A Chapecoense estava no Japão, no meio da semana, depois de sua turnê pelo exterior, que envolveu a disputa da Copa Suruga e amistosos contra Barcelona e Lyon. Voltou ao Brasil na quinta-feira, com jogadores desgastados pelas viagens, lidando com fuso horário e com a pressão de estar na zona de rebaixamento, sem vencer pelo Brasileirão há três rodadas. Mesmo assim, superou todas as adversidades para vencer o atual campeão brasileiro Palmeiras, fora de casa, por 2 a 0.

LEIA MAIS: Faltou calma ao Corinthians para lidar com uma rara situação adversa no Brasileirão

A Chapecoense estava visivelmente cansada e, mesmo em condições normais, a tendência seria deixar a bola com o Palmeiras e reagir. Foi o que aconteceu, mas os donos da casa, mesmo com dois meias talentosos como Moisés e Guerra, não conseguiram controlar a partida e criar boas chances de gol. O ataque alviverde foi um gigantesco nada até os minutos finais, quando houve um abafa, cobrando escanteios e jogando bola na área, a única arma desta segunda passagem de Cuca pela Barra Funda.

E os erros defensivos continuam tão graves quanto antes de o treinador ter uma semana inteira para treinar, como ele tanto pedia. A Chapecoense marcou em uma cobrança de falta lançada na segunda trave, que Fabricio Bruno completou, nas costas de Luan.

O Palmeiras voltou em cima da Chapecoense, mas, novamente, pouco criou. A melhor chance antes do bumba-meu-boi dos minutos finais foi em erro de Apodi. A bola sobrou para Keno, que, livre e dentro da área, mandou para fora. O lateral poderia ter feito o segundo da Chape, aproveitando uma interceptação errada de Michel Bastos, mas parou em Fernando Prass.

Em duas jogadas de escanteio, o Palmeiras criou suas melhores chances para empatar. Jandrei defendeu uma cabeçada à queima-roupa de Deyverson, e Moisés achou Borja, na entrada da pequena área, mas o atacante colombiano mandou para fora. Encarando uma defesa desorganizada e aberta, a Chapecoense ampliou, no último lance da partida: Túlio de Melo recebeu por cima, livre, e encheu o pé para vencer Prass.

O Palmeiras teve mais uma atuação horrível neste ano, mas a Chapecoense não tem nada a ver com isso. Cansada e em situação difícil no Campeonato Brasileiro, conseguiu se segurar contra um dos melhores elencos do Brasil – pelo menos muito melhor que o seu – e saiu de São Paulo com três pontos muito importantes na briga contra o rebaixamento.