A seleção francesa é apontada como favorita para a Copa do Mundo de 2018. Difícil pensar de outro jeito diante da quantidade de grandes jogadores que Didier Deschamps tem à disposição. Mas nem sempre a equipe consegue retribuir a confiança com grandes atuações. Nesta sexta-feira, conseguiu. É verdade que a seleção italiana não disputará o Mundial russo, mas ainda é a seleção italiana. E a França simplesmente não tomou conhecimento da adversária. Venceu por 3 a 1 e ainda colocou duas bolas na trave. Liderada por Ousmane Dembélé que, finalmente em forma novamente, mostrou tudo que pode fazer.

Testes de Mancini

Em seu segundo jogo como técnico da Itália, Roberto Mancini realizou mais alguns testes. Mudou bastante o time em relação ao que enfrentou a Arábia Saudita, na sua estreia, Em vez de Zappacosta e Criscito, colocou D’Ambrosio e De Sciglio nas laterais. Mattia Caldara foi o parceiro de Bonucci, na vaga de Romagnoli, O meio campo teve Rolando Mandragora, ao lado de Jorginho e Pellegrini. No ataque, permaneceu apenas Balotelli. À esquerda, Chiesa. E à direita, Berardi. Sirigiu começou debaixo das traves. 

Atropelamento

A Itália não conseguiu lidar com a França na primeira meia hora da partida. Com Dembélé de um lado e Mbappé do outro, a pressão foi incessante. Acertou a trave com Kanté e finalizou ao alvo quatro vezes. Aos 8 minutos, abriu o placar. Uma virada de jogo para Mbappé, que Sirigu conseguiu defender com as pernas. No rebote, Umtiti marcou. Griezmann ampliou de pênalti, aos 29. Falta de Mandragora em Lucas Hernández.

 

Lloris dá uma mãozinha para o árbitro

A Itália conseguiu finalmente sair para o jogo, depois de levar 2 a 0. Balotelli tentou jogada individual na entrada da área, e Umtiti o derrubou. O árbitro marcou falta perigosa, mas o replay deixou claro que a infração ocorreu dentro da área. Era para ter sido pênalti. O VAR não interveio. Sorte do apitador que Lloris espalmou para o meio da área a bomba de Balotelli na cobrança, e Bonucci descontou para a Itália. 

 

Como joga Dembélé!

Ousmane Dembélé foi contratado por € 115 milhões para o lugar de Neymar e se machucou antes de poder se adaptar ao Barcelona. Quando se recuperou, a equipe já estava encaixada e ele não foi tão utilizado quanto se esperava. Melhorou na reta final e, contra a Itália, deitou e rolou. Pela esquerda, pela direita, pelo meio, foi rápido demais para a defesa italiana e levou perigo constante. No começo do segundo tempo, fez uma linda jogada individual que terminou com bola no travessão. A segunda vez que a França balançou o poste. 

E, aos 18 minutos, fez o terceiro da França deste jeito: 

 

Só deu Balotelli no ataque da Itália

O treinador italiano trocou os pontas, mas nem Berardi e nem Chiesa conseguiram produzir muita coisa contra a defesa francesa. E nem Insigne, que entrou no segundo tempo. Todo o perigo que a Itália levou a Hugo Lloris saiu dos pés (ou da cabeça) de Balotelli, que cavou a falta do único gol da sua equipe – e ainda a cobrou com muita força, exigindo rebote do goleiro. Quase marcou o segundo italiano, completando cruzamento da esquerda. O atacante do Nice, sozinho, deu seis chutes a gol. Quase metade do total de 13 da seleção italiana. Ele realmente gosta muito de Roberto Mancini.