Na última sexta, quando Gales enfrentou a Geórgia em Tbilisi, o hino dos visitantes foi executado parcialmente. E como se viu tantas vezes aos longo dos últimos anos nas competições oficiais, a torcida nas arquibancadas não se contentou com o trecho. Os milhares de galeses que viajaram para acompanhar a sua seleção continuaram cantando até o final. Protagonizaram uma cena marcante, que deu energia à seleção. A vitória por 1 a 0 mantinha a equipe nacional vivíssima nas Eliminatórias.

Nesta segunda, Gales voltou a campo. Enfrentaria a Irlanda em Cardiff, precisando da vitória para confirmar a vaga na repescagem. A pedido dos jogadores, diante do que aconteceu em Tbilisi, apenas os primeiros acordes do hino seriam executados. O restante da canção ficaria a encargo das cordas vocais da multidão nas arquibancadas. A capela, os milhares de galeses produziram um instantes de arrepiar. Em uníssono, o estádio inteiro se uniu para empurrar a seleção.

O resultado? Gales perdeu para a Irlanda por 1 a 0 e acabou a ver navios. Aquela força toda não impactou da melhor maneira em campo. O hino nacional, de qualquer forma, não será esquecido tão cedo pelas emoções que aflorou.