O Chelsea precisou esperar seis meses, mas, nos primeiros dias da janela de inverno, concretizou a transferência do meia Ross Barkley. A demora acabou sendo boa para o clube londrino, que desembolsou £ 15 milhões pelo negócio, menos da metade do que o jogador do Everton custava em agosto. Barkley, 24 anos, não atua desde maio e recebe, em Stamford Bridge, a oportunidade de reiniciar a sua carreira.

LEIA MAIS: Courtois: “Hazard e eu queremos viver nossos auges juntos no Chelsea”

Formado nas categorias de base do Everton, Barkley estreou em 2011 com a camisa azul. Sempre detentor de um grande potencial, sua melhor temporada foi em 2015/16, quando contribuiu com 12 gols e 11 assistências para a boa temporada do seu clube, apenas 11º colocado na Premier League, mas semifinalista das duas copas inglesas. Ronald Koeman assumiu o posto de Roberto Martínez, e o futebol de Barkley não teve mais a mesma regularidade.

A abordagem de Koeman não funcionou. O técnico holandês cobrava Barkley publicamente quando não estava satisfeito com o seu desempenho. Colocou-o na reserva em algumas partidas e, para completar, comentava sobre possíveis transferências para a posição do jovem inglês, como a de Rooney. Barkley fez 39 jogos sob o comando de Koeman, com seis gols e oito assistências. A última vez que entrou em campo foi em 21 de maio do ano passado, contra o Arsenal.

E, então, duas coisas aconteceram. Barkley entrou no último ano do seu contrato e se recusou a renová-lo. Koeman não gostou e disse com todas as palavras que o jogador deixaria o clube durante a última janela de transferências. Na pré-temporada, Barkley ainda sofreu uma lesão na coxa e precisou passar por uma cirurgia que o deixaria afastado por três meses. Diante das declarações do técnico, provavelmente não ganharia muitas chances mesmo se estivesse em forma. Apesar da saída do holandês, e da chegada de Sam Allardyce, Barkley ainda não entrou em campo nesta temporada.

Ele ficou muito próximo de deixar Goodison Park no último dia de agosto. O Chelsea acertou uma verba de £ 35 milhões pelo jogador, que passou por exames médicos em Stamford Bridge, mas mudou de ideia no último minuto. Também havia o interesse do Tottenham. De acordo com Farhad Moshiri, acionista majoritário do clube azul de Liverpool, Barkley desistiu porque queria considerar suas opções com mais calma em janeiro. Uma decisão que acabou custando £ 20 milhões para o Everton.

Sem ter nada a ver com isso, o Chelsea precisou esperar seis meses pelo jogador, mas conseguiu uma pechincha. Por apenas £ 15 milhões, contrata um atleta talentoso, nível de seleção inglesa, e com muita vontade de mostrar que ainda pode ser o que se esperava dele. Antonio Conte ganha mais opções para escalar e rodar a sua equipe, depois de trazer Drinkwater, Bakayoko, Rüdiger e Zappacosta no começo da temporada, além de Morata, com mais status de titular. O único alvo dessa prateleira que realmente escapou foi Alex Oxlade-Chamberlain, jogador do Liverpool.

“Estou muito feliz, estou ansioso e realmente animado para começar. Ganhar um novo começo em um clube como o Chelsea é inacreditável para mim. Estou ansioso para continuar onde parei no final da última temporada e espero melhorar e começar a marcar mais gols”, disse o jogador, ao site do clube. Conte pediu paciência: “Estamos falando de um jogador inglês, um jovem jogador. Com certeza ele é uma boa promessa para o Chelsea. Mas não podemos esquecer que ele teve uma lesão, passou por cirurgia, não joga há sete meses. Precisamos ter muita paciência.”

Barkley ajuda o Chelsea também no número de jogadores formados na Inglaterra, critério de inscrição para competições europeias. Pode atuar como meia próximo do centroavante ou até mesmo mais recuado. É uma contratação útil, com um bom potencial e bem barata diante dos números malucos do atual mercado de transferência.