A Colômbia vive momentos importantes. No esporte, sua seleção disputa a primeira Copa do Mundo desde 1998, e com chances de fazer uma boa campanha. Fora do campo, o país teve eleições presidenciais no último domingo. E a empolgação com a primeira coisa é tão grande que acabou invadindo a segunda.

No país ainda se vota com cédulas de papel. Ou seja, anular o voto não é apenas apertar algum número diferente do normal. É possível escrever, rabiscar, se manifestar. E a manifestação preferida dos colombianos que não estavam contentes com os candidatos Juan Manuel Santos e Óscar Iván Zuluaga foi “votar” em José Pekerman, técnico da seleção cafetera.

Não há uma estatística de quantos votos foram dados ao treinador, mas eles foram uma parcela significativa dos 403.405 votos nulos da eleição. E muitos foram criativos, aproveitando para colar figurinha da Copa do Mundo na cédula ou até desenhando o resto do comandante. Alguns exemplos de cédulas anuladas chegaram à internet. Veja abaixo as algumas delas:

Eleitor desenhou Pekerman como presidente e Mario Yepes como vice

Eleitor desenhou Pekerman como presidente e Mario Yepes como vice

Eleitor cola a figurinha de Armero na cédula de votação à presidência da Colômbia

Eleitor cola a figurinha de Armero na cédula de votação à presidência da Colômbia

"Nem Santos, nem Zuluata. Por Pekerman"

“Nem Santos, nem Zuluata. Por Pekerman”

Ess ia votar em branco, mas decidiu votar em Pekerman

Ess ia votar em branco, mas decidiu votar em Pekerman

De qualquer forma, ele não poderia ser eleito. Primeiro que, mesmo que todos os votos nulos fossem para Pekerman, ele teria apenas 2,55% do total de votos. Segundo, porque ele não é cidadão colombiano (é argentino). Caso você tenha curiosidade, Juan Manuel Santos, atual presidente, foi reeleito com 50,95% dos votos.