Não é tão difícil ver jogadores sul-americanos brilhando em campos aztecas. Principalmente no setor ofensivo. É até mais comum que estrangeiros se destaquem do que os próprios atletas mexicanos. Como exemplo, dos 35 vencedores do prêmio de artilharia da Liga MX no século XXI, apenas quatro eram nascidos no país. Argentinos e uruguaios tradicionalmente dominam essa lista, mas chilenos, brasileiros, colombianos e peruanos vez ou outra encontram um espaço para brilhar. Contudo, quem vem se aproveitando desse espaço com mais afinco, entretanto, é o Equador. Um destaque que, a julgar pela lista de artilheiros do Clausura, tem tudo para aumentar.

Enner Valencia, trazido pelo Pachuca do Emelec, marcou sete vezes em dez partidas e lidera a lista de goleadores da elite. “Súperman” vem sendo o grande responsável pela boa campanha que mantém os Tuzos na terceira colocação após anos de campanhas frustrantes aliadas a altos investimentos em atletas experientes, caros e pouco efetivos.

Com um gol a menos na lista, seu compatriota Michael Arroyo tem uma missão mais ingrata. Contratado junto ao Barcelona de Guayaquil, “Gambetita” é a grande esperança do Atlante de se salvar de um rebaixamento que parecia consumado no início da competição. No último fim de semana, foi o autor de todos os quatro gols na vitória dos Potros sobre o Querétaro por 4×2, resultado que levou os Azulgranas ao sexto lugar e reacendeu a briga contra o rebaixamento.

Os dois, somando algumas convocações para sua seleção, refletem esse crescimento: na última convocação da seleção equatoriana, quatro jogadores defendiam clubes mexicanos, segunda maior fonte, atrás apenas dos próprios times do país. Isso sem falar em outros seis jogadores convocados pelo técnico Reinado Rueda nos últimos doze meses defendendo clubes aztecas. Um contingente que colocou a seleção do Equador como a segunda no mundo que mais conta com jogadores atuando na Liga MX, perdendo apenas para a própria seleção Tricolor.

Um fator principal contribui para essa tendência. Pelo fato de serem menos valorizados (e procurados) por clubes europeus, as quantias a serem investidas para adquirir os direitos de uma boa revelação no mercado equatoriano soam bem mais atrativas aos clubes aztecas, que ainda não conseguem competir financeiramente com o Velho Continente, mas largam muito na frente dos demais países latinos (com exceção do Brasil). A questão é que, ao que parece, o investimento vem contando com um custo-benefício muito maior do que o esperado.

Enner e Arroyo são apenas os grandes expoentes da boa safra de talentos equatorianos em campos mexicanos. Um grupo que ainda conta com os bons meias Joao Rojas (Cruz Azul) e Jefferson Montero (Morelia), este último contratado a peso de ouro do Bétis (ESP), e os jovens atacantes Marlon de Jesús (Monterrey) e Fidel Martínez (Tijuana), sem falar nos experientes Walter Ayoví, multicampeão pelo Monterrey e hoje no Pachuca, e Narciso Mina, um dos últimos grandes artilheiros do campeonato equatoriano, tendo desembarcado no América já na casa dos 30 anos.

A tradição de atacantes equatorianos no futebol mexicano curiosamente não teve início com um jogador do setor. A passagem marcante do lendário meia Álex Aguinaga pelo Necaxa deixou excelentes recordações nos torcedores e dirigentes locais. Mesmo sem atuar no ataque, “El Maestro” acostumou-se a anotar gols decisivos e somar títulos, contribuindo de maneira marcante para as três únicas taças nacionais dos Electricistas. Além disso, seus 85 gols o tornaram o terceiro maior artilheiro da história do clube, uma marca e tanto para um meia.

Amparado pela fama do colega de seleção, Agustín Delgado desembarcou no Necaxa em 1999 para, no ano seguinte, tornar-se o primeiro jogador equatoriano a alcançar o prêmio de goleador máximo da Primera División. Depois dele, outros bons nomes do país passaram por clubes aztecas, alguns com bom destaque, mas sem alcançar a mesma notoriedade ou o prêmio de artilheiro.

Até a chegada de Christian Benítez em 2007. Durante cinco temporadas no México, “Chucho” venceu dois campeonatos nacionais, virou ídolo de Santos e América, tornou-se a contratação mais cara da história do futebol azteca e virou lenda pelo seu faro de gol apurado, conquistando quatro vezes a chuteira de ouro do goleador da Liga MX.

A excelente forma de Benítez, que faleceu precocemente no início de sua passagem pelo futebol árabe, causou uma corrida dos clubes locais ao futebol equatoriano. Somente no intervalo entre o Apertura e o Clausura, meio de temporada e época de mercado pouco aquecido, seis promessas de clubes equatorianos desembarcaram em clubes da elite do país. Uma conta que ainda precisa levar em consideração o argentino Andrés Ríos, ex-River Plate, mas contratado pelo América após grande temporada pelo Deportivo Cuenca.

Ainda não dá pra dizer que os jogadores equatorianos têm a preferência dos torcedores aztecas. Mas já começa a ficar claro que se tornaram uma excelente opção para quem precisa de talento, habilidade e, principalmente, faro de gol, mas não quer (ou não pode) mais apostar suas fichas em argentinos, brasileiros ou uruguaios. E que se cuidem os demais atletas sul-americanos. A julgar pela fome de gol demonstrada, os equatorianos chegam para brigar pelo topo.

Curtas

México

- Seleção do site Mediotiempo da 10ª rodada do Clausura: Edgar Melitón Hernández (Veracruz), Leiton Jiménez (Veracruz), Paulo da Silva (Toluca), Juninho (Tigre UANL) e Carlos Adrián Morales (Morelia); Lucas Lobos (Tigres UANL), Juan Pablo Rodríguez (Santos), Carlos Esquivel (Toluca) e Darío Benedetto (Tijuana); Enner Valencia (Pachuca) e Michael Arroyo (Atlante); T: Ricardo Ferretti (Tigres UANL);

Costa Rica

- De virada, o Herediano bateu o Uruguay e manteve a ponta do Campeonato de Verano da Primera Divisón, com 26 pontos em 12 jogos. Vice-líder, o Saprissa venceu o Municipal Pérez Zeledón fora de casa pelo placar mínimo e soma 25, enquanto a atual campeão Alajuelense, sem atuar no fim de semana, segue em terceiro, com 21 e um jogo a menos. Sem vencer há seis partidas, o Cartaginés perdeu para a USC e é apenas o nono colocado;

El Salvador

- Mesmo derrotado no Derbi Santaneco, perdendo a invencibilidade justamente para o rival, o FAS segue na liderança do Clausura da Liga Mayor, com 19 pontos em 8 partidas. Com o triunfo, os Cementeros estão na segunda posição, com 16 pontos. O Luis Ángel Firpo é o sexto, após revés para o Juventud Independiente. Já Águila e Alianza seguem em má fase. O primeiro até venceu na rodada, mas ambos têm apenas 8 pontos e dividem a vice-lanterna;

Guatemala

- Em um Clássico Nacional de poucas emoções, Comunicaciones e Municipal ficaram no empate sem gols. Resultado melhor para os Cremas que seguem na cola da líder Universidad SC, batida pelo Coatepeque no fim de semana. A diferença agora é de apenas um ponto, enquanto os Rojos ocupam apenas a oitava posição no Clausura da Liga Nacional.

Honduras

- Com uma goleada sobre o Vida, o Olimpia disparou na ponta do Clausura da Liga Nacional, alcançando 25 pontos em 11 jogos. A diferença para o vice-líder Real Sociedad, que superou o Motagua no fim de semana, já é de cinco pontos. Atual campeão, o Real España bateu o Savio e é o terceiro, com 17 pontos, um a mais que o Motagua. Já o Marathón não passou de um empate sem gols contra o Platense e segue em oitavo, com 11;

Panamá

- Com um triunfo mínimo sobre o CAI, o Alianza somou sua terceira vitória consecutiva e lidera o Clausura da Liga Panamenha, com 19 pontos em 10 partidas. Vice-líder, o Chorrillo segue em recuperação surpreendente. Os Chorrilleros bateram o Chepo, alcançaram 17 pontos e somaram seu quarto triunfo seguido. Plaza Amador e Árabe Unido aparecem na sequência, com 17 e 16 pontos, respectivamente, mas os grandes San Francisco e Tauro vêm sofrendo. Ambos dividem o modesto oitavo lugar, com 9 pontos. Os Monjes foram derrotados pelo Sporting San Miguelito, enquanto os atuais campeões não passaram de um empate sem gols no Clássico Nacional contra o Plaza Amador;

Jamaica

- Alcançando sua sétima partida sem vitórias no empate com o Rivoli, o atual campeão Harbour View perdeu contato com o líder Montego Bay, que alcançou 42 pontos, e agora divide a vice-liderança da National Premier League com o Waterhouse, ambos com 39 pontos em 23 jogos. O Tivoli Gardens é o quinto, com 31, quanto o Portmore, derrotado pelo líder, ocupa a nona posição, com 26 pontos;

Trinidad & Tobago

- Um triunfo sobre o St. Ann’s Rangers recolocou o W Connection no caminho das vitórias após três rodadas e ampliou a vantagem do clube na ponta TT Pro League, com 37 pontos em 16 partidas, oito a mais que os vice-líderes Point Fortin e Central, que superou o atual campeão Defence Force, sétimo colocado, com 17 pontos (em 12 jogos). Já o San Juan Jabloteh é o vice-lanterna, com apenas 11 pontos;

Nicarágua

Atual hexacampeão nacional, o Real Estelí tropeçou e perdeu a liderança do Clausura da Liga Nacional. O Trem do Norte empatou com o Real Madriz, viu chegar ao fim sua série de quatro vitórias e caiu para o terceiro lugar, com 26 pontos em 13 jogos. Walter Ferretti e Diriangén venceram Managua e San Marcos, respectivamente, e assumiram as duas primeiras posições, com 28 e 27 pontos, ambos alcançando seu quinto triunfo consecutivo.