Enfim, Neymar teve sua tão aclamada apresentação com a camisa do Barcelona. Ao todo, 56 mil torcedores blaugranes encheram as arquibancadas do Camp Nou para ver o brasileiro fazer meia dúzia de embaixadinhas, falar algumas palavras e saudar o público. Aparição rápida, que não desvendou nem mesmo qual o número da camisa que o atacante usará no clube catalão. Mas que ao menos serviu para deixar uma boa impressão.

O primeiro sinal da dedicação de Neymar veio em suas palavras. Ao invés de falar apenas em português ou arriscar um “portunhol”, o brasileiro tentou transmitir algumas mensagens em catalão. Uma atitude que demonstra sua preparação na chegada ao Barça, além de aproximá-lo do nacionalismo tão em voga na realidade política do clube.

Mais do que isso, o conteúdo do discurso de Neymar também o aproximou da coletividade que é apregoada entre os blaugranas. Deixou de lado os estrelismos para dizer que “realiza um sonho”. Sobretudo, que “quer ajudar Messi a continuar sendo o melhor jogador do mundo”. Tentou passar a impressão de que é mais um no elenco de Tito Vilanova, não de que chega para ganhar a Bola de Ouro, como acostumou-se a apontar.

Conforme o protocolo, deu a volta no Camp Nou rodeado por garotos das categorias de base. Reforçou a imagem de jogador que vem para renovar o poderio de um clube dominante nos últimos anos, ainda que não tenha sido formado na cantera blaugrana. Pelo menos na maneira de se portar, o brasileiro já começou a se adaptar rapidamente ao Barcelona.

As aspas de uma coletiva óbvia

Além da apresentação à torcida, Neymar passou por uma entrevista coletiva composta por jornalistas do mundo todo. Abordado por cerca de uma hora e respondendo a perguntas muitas vezes repetidas, o novo jogador do Barça esbanjou alegria e também algumas respostas bem óbvias sobre a sua vida no clube catalão.

Entre várias respostas comuns e declarações cautelosas, Neymar acabou soltando que já havia conversado com Tito Vilanova em 2012, quando o treinador blaugrana estava enfrentando a pior fase do seu tratamento contra um câncer. Claramente o atacante não está tão preocupado em ganhar espaço como principal astro da companhia. Isso também fica claro na forma como ele declara seu amor pelo clube, antes mesmo de ter sido anunciado como jogador dele.

Chegar como coadjuvante e amadurecer para levar o seu time e a seleção brasileira ao sucesso deve ser o principal objetivo de Neymar como camisa 7, 11, ou seja lá qual número ele vá vestir em sua passagem pelo Camp Nou. Ao fim da coletiva, ficou a sensação de que os jornalistas envolvidos em sua maioria não tentaram tirar nada de diferente do atacante, tornando a entrevista numa abordagem quase que ritual como vemos no pós-jogo.

Confira abaixo alguns dos tópicos mais interessantes comentados por Neymar em sua chegada ao Barcelona:

Neymar
Sobre chegar num Barça bem resolvido

“Estou muito feliz de estar realizando mais um sonho da minha vida, hoje é um grande dia não só para mim como para toda a minha família. Terei a oportunidade de jogar com esses craques e os via desde pequeno. Messi, Xavi, Iniesta, entre outros. É uma nova fase que começa e serão muitas alegrias, certamente.”

O primeiro contato com a torcida

“A emoção é grande de ser ovacionado pela torcida no Camp Nou. Me segurei demais para não chorar, é a realização de um sonho. Para o Neymar hoje, um homem, um adulto, é a mesma coisa que para a criança que sempre sonhou com isso. A emoção é gigantesca.”

Neymar seria ofuscado por Messi?

“Nunca me preocupei com isso, em ser o melhor do mundo. Sou um dos caras mais sortudos do mundo de hoje pode jogar ao lado dele. Hoje pra mim é uma felicidade muito grande. É uma honra. E hoje espero ajudá-lo a ser o melhor jogador do mundo.”

A polêmica do número na camisa

“Eu sou um cara que nunca se preocupou com número. Não escolhi, não sei o que vou usar. Então não tenho como falar. Mas eu nunca tive preferência por um específico.”

Adaptando-se ao esquema do Barça

“Espero que possa me adaptar o mais rápido possível e que continue com a minha vida normal, para daí dar muitas alegrias ao torcedor do Barcelona.”

A possibilidade de ser campeão de tudo

“Estou chegando para jogar com grandes jogadores, que são os melhores do mundo. Não é dividir a responsabilidade, e sim dividir o espaço no campo, para que a gente possa se entender, ser feliz e ganhar todos os campeonatos possíveis. A gente vai jogar para isso, para dar alegria aos torcedores.”

Na visão de Neymar, o Barcelona deve ser um Santos mais organizado…

“É só tocar a bola no Messi e rezar: vai lá, cara, faz o gol pra gente. Há um tempo atrás eu tinha dito que sempre torcia para que ele continuasse a fazer o que faz hoje e sendo o grande craque do nosso futebol. Agora poderei ver de perto tudo isso e ajudar, que é o mais importante.”

Nada demais sobre Cristiano Ronaldo

“Cristiano Ronaldo é um grande jogador, um dos melhores do mundo, respeito e é um dos ídolos que tenho, que me espelho.”

Mais de Messi e uma rápida análise sobre a Seleção brasileira

“Ajudar o Messi a ser o melhor jogador do mundo não tem nada a ver em não querer ganhar a Copa. É o que nós brasileiros mais queremos e essa vontade ficou clara no jogo de ontem. Fizemos um primeiro tempo fantástico, temos entrosamento e treinando cada vez mais, podemos melhorar.”

Amadurecer na Europa era questão de momento

“Sempre falei pra vocês que no momento certo, eu iria sair. E o momento foi esse. Não fui por opinião de jornalistas ou torcida que diziam que eu deveria ir para Europa. Conversei com meu pai e minha família, tomei esta decisão. Como no Santos, aqui vou evoluir muito e vou ajudar muito os companheiros de Barcelona.”

A distância da família

“A saudade vai bater. Mas espero que me adapte o mais rápido possível, para que possa jogar meu futebol tranquilamente. Não vai atrapalhar em nada meu filho longe, ele vai vir pra cá às vezes. Mas foi o que eu decidi. Estou feliz por começar uma nova etapa”.

Desperdiçando uma boa chance de falar sobre o assédio do Real Madrid

“Real Madrid é um grande clube, respeito muito. Mas segui meu coração e decidi vir jogar aqui”