Meu caro Ricardo Jonas, querido amigo, é sério isso? Ainda não vou contar o caminho que meu nobre colega indicou. Eu sei que é bem diferente do solo fértil que apresentarei como caminho para fazê-lo faturar. Vamos analisar a disputa até o momento. O campeonato fez uma pausa na décima sexta rodada, em função das festas de fim de ano, com o Real na ponta da tabela e três pontos de diferença para o arquirrival, Barcelona.

Detalhe: os madridistas têm um jogo a menos, pois tiveram que ir ao Japão disputar o Mundial de Clubes, do qual sagraram-se campeões. E a diferença só tende a aumentar, pois, na primeira rodada de 2017, os merengues pegam o Granada, na capital espanhola, enquanto Barça e Sevilla, equipes com maiores chances de disputar o título, jogam, fora de casa, contra Villarreal e Real Sociedad, respectivamente.

Mas, meu caro Ricardinho, por que você acha que o Madrid terá uma queda vertiginosa, a ponto de o Barcelona – que cumpre uma temporada, até certo ponto irregular para os padrões blaugranas – conquistar o tricampeonato? Vamos aos fatos. O Real vive uma de suas melhores fases em toda a história. O time comandado por Zinédine Zidane chegou à maior série invicta da história do clube, feito que nem o esquadrão de Di Stéfano, Puskas e Gento alcançou.

Além disso, os merengues são os atuais vencedores da Liga dos Campeões, sem falar no Mundial. E quando a fase é boa, eis que surge o “vingador” Sergio Ramos, o homem dos gols salvadores. Deu sufoco, o zagueirão resolve. Foi assim contra o Barça, no último Superclássico, quando decretou o empate, em pleno Camp Nou, no fim do jogo. Da mesma maneira, ele foi o principal responsável pelo penúltimo título da Champions League, na temporada 2013-2014, contra o Atlético Madrid, também derrotado na última decisão, que marcou a posse da “undécima”, que nada mais é do que a décima primeira “Orelhuda” dos Blancos.  

Então, amigos, alguém confia mesmo em um desmoronamento dos madridistas? E se pegarmos um balanço dos dados, é muito difícil, atualmente, um clube conquistar a Champions duas vezes consecutivas. Logo, eu realmente não confio que o Real irá quebrar esta escrita, tendo o caminho livre para se dedicar, ainda mais, ao Campeonato Espanhol.

Outros candidatos

Agora, se você acha que estou falando abobrinha atrás de abobrinha, tens todo o direito de discordar de mim. Então, a minha obrigação é apontar os ganhos que podes vir a ter com os clubes com algum potencial para desbancar o gigante do Santiago Bernabéu. Obviamente, o primeiro dele é o Barça. Aliás, todo mundo sabe que a La Liga é polarizada entre os dois. Salvo raras exceções, o Atlético de Madrid se enfia no meio da dupla, anos atrás o intruso foi o Valencia e até o Deportivo de La Coruña fez a festa, em 2002. Mas, com Real Madrid e Barcelona contando com os melhores jogadores do mundo e ganhando dinheiro como nunca, a tendência é que os penetras sejam sempre barrados no baile.

Porém, fique sabendo que os catalães, sempre liderados pelo trio MSN, trazem a cotação de R$ 2,68 por R$ 1, segundo o Oddsshark.com/br, caso sagrem-se tricampeões espanhóis. Na sequência, temos o atual terceiro colocado na tabela, o bom time do Sevilla, treinado pelo competente Jorge Sampaoli. É aquela equipe simpática, esforçada, que a gente gosta de torcer como forma de emular um duelo entre Davi e Golias – mas não será desta vez. O negócio da representação da Andaluzia é conquistar a Liga Europa – são cinco taças levantadas ao longo da história. O pagamento sobre a representação de Paulo Henrique Ganso, caso surpreenda o mundo e fature a La Liga, é de R$ 90,20.

Rebaixamento

No caso dos rebaixados, sou obrigado a concordar com o Ricardinho. Osasuna e Granada dificilmente se salvam, quando o palpite certeiro na queda de ambos vale R$ 1,06/R$ 1, para o primeiro, e R$ 1,14/R$ 1, no caso do segundo. Só discordo com relação ao último clube degolado. Eu cravo o Leganés, que pode render aos investidores R$ 4,33/R$ 1, de acordo com o Oddsshark.com/br.